Paulo Henrique Ganso no Internacional?

Jornais e emissoras de rádio paulistas noticiam com insistência a iminente saída do paraense Paulo Henrique Ganso do Santos. O jogador, que tenta obter reajuste contratual com o clube, estaria em vias de se transferir para o Internacional (RS). A parte de seu passe que o prende ao Santos seria adquirida pelo grupo de investimentos Sondas, que repassaria o atleta ao Colorado. Pretendido também pelo Corinthians, o próprio Ganso teria optado pelo futebol gaúcho. Vale dizer que o Inter negocia o meia Oscar com o Tottenham da Inglaterra. Na Vila Belmiro, a situação envolvendo o meia-armador está chegando a um ponto insustentável. Ganso reclama do contrato fechado há um ano e o clube considera que ele e seus empresários têm sido intransigentes. As contusões recentes atrapalharam sua transferência para o futebol europeu.

Atleta sub-17 sofre convulsão e morre em campo

O jogador Arjuna Luiz Venutto Ramos, conhecido como Pelé, de 17 anos, do São Bernardo, morreu na manhã deste sábado em um jogo contra a Portuguesa Santista, em São Bernardo do Campo, pelo Campeonato Paulista sub-17. O garoto teve uma convulsão, seguida por uma parada cardíaca, e não resistiu após ser levado a um hospital próximo à região do bairro Baeta Neves, na cidade do ABC Paulista. (Do UOL Esportes)

Para Román

Por Javier García (jornalista e torcedor do River Plate)

Alivio. Esa fue la primera sensación que me embargó cuando me enteré de la noticia de tu alejamiento de Boca. Soy muy hincha de River, como vos de Boca. Tu etapa de gloria y triunfo coincidio con la de River de ostracismo y oscuridad. ¿Cómo no querés que me alivie?. Después podemos hablar de vos como futbolista. ¿Sabes cuantas veces te dije pecho frío? ¿Tristelme? ¿Freezelme y demás apodos que parió la rivalidad futbolística? Pufff, miles. ¿Me podés culpar? Yo creo que no.

Ayer dijiste a la prensa y al Mundo Boca “Naci bostero y voy a morir bostero“. Bueno yo nací Gallina y voy a morir Gallina. Lo llevo en el ADN. Creí que, en ese mismo combo, venía el no saber disfrutarte. En realidad, fue una consecuencia de mi amor por la banda roja. Siempre, siempre, contra nosotros, la rompiste, nos hacias goles, dabas asistencias o clavabas tiros libres. Vos y tus “amigos” Palermo y Guillermo. Ustedes tres son para mí la “muestra gratis” de este Boca ganador de todo.

Pero con vos, Román, pasa algo distinto. Te puteé hasta el cansancio cuando dejaste la Selección por tu mamá. Me diste la excusa para poder decir “Vieron, ¿Tan grande es? ¡Cómo vas a renunciar a la Selección!”. Lo hiciste por una segunda vez, cuando el único jugador más grande que vos (Diego) te criticó por tevé y te volviste a ir. Volví a criticarte. “¿Cómo vas a renunciar dos veces?” También me mofé de aquel año en que te lesionaste cada dos por tres, incluyendo tu pedido de cambio en el Monumental a los 5′ de juego y grité, a viva voz, desde laSan Martín Baja “Se cagó, Riquelme se cagó”.

Lo bueno es que la pelota da vueltas y que uno puede aceptar un error. Que dejes a Boca no me alegra, si me alivia. Y si me causa esa sensación es porque indudablemente fuiste grande. Porque así como para los hinchas de Boca tu nombre es sinónimo de grandeza y triunfos, para mí, tu nombre, es sinónimo de martirio futbolístico. Te vi meterme varios goles, o propiciando otros tantos. También te vi salir derrotado de mi cancha.

Me autoimpuse el no disfrutarte. ¿Cómo iba a disfrutar yo de un ídolo de Boca? ¿En qué cabeza cabía? No podía tampoco ignorarte. Sos demasiado grande para que a cualquiera que le guste el fútbol le pases desapercibido. Entonces, me debí conformar con la tercera opción: Te padecí. Viví todos tus años en Boca con la sensación, inenarrable que la victoria Xeneize era posible en cualquier lugar, circunstancia o momento si el Diez era Juan Román Riquelme. Muchas veces fue así. Ayer, por suerte, no.

Soy periodista, además de hincha de River. No comulgó con tus endiosadores, para mí ningún jugador de fútbol merece ser subido a semejante púlpito -aunque me tenté de hacerlo conOrtega, el Enzo y, los últimos seis meses, con Trezeguet- pero los entiendo. Inmediatamente me pregunto. ¿Y si hubieses jugado en River? Probablemente te amaría y te idolatraría aún más que tus endiosadores. Pero no puedo. No debo. Y, para qué negarlo, no quiero.

¿Me perdí un jugador de enormes características? No, para nada. Te vi igual. Te sufrí igual y, porque no decirlo, cuando jugaste en Villareal o en la Selección e incluso te disfruté cuando eras vos el que le pasaba la pelota a Javier Saviola para que hiciera los goles en elBarcelona. ¿Sabes cuantas veces saqué a relucir el penal que erraste con Villareal como carta de que no eras perfecto? Miles. Convengamos que no había muchas manchas en tu carrera. La realidad es que lo grosso fue haber llevado a un equipo inexistente como el Submarino hasta ahí. Ahora te lo puedo decir, ya no jugas más para ellos, pese a que siempre seras uno de ellos.

Respeto a Boca como rival. No lo disfruto, ni mucho menos lo ensalzó. Son la némesis. Para mí, Boca es lo que está mal, lo impuro, lo indigno, todo lo contrario a lo que yo quiero en esta vida futbolística. Pero vos…Con vos tuve y tengo un dilema. ¡Estas cortado por la tijera riverplatense, Román! Los lujos, la exquisitez, ser un diez excelso…Eso es de nuestra escuela. Allá reinaban la garra, los huevos, el ganar como sea, ganar clásicos colgados del travesaño. ¿Cómo podía ser que Boca tuviera al mejor jugador de los últimos 10-15 años del fútbol argentino en la Ribera? Era imposible. Ese era River.

Vos cambiaste el paradigma. Más allá de los Rojitas, Márcico, Mastrángelo y el propioMaradona, vos les cambiaste el paladar a ellos. Vos les demostraste que al fútbol también se juega lindo. Les abriste los ojos. Les mostraste el fútbol que a mi me inculcaron desde pendejo, ese que viene con la herencia Gallina de mi viejo. ¡Cómo no te van a amar! Les mostraste un mundo perfecto. Si yo fuera ellos también te amaría.

Pero no soy ellos. No te amo. Ni te quiero. Pero te respeto. Como vos a River. Si hay alguien que tuvo y tendrá motivos y espalda para bardear a River ese serás vos. Ni el bocón de Bérmudez, ni Maradona con toda su leyenda, ni siquiera Palermo. El tipo que más hizo padecer a River fuiste vos. Vos y el guante en la derecha. Vos y esa velocidad distinta para jugar a la pelota. Vos y ese amor por la clase, el juego y el estilo. ¿Y sabes qué? Jamás te vi injuriar a River. Al menos no en los medios, no ante la opinión pública. Siempre te ví, incluso, tirar buena onda. “River tiene que ascender”, “Extraño el Superclásico” y más frases del estilo. ¿Cómo no voy a respetarte? Eso sí que no. Eso te lo ganaste. Y fijate si serás grande que ni ellos, en todo el odio que nos tienen porque así fuímos concebidos, fueron capaces de jamás decirte nada por tirar buenas ondas para River. Es que fuiste tan grande en la historia de Boca. El más grande, sin dudas.

Yo amo a Ortega. Amo a Francescoli. Mis viejos y los libros me enseñaron a amar a Angel Labruna, me explicaron que es La Máquina y me dicen porque, por ejemplo, Matías Almeydano es ídolo. A vos no te puedo ni siquiera tomar cariño. No me lo permito. Sos de ellos. Sosbostero. Sos de la contra. Pero sos un tremendo jugador de fútbol. De los mejores que ha existido y, pese a no disfrutarte por lo anteriormente expuesto, sí tuve la suerte de verte en la cancha, como a Orteguita, por ejemplo.

Chau Román. Gracias a Dios ya no jugas más en Boca. Ya no me vas a hacer padecer más. Quizás ahora sí, en algún rincón de YouTube, en las palabras con mis amigos bosteros o incluso si te veo jugando en algún lado pueda disfrutarte. Antes no pude. Sabrás entender el porque. Nos vemos, nos seguiremos viendo cada vez que se crucen en una cancha una camiseta blanca con una banda roja y una azul con una franja horizontal amarilla. Después de todo, vos naciste y morirás bostero y yo nací y moriré Gallina. De todas maneras, hoy me tomó una licencia de rivalidades y te digo: gracias por el fútbol.

Ahora, sí, seguimos siendo rivales. Porque así nos manda la historia y este maravilloso deporte llamado fútbol.

Cem anos de Fla-Flu

Por Nelson Rodrigues

Reacionário, no meu caso, é a reação contra tudo o que não presta. Se o homem não fosse eterno, ou não tivesse uma alma eterna, não tivesse garantido a sua eternidade, esse homem andaria de quatro. Toda manhã sairia de quatro, ferrado, aí pelas ruas e montado num Dragão de Pedro Américo. Eu diria, quando me perguntam, como você agora: mas quando, quando começou o Fla-Flu? Eu diria: – O Fla-Flu não tem começo. O Fla-Flu não tem fim. O Fla-Flu começou quarenta minutos antes do nada. E aí então as multidões despertaram. E Mário Filho, já então, antes do Paraíso, escrevia sobre o Fla-Flu e dizia que o Fla-Flu ia ser o assombro do futebol, o milagre do futebol.
Marcos de Mendonça, Fortes, Vidal e Chico Neto eram os heróis, os verdadeiros heróis. Mais que o cow-boy, mais que o mocinho, mais que o próprio bandido. O futebol era a epopéia, o épico, compreendeu? … Eu me lembro, uma vez andava na rua, era um garoto de calças curtas, tinha cinco anos, quando passou um jogador de futebol. Eu não sei, devia ser Lais ou Manga, que morreria em 22, ou