Capanema volta e Harisson é confirmado na meia

O Paissandu já está escalado para o jogo desta segunda-feira à noite contra o Fortaleza, pela Série C do Campeonato Brasileiro. Com o retorno de Ricardo Capanema, Roberval Davino mantém a base dos dois primeiros jogos: Paulo Rafael; Fábio Sanches, Marcus Vinícius e Tiago Costa; Pikachu, Capanema, Fabinho, Harisson (foto) e Leandrinho; Tiago Potiguar e Kiros. Héliton, Robinho, Vanderson e Rafael Oliveira são opções para o decorrer da partida.

Paissandu espera público de 35 mil

A diretoria do Paissandu colocou à venda 35 mil ingressos para o jogo desta noite contra o Fortaleza, no Mangueirão. A arquibancada custa R$ 20,00 e cadeira sai a R$ 40,00. Até às 14h desta segunda-feira, tinham sido vendidos 6.123 ingressos, com arrecadação parcial de R$ 97.110,00. (Fonte: assessoria da FPF)

Adriano está fora dos planos de Edson Gaúcho

Ausente da relação de jogadores para o jogo amistoso desta terça-feira, no Mangueirão, contra o River Plate do Uruguai, o goleiro Adriano parece com os dias contados no Baenão, pelo menos enquanto durar a gestão do técnico Edson Gaúcho. Depois de falhas contra o Vilhena e o Penarol, o goleiro caiu em desgraça junto ao treinador e foi afastado por deficiência técnica. Gaúcho efetivou Jamilton contra o Náutico-RR e também no amistoso de sábado diante do Paragominas. Para o confronto internacional, foram relacionados Jamilton (abaixo) e o novato Gustavo, de 23 anos, contratado junto à Ponte Preta. A contratação de Gustavo indica que o afastamento de Adriano é definitivo. Discreto, o goleiro não se manifestou até o momento. A tendência é que seja liberado pelo clube. Curiosamente, Jamilton, o novo dono da camisa 1, falhou muito no jogo contra o PFC. (Fotos: MÁRIO QUADROS/Bola) 

Empresário Ronaldo coleciona desafetos

A curta carreira de Ronaldo já rendeu ao Fenômeno uma coleção de desafetos. O episódio envolvendo a permanência de Paulinho no Corinthians aumentou a lista de gente irritada com o ex-jogador. As queixas partem de dirigentes, conselheiros e empresários. As principais reclamações são sobre o ex-jogador agir quase sempre como se fosse cartola do Corinthians e por ir contra os interesses de agentes dos atletas abordados por ele. Na última sexta, José Carlos Brunoro criticou Ronaldo por ser incoerente ao telefonar para o volante e trabalhar por sua permanência no Parque São Jorge. Incoerência pelo fato de o Fenômeno ter aconselhado Neymar, cliente de sua agência, a sair do Brasil.

O blog apurou que numa ligação para Paulinho, o ex-atacante assegurou que o volante conseguiria um salário superior aos R$ 300 mil oferecidos inicialmente pelo Corinthians. Ele trabalharia para isso. Paulinho acabou fechando por R$ 400 mil, R$ 100 mil a mais do que recebe o reserva Douglas. A irritação do Audax, dono de 45% dos direitos do volante idolatrado pela Fiel, acontece ao mesmo tempo em que conselheiros do Santos protestam contra o Fenômeno ser um dos responsáveis pelo marketing de Neymar.

Alegam que o principal jogador do time não pode trabalhar com alguém tão ligado ao rival Corinthians. Acreditam que ele sempre irá agir pensando no que é melhor para o alvinegro da capital. Como ao incentivar a saída de Neymar, que enfraqueceria um rival corintiano. A direção santista também já atacou publicamente o Fenômeno por aconselhar o jovem a ir para Europa. No Flamengo, Ronaldo teve participação no episódio que se transformou numa bola de neve e culminou com a saída de Ronaldinho Gaúcha da Gávea. A Traffic parou de pagar os salários do atacante após a 9nie, agência do ex-jogador, ganhar comissão por intermediar negociação de patrocínio na camisa rubro-negra. A Traffic viu seu acordo com o Fla desrespeitado.

