Série C: classificação do Grupo A

Pts. J V E D GP GC SD
1  Luverdense-MT 15 7 5 0 2 14 10 4 71.4
2  Fortaleza 14 7 4 2 1 7 4 3 66.7
3  Salgueiro-PE 11 7 3 2 2 15 11 4 52.4
4  Paissandu 11 7 3 2 2 9 7 2 52.4
5  Icasa-CE 10 7 3 1 3 8 9 -1 47.6
6  Santa Cruz 10 7 2 4 1 12 9 3 47.6
7  Águia 9 7 2 3 2 8 11 -3 42.9
8  Treze-PB 7 7 2 1 4 6 10 -4 33.3
9  Guarany-CE 4 7 1 1 5 6 10 -4 19.0
10  Cuiabá 4 7 0 4 3 2 6 -4 19.0

Luverdense goleia o Águia

Em atuação desastrosa, o Águia foi goleado por 5 a 1 pelo Luverdense na tarde deste domingo, em Lucas do Rio Verde. O começo da partida deu a falsa impressão de que o time paraense seria bem-sucedido. Aos 13 minutos, o zagueiro Carlão abriu o placar, de cabeça. O Luverdense sentiu o gol, mas conseguiu se equilibrar a partir da metade da primeira etapa e chegou ao empate aos 31 minutos, através de Carlos Alberto. Na etapa final, Anderson (de cabeça) virou o marcador. Três minutos depois, Carlos Alberto ampliou para 3 a 1. A goleada começou a se desenhar aos 37, com Rafael Tavares. O quinto gol foi de bicicleta, marcado por Dão, aos 45 minutos.

Remo vence Náutico e se isola na liderança

Depois de 0 a 0 no primeiro tempo, mesmo perdendo algumas oportunidades, o Remo conseguiu construir uma goleada de 4 a 0 sobre o Náutico-RR, na tarde deste domingo no estádio Evandro Almeida. No segundo tempo, melhor organizado em campo, o time paraense abriu o placar logo aos 11 minutos. André, de cabeça, marcou o primeiro gol. A pressão continuou e, aos 17, Ratinho (cobrando penalidade máxima) ampliou. O mesmo Ratinho, dois minutos depois, marcou 3 a 0, disparando um chute forte de fora da área no canto direito do gol de Stanley.

O jogo parecia fácil, apesar dos equívocos de Edson Gaúcho, que tirou Fábio Oliveira e botou Edu Chiquita pra reforçar o meio-campo, mas deixou o time sem referência no ataque. Para corrigir, botou Cassiano e Mendes no lugar de Ávalos e Laionel, que teve atuação discreta. O Remo desperdiçou mais duas boas chances, com Cassiano e Diego Barros, que mandou a bola na trave. Finalmente, aos 40 minutos, após cruzamento sobre a área, André testou para Mendes fuzilar e fechar a contagem.

A partida teve público pagante de 6.941 torcedores, com renda de R$ 119.537,00. (Fotos: TIAGO ARAÚJO/Bola)

A frase do dia

“Eu sei o quanto tem sido difícil para ele [Bruno], para a gente. A relação pai e filho dentro da quadra é complicada. Quando eu penso numa decisão [sobre permanecer no cargo], eu penso muito nisso. Penso que ele é um cara fundamental para 2016, e minha presença [na seleção] pode atrapalhar ele. Sei o quanto ele queria esse resultado, o quanto ele queria provar que eu não estava sendo um nepotista. Se for o caso, eu me faço à parte [da seleção] para que ele faça a parte dele”.

De Bernardinho, técnico da seleção de vôlei, falando sobre o filho Bruno após a derrota na final olímpica.

Para assegurar a classificação

Por Gerson Nogueira

Depois da atuação convincente em Rio Branco, o Remo tem a chance de finalmente mostrar segurança e estabilidade dentro de seus domínios. Precisa aproveitar a oportunidade para ganhar a confiança do torcedor.  Para isso, precisará ter uma boa produção no meio-de-campo e, principalmente, um rendimento mais consistente da defesa.

Até a rodada passada o time primava pela irregularidade e não impunha respeito, nem mesmo quando atuava em casa. A partida contra o Atlético Acreano no Baenão é a maior prova disso. Nos primeiros 45 minutos, jogando apenas com um volante, o Remo foi envolvido pela correria do adversário e esteve a pique de sofrer uma derrota.

Na Arena da Floresta, no sábado passado, o time passou por uma transformação. Tomou a iniciativa das jogadas e controlou o jogo do começo ao fim. A evolução técnica permitiu superar até momentos tensos, como no lance do penal a 15 minutos do fim, após falha do zagueiro e capitão Ávalos.

Aliás, o miolo de zaga é a fonte de todas as preocupações do torcedor remista. O time mantém a incômoda média de quase 2 gols sofridos por rodada. No começo, a defesa tinha outras opções, como Edinho e Juan Sosa. Hoje, Edson Gaúcho só conta com Ávalos e Diego Barros, jogadores veteranos e lentos, com sérias dificuldades de recuperação.

