A Justiça, que é cega, também dorme

 

Ministros Gilmar Mendes e Joaquim Barbosa tiram aquela soneca durante as argumentações da defesa dos réus do mensalão, na sessão desta segunda-feira à tarde. Ao que parece, como a sentença condenatória está praticamente definida – segundo O Globo, Veja, Folhão e Estadão -, os membros da Suprema Corte brasileira parecem não estar ligando muito para os apelos dos defensores. (Foto: Blog do Noblat)

11 comentários em “A Justiça, que é cega, também dorme

  1. Quinta e sexta passadas não vi nenhum dormindo, porém havia os que liam, os que digitavam, os que batiam papo… Enfim, todos por certo absolutamente desatentos para o que os tribunos defendiam.

    Todavia, isso não me parece condenação garantida. E o voto do Lewandovski na questão de ordem, a permanência do Toffolli no Colegiado e o interesse de excluir do Colegiado o Gilmar Mendes e do ex Presidente em vias de se aposentar, são evidências firmes de que se houver condenação vai ser por um placar apertado. Ademais, ainda há de se levar em conta que as sustentações do advogados do José Dirceu e do Marcos Valério foram muito boas e alegaram a existência de sérias fragilidades na acusação, as quais se existirem mesmo realmente podem garantir a absolvição.

    Aguardemos, pois.

    1. Vendo os comentários sobre a dupla acima, dá para entender o que faz a Justiça do Brasil ser o que é. Merecemos.

  2. É, meu caro Gerson, mas, se é assim, no caso do Supremo, nosso merecimento começa quando elegemos aqueles que vão escolher e aprovar aqueles que depois vão se abraçar com Morfeu na hora da sessões. Com efeito, esperemos que dormir seja o pior que os Ministros façam neste julgamento.

  3. Não há provas que eles estavam, efetivamente, cochilando.
    O clique de uma câmara é mais rápido que um piscar de olhos.
    Mas, a minha experiência como advogado permite afirmar que, na grande maioria dos julgamentos, a sustentação oral não serve pra muita coisa.
    Serve mais para persuadir os outros julgadores, e não o relator, que já via pra sessão com seu voto pronto e não vai mudá-lo apenas em função da sustentação oral, que nada mais é do que um resumo dos principais pontos defesa que já se encontra nos autos.
    Aliás, nesse caso, é desumano querer que um ministro esteja 100% do tempo “ligado” nas argumentações, considerando a alta idade dos julgadores.
    Todos eles já leram e releram o processo, já tem suas convicções formadas, e não serão as sustentações orais, que nada de novo trarão ao caso, que irá alterar os votos.

  4. Vai ver Gerson, a acusação está com provas tão robustas que a verborragia dos advogados de defesa acabam sendo um bom sonífero. Agora caro Gerso, não vi nem na Veja, nem na Globo e nenhum outro veículo que a sentença condenatória está definida.

    Isso é tese de militantes esquerdistas que tentam desabonar uma eventual condenação da Corte Suprema desta nação. Se forem condenados é por quê fizeram por onde.

    Outra meu caro, há de se respeitar a corte suprema e mesmo o poder judiciário, você não tem subsídios para afirmar quer jogo já foi decidido ou mesmo para acusar a justiça de leniente, e foi isso que fez com o título jocoso do post.

Deixe uma resposta