Empresários e cartolas também enxergam um conflito de interesses e uma concorrência desleal com Ronaldo. Isso por causa da proximidade dele com o presidente da CBF, José Maria Marin. Ambos são colegas no COL. A alegação é de que o Fenômeno não poderia se envolver com atletas da seleção brasileira que devem estar na Copa de 2014. E de que sua proximidade com a CBF pode sugerir aos jogadores que com ele por perto fica mais fácil chegar ao time nacional. O blog telefonou para a assessoria de imprensa da 9nine. Ouviu como resposta que ele está viajando e não poderia ser localizado. (Blog do Perrone)

Assine pelo Saldanhão!

Por Juca Kfouri

Entre aqui para assinar o pedido de mudança de nome do estádio Engenhão, de João Havelange para João Saldanha, mais que uma troca de joões, a troca de um anão por um gigante da cidadania. E se você já caiu no engodo de comprar uma biografia de Havelange, exija seu dinheiro de volta na livraria, por vítima de propaganda enganosa, ou estelionato cultural.

E viva o Saldanhão!

O blog está nessa de corpo e alma botafoguenses.  

Em busca da liderança

Por Gerson Nogueira

Depois da derrota em quatro minutos do Águia, ontem, em Juazeiro do Norte, o futebol paraense tem outro encontro marcado com time cearense hoje no estádio Edgar Proença. Com o apoio de sua torcida – novamente fiel neste campeonato –, o Paissandu precisa vencer para reassumir a liderança isolada da competição. Se repetir o rendimento das duas primeiras apresentações, tem plenas condições de derrotar o Fortaleza, por enquanto uma das decepções desta Série C.

Nos treinamentos da semana, Roberval Davino experimentou 13 jogadores na equipe titular. Não errou a conta, apenas buscou mostrar que contar de fato com 13 nomes efetivos, incluindo Robinho e Héliton, que normalmente frequentam o banco de reservas.

Como o adversário não venceu ainda e estreia novo técnico (Vica), o mais provável é que adote postura cautelosa. Diante disso, Héliton dificilmente entrará jogando, pois tem características que se ajustam mais ao jogo de contra-ataque. Kiros, então, deve ter a companhia de Tiago Potiguar no ataque.

O meio-de-campo, que ainda não pode contar com o meia Alex William, preferido de Davino, terá o reforço de Ricardo Capanema, que desfalcou o setor na partida contra o Guarani de Sobral. A criação fica com Harisson, peça fundamental na conquista da vitória fora de casa e que tem se candidato à camisa 10 do time, com inteira justiça.

Por tudo isso, além do descanso que o time teve, o Paissandu reúne aquilo que em futebol costuma se definir como favoritismo. Não custa, porém, tomar os cuidados necessários para evitar surpresas, pois a Terceira Divisão é equilibrada por natureza e qualquer time se sente à vontade no Mangueirão.

 

Depois do penal indecente dado ao Corinthians no meio da semana contra o Botafogo, a caolha arbitragem brasileira voltou a fazer das suas ontem. Em Pituaçu, o Bahia foi devidamente operado contra o Flamengo. Em fase instável no Brasileiro, o rubro-negro ganhou uma penalidade quando os donos da casa mais pressionavam. Ibson, que ao lado do corintiano Jorge Henrique forma a mais talentosa dupla de atores dos gramados nacionais, desabou espalhafatosamente na grande área e Sua Senhoria não teve dúvidas em assinalar a falta máxima. O fato é que nunca dantes neste país a instituição do pênalti foi tão vilipendiada.