O jovem Igor João, oriundo da base, nem é considerado como alternativa. O técnico avalia que ele ainda precisa evoluir. Duvido que seja inferior a Ávalos. De qualquer maneira, a contratação de um zagueiro (Marcelão, 24 anos) mais jovem deve dar mais qualidade ao setor.

No meio-de-campo, Laionel faz sua estreia diante do torcedor, substituindo Edu Chiquita, que não foi bem na partida de Rio Branco. Ao lado de Reis, Laionel terá a missão de criar jogadas para os atacantes Fábio Oliveira e Ratinho, que vêm ganhando entrosamento a cada jogo.

Reis (foto), decisivo no jogo contra o Atlético-AC, tem o desafio de repetir a atuação diante da torcida. Nunca, desde que se profissionalizou, o meia-atacante tinha assumido o papel de protagonista. Sob a orientação de Gaúcho, ganhou liberdade para ocupar espaços no ataque e confiança para arriscar. Precisa agora da aprovação do torcedor.

Uma vitória sobre o Náutico, que é o último colocado do grupo A1, dará ao Remo a classificação antecipada à próxima fase, com 13 pontos. Garante ao clube ainda, na pior das hipóteses, a vaga na Série D 2013.

————————————————————–

Além de deixar a Terceira Divisão, clubes paraenses que disputam a Série C têm um motivo extra para lutarem pelo acesso à Segunda Divisão. A CBF alterou os critérios para distribuição de vagas aos clubes na Copa Sul-americana 2013. A principal novidade é a possibilidade de equipes da Série B participarem do torneio continental. São oito vagas disponíveis.

A mudança tem a ver com a inclusão na Copa do Brasil dos times que disputam a Libertadores. A duração da Copa BR se estendeu, criando a possibilidade de um clube disputar ao mesmo tempo a Copa do Brasil e a Sul-Americana. Para evitar a participação simultânea, a CBF vai convidar os primeiros colocados na Série B.

————————————————————–

Contra o Luverdense, o Águia tem a missão mais espinhosa dos clubes paraenses na rodada deste fim de semana. Depois do tropeço diante do Salgueiro em Marabá, o time de João Galvão briga pela reabilitação na casa de um dos melhores times da competição e líder do grupo A.

A ocasião marca também o recorde de Galvão, técnico brasileiro mais longevo, com quatro anos e três meses de trabalho ininterrupto no Águia. Marcelo Veiga, que dirigia o Bragantino há quase cinco anos e era o recordista, foi afastado na última quinta-feira.

————————————————————–

A coluna é dedicada a meu pai José, lá em Baião, e em memória de meu pai-avô Juca. É também um dia especial pelos festejos dos 108 anos de fundação do Botafogo.

————————————————————–

Garotos bons de bola podem se candidatar a uma vaga nas divisões sub-15 e sub-17 do Remo. Os técnicos Tindô e Neto abrem o período de treinamentos e peneiras nesta segunda-feira, no Baenão.

————————————————————–

O programa Bola na Torre terá como convidado o meia-armador Harisson, do Paissandu. Começa às 23h45, na RBATV, depois do Pânico na Band. Apresentação de Guilherme Guerreiro.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO deste domingo, 12)

De virada, Papão se reabilita diante do Cuiabá

Com gols de Rafael Oliveira, aos 11 e 39 do segundo tempo, o Paissandu venceu de virada o Cuiabá na tarde deste sábado, no estádio Mangueirão, após ser derrotado no primeiro tempo da partida. Apesar das boas chances criadas ao longo do primeiro tempo, o time não conseguiu transformar o domínio em vantagem no placar e ainda sofreu com os perigosos contra-ataques do visitante, muito bem trabalhados por Evandro, Josiel e Fernando. Quando César abriu o placar, aos 39 minutos de jogo, o Papão era superior na partida, mas repetia problemas de cobertura na defesa e tinha dificuldades com a marcação forte sobre Héliton e Pikachu.

Irritada com a derrota parcial, a torcida vaiou bastante o time na descida para os vestiários. No retorno, com mais velocidade e tentativa de jogadas pelas pontas, através principalmente de Héliton, o Paissandu sufocou o Cuiabá, mas quase levou o segundo em grande jogada de Fernando pela direita, que o goleiro Dalton salvou em excelente saída do gol. O empate viria logo em seguida, aos 11 minutos. Após boa arrancada de Héliton, o goleiro deu rebote e Rafael Oliveira mandou para as redes.

Com Leandro Cearense em campo, o Cuiabá continuava ameaçando nos contragolpes. Aos 30 minutos, Dalton e Fábio Sanches impediram o gol após chute de Cearense que ainda raspou a trave. No final da partida, tentando a todo custo chegar à vitória, o Paissandu aumentou a presença no ataque e, aos 39, Pantico ajeitou a bola na pequena área para Rafael Oliveira finalizar para as redes.

Renda no Mangueirão: R$ 95.440 (5.778 pagantes). Com 2.939 credenciados, o público total foi de 8.217 torcedores. (Fotos: TIAGO ARAÚJO/Bola)