Dilma responde a ataques de FHC

A presidente Dilma Rousseff emitiu nota oficial em resposta a artigo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso aos jornais O Globo e O Estado de S. Paulo no qual critica (como de hábito) o ex-presidente Lula:

Citada de modo incorreto pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em artigo publicado neste domingo, nos jornais O Globo e O Estado de S. Paulo, creio ser necessário recolocar os fatos em seus devidos lugares. Recebi do ex-presidente Lula uma herança bendita. Não recebi um país sob intervenção do FMI ou sob a ameaça de apagão. Recebi uma economia sólida, com crescimento robusto, inflação sob controle, investimentos consistentes em infraestrutura e reservas cambiais recordes. Recebi um país mais justo e menos desigual, com 40 milhões de pessoas ascendendo à classe média, pleno emprego e oportunidade de acesso à universidade a centenas de milhares de estudantes.

Recebi um Brasil mais respeitado lá fora graças às posições firmes do ex-presidente Lula no cenário internacional. Um democrata que não caiu na tentação de uma mudança constitucional que o beneficiasse. O ex-presidente Lula é um exemplo de estadista. Não reconhecer os avanços que o país obteve nos últimos dez anos é uma tentativa menor de reescrever a história. O passado deve nos servir de contraponto, de lição, de visão crítica, não de ressentimento. Aprendi com os erros e, principalmente, com os acertos de todas as administrações que me antecederam. Mas governo com os olhos no futuro.

8 comentários em “Dilma responde a ataques de FHC

  1. Eis uma descrição bem suavizada (dado o autor ser o conhecido chapa branca, Mino Carta) do Brasil que a Dilma recebeu de TODOS os governos anteriores:
    (…)

    “Enquanto as metrópoles nacionais figuram entre as mais violentas do mundo, acima de 50 mil brasileiros são assassinados anualmente, e um relatório divulgado esta semana pelas Nações Unidas coloca o Brasil em quarto lugar na classificação dos mais desiguais da América Latina, precedido por Guatemala, Honduras e Colômbia. O documento informa que 28% da população brasileira mora em favelas, sem contar quem vive nos inúmeros grotões do País.

    Vale acrescentar que mais de 60% do nosso território não é alcançado pelo saneamento básico. Ou sublinhar a precariedade da saúde pública e do nosso ensino em geral. Dispomos de uma cornucópia maligna de dados terrificantes. Em contrapartida, capitais brasileiros refugiados em paraísos fiscais somam uma extravasante importância que coloca os graúdos nativos em quarto lugar entre os maiores evasores globais.

    É do conhecimento até do mundo mineral que o desequilíbrio social é o maior problema do País. Dele decorrem os demais. Entrave fatal para o exercício de um capitalismo razoavelmente saudável. E evitemos tocar na tecla do desenvolvimento democrático. Mas quantos não se conformam? Não serão, decerto, os ricos em bilhões, e a turma dos aspirantes, cada vez mais ostensivos na exibição de seu poder de compra e de seu mau gosto. Não serão os profissionais da política, sempre que não soe a hora da retórica. Não será a mídia, concentrada no ataque a tudo que se faça em odor de PT, ou em nome da igualdade e da justiça”.
    (…)

  2. O maior defeito do PT é querer se apoderar de um panorama e de uma estabilidade econômica, hoje em melhores condições, proporcionada pelo PSDB na pessoa do FHC, reconhecidamente chamado do Pai do Real. Foi o começo de tudo quando implantou o plano real e estabilizou uma economia que passou décadas cortando zeros devido a alta inflação. Cabe reconhecer que o PT não deixou a peteca cair, mas o Brasil não é tudo o que a propagada do partido pregoa. Acima a postagem do amigo Antônio Oliveira toca em pontos que é de conhecimentos de todos. Melhor trabalhar com mais seriedade, valorizar o o servidor público, que muitos acham que ganham bem, mas esquecem que alguns são concursados, estudados e queimaram pestanas para ocupar cargos de melhores remunerações.
    A era LULA que muitos acham que foi boa, deve ser assimilada revendo os governantes anteriores que deixaram sua parcela de contribuição e deixar essa de querer ser o dono da verdade.

    Quando a carga tributária reduzir a patamares toleráveis, ai sim podemos dizer que alguma coisa foi feita.

  3. Saúde,segurança pública,educação nas esferas Municipal ,Estadual e Federal precisam melhorar DEVERAS,e isso se fala e é dito desde quando sequer meu pai era nascido,creio eu,porém é algo latente… Na minha concepção,excetuando raríssimas instituições Brasil afora,a educação é a base do “finge-se que ensina ao finge-se que aprende”,pois é flagrante o retrocesso nos cronogramas escolares e de medidas que venham melhorar o ensino no país de forma abrangente e, ao mesmo tempo, que venham capacitar e instruir verdadeiramente … Criticando o pensamento dos políticos ,de modo geral,digo que os mesmos detém uma visão,em sua grande e ABSOLUTA MAIORIA,DEFASADA,pois pelo que vejo, há promessas de campanha eleição após eleição ridículas,de pouca valia e com clichês como “emprego e renda”,que já não suporto mais ouvir… Não há um plano ou ideias que sejam determinantes por parte dos governantes de encontrar uma saída para todos os nossos problemas em longo e médio prazos,o Brasil é uma avacalhação,corporativista, e até pelo fato de ser um dos países com maior per capita do mundo,deveria ser menos desigual…É certo que teve uma leve melhoria na situação econômica do país nestes últimos anos,porém há muito o que se fazer em vários aspectos a fim de que a população realmente seja beneficiada ,instruída,capacitada,e com melhores possibilidades de ascender na vida,de certa forma,não critico os programas sociais,que beneficiam centenas de milhares de famílias pelo Brasil,porém deve-se haver projetos que ,simultaneamente,agreguem e sejam eficazes para a melhoria de vida dessas famílias no futuro,não apenas momentaneamnete… Tá difícil encontrar algum candidato que reúna ideias realmente ambiciosas e com visão no futuro,a fim de sanar ou diminuir drasticamente os problemas de nossa sociedade,verdadeiramente… Entre Dilma e PSDB,sinceramente,menos pior com Dilma,apesar de não votar em nenhum dos dois…

  4. Charles, acho válido seu ponto de vista, mas faço observações. Não se ensina criança com fome, nem se pode ter segurança com milhões de desempregados. A “ladainha” do emprego e renda é necessária. É urgente acrescentar educação ao coro, mas se você não tem nada pra comer, é difícil pensar em se formar (na verdade é difícil até pensar).
    Diogo, meu caro, acho que cada um puxa a brasa pra sua sardinha. Mas é preciso lembrar que o Brasil quebrou em 1999, e que o pai (ou reprodutor) do Real foi Itamar,que era o presidente. De resto, cada qual analisa os fatos como quer, então …

  5. Que isso Eriko Morais? Foi no governo de Itamar Franco quando FHC era ministro da fazenda. Não se trata de se apegar a partido. Não votei e jamais votarei em Serra.

  6. Não se pode negar que que muito foi feito nos 8 anos de governo Lula e muito foi feito nos 8 anos de governo FHC. No plano político, o governo Lula foi acusado de “assaltar” o poder mediante um projeto de compra de apoios dos parlamentares no Senado e no Congresso através de um esquema de afluxo de dinheiro e verbas conhecido como “Mensalão”. O tucano se valeu de expedientes análogos à época e que viabilizaram o processo de reeleição não previsto constitucionalmente. Muito embora a campanha de compra de votos tivesse usado métodos avassaladores à la “Rolling Thunder”, FHC foi apenas “mencionado”, e não houve escandalização da figura pública do mandatário do país e nem citações do mesmo e do método de compra de votos como um atentado à democracia. Como se vê, para muitos há uma imensidão de mares e pouca terra seca ou muito chão árido e sequer um oásis.
    No plano econômico FHC modernizou o país à custa de muito suor nos rostos e sangria no bolso. Como se viu, manter a paridade entre o Dólar e o Real necessitou de cortes nos investimentos, ajustes ficais, privatizações desastrosas com contratos que preveem aumentos regulares de tarifas e pouca regulação dos setores prestadores de serviços (Rede Celpa, em execução judicial – pois “recuperação judicial” é um eufemismo para inglês ver – e as famigeradas teles são um exemplo de que pagamos as taxas mais altas do mundo pelos piores serviços prestados), abertura dos setores de educação e saúde à instituições de capital privado e os novos acordos com o FMI que exigiam metas a serem atingidas por estes setores, como um maior número de aprovações nas escolas e a expansão de leitos e hospitais sob pena do corte de aportes do Fundo. Não precisa dizer que nosso ensino é um dos piores do mundo e nosso sistema público de saúde, que no papel é perfeito, é similar ao de países em guerra civil nos rincões do planeta. E todo esse processo de “modernização” foi colocado na conta dos trabalhadores. Um dos resultado foi a desregulamentação e a precarização do trabalho com carteira assinada e a baixa renda e o pouco poder de compra da classe trabalhadora que, embora tenha atingido níveis um tanto quanto consideráveis nos dias que correm, ainda está longe do ideal.
    O Diogo tem razão quando afirma que Lula deu continuidade em alguns pontos da agenda política e econômica tucana. Quem dera o barbudo tivesse as riscado do seu caderninho. Sofreríamos muito, mas nosso povo teria, quem sabe, uma vida com mais dignidade.

  7. ora ora, de novo o FHC tentando criticar Lula, mas ele sabe que toda vez que se pronuncia desta forma acaba fazendo gol contra, é melhor ele ficar calado, enquanto todos ainda nas propagandas eleitorais fazem questão de associar seus nomes ao de Lula, o próprio partido de FHC faz questão de esquece-lo, por que será gente?

  8. Malcher, a rigor, no plano político, o máximo que se pode dizer é que tanto Lula, quanto FHC foram ACUSADOS de mensalão. E isso é só uma parte mínima de que foram acusados no plano político.

    No plano econômico, o Lula deu continuidade ao que foi feito pelo FHC e até intensificou a maioria das imperfeições, multiplicando as bolsas e artificializando o poder aquisitivo concedendo empréstimos a torto e a direito que só endivida o trabalhador e garante o lucro exorbitante dos banqueiros e demais comerciantes. A inflação segue correndo solta e as greves são o perfeito indicativo desta realidade. Aliás, em se tratando de inflação crescente e escondida cada um de nós pode atestar esta verdade. Quem lucrava muito antes, lucra mais agora e alguns que eventualmente foram colhidos n’alguma alopração acabaram socorridos, como o caso do banco do Silvio Santos, semelhante ao governo do FHC.

    No que respeita à educação e à saúde após 12 anos de governo petista nada mudou. Universidades e Faculdades públicas e privadas continuaram sendo autorizadas. Aliás, estas últimas, como dantes, seguem faturando a rodo. E o acesso vem sendo garantido sem a exigência de muita qualificação. O importante são os números, s estatísticas. E se a Dilma não veta teria sido muito pior. Na Saúde, só agora, muito timidamente, começam ser adotadas medidas contra os planos de saúde. Mas, aqueles que nem isso tem seguem na pior.

    No que respeita às privatizações esta foi a pior decepção. Não reverteu as privatizações irregulares, tampouco cuidou de fiscalizar a péssima qualidade dos serviços por elas prestados. Quanto às teles p. ex., também só agora esboçou uma tímida reação, a qual não durou nem 15 dias. As operadoras seguem vendendo livremente suas ilusões.

    Mas, sabe, num varejo, bem esparso a Dilma praticou alguns atos dignos de nota positiva. A condenação ao apedrejamento da mulher no Irã, o passa fora no Ricardo Teixeira, o distanciamento do julgamento do mensalão, o “tiro” no ministro do trabalho, a postura firme com os grevistas do serviço público, dentre outros.

Deixe uma resposta