 

Quem acompanha a vida administrativa da dupla Re-Pa não se espantou com os dados divulgados pela Justiça do Trabalho, incluindo os dois tradicionais clubes entre os maiores devedores do Estado. O exemplo mais óbvio dessa penúria é o drama enfrentado pelo Paissandu, às voltas com dívidas monstruosas com Arinelson e Jobson e sob o risco de perda de patrimônio. O Remo, que cumpre um processo de recuperação – graças ao trabalho incansável do advogado Ronaldo Passarinho –, esteve a pique de perder o Baenão há dois anos, num casamento nefasto entre débitos do passado e a vocação mercantil do então presidente Amaro Klautau. O esforço da atual diretoria prova, porém, que é possível enfrentar os erros do passado e sonhar com o saneamento completo das dívidas. Basta querer.

 

Fase terrível se abate sobre o setor defensivo do Remo. Depois dos ilustríssimos Teco-Teco, Fiapo e Pimbinha, outro centroavante de apelido exótico conseguiu deixar sua marca contra os azulinos. Xibiu saiu do banco de reservas do glorioso alviverde de Paragominas para entrar, de corpo e alma, no folclore do nosso futebol. O jogo não valia nada, era pouco mais que um treino, mas o atacante aproveitou a chance e cravou seu nome na estatística de fatos insólitos que atazanam o Leão nos últimos anos.

O placar não significa muito, pois era óbvio o interesse de Edson Gaúcho de movimentar o time e observar alguns reservas, tanto que mudou completamente a escalação para o segundo tempo depois do empate sem gols nos primeiros 45 minutos. E foi justamente na etapa final que Xibiu mostrou a que veio.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta segunda-feira, 16)

A “bombástica” entrevista de Rosane Collor

Por Mauricio Stycer

Ninguém discute que Rosane Collor seja uma personagem interessante para um programa dominical na televisão. O que espantou em sua aparição no “Fantástico” foi a tentativa de transformação de uma entrevista sem maiores novidades num evento de enorme importância. Anunciada pela Globo desde a sexta-feira, e deixada para ser exibida no final do programa, depois de uma dezena de chamadas, a entrevista foi uma ducha de água fria. “Revelações inéditas que confirmam boa parte do que Pedro Collor, o irmão de Fernando Collor, disse há 20 anos…”, afirmou a repórter Renata Ceribelli logo no início, deixando claro que não haveria nada de novo na entrevista.

Os primeiros dez minutos do encontro, que durou 25, foram dedicados à amplificação de uma história já conhecida sobre rituais de “magia negra” realizados na casa de Fernando Collor em Brasília, à época em que era presidente da República. Como lembrou o próprio “Fantástico”, tanto Pedro Collor quanto a “feiticeira” que os realizou já haviam falado destes rituais em entrevistas. “Então no livro você vai falar justamente dos rituais que ele não gostaria que fossem contados?”, perguntou Ceribelli, ajudando a demonizar a prática e extraindo de Rosane a informação que houve trabalhos em cemitérios e sacrifícios de animais.

Um dos momentos mais comentados e engraçados da entrevista deu-se quando Rosane disse: “Não acredito em coincidência, acredito em jesuscidência”. Quem assistiu, porém, a entrevista dada a Eliane Trindade, exibida pela TV Folha em maio, notou que a frase, na verdade, é um bordão que ela repete com frequência. Naquela entrevista, a ex-primeira-dama falou que tem interesse em disputar uma cadeira no Congresso, tema que não foi abordado no “Fantástico”.

Para Ceribelli, Rosane entrou em detalhes sobre a relação de Collor com PC Farias, tesoureiro de sua campanha, e sobre o medo que tinha que o então marido cometesse suicídio depois que o Congresso aprovou o processo de impeachment – uma revelação que o próprio ex-presidente fez ao “Fantástico” em 2005, como foi lembrado. A maior novidade foi deixada para o 25º minuto da entrevista. Rosane Collor revelou que recebe R$ 18 mil de pensão do ex-marido, mas reivindica uma revisão deste valor na Justiça. Citou uma amiga recém-separada, cujo marido não é ex-presidente nem senador, que recebe pensão de R$ 40 mil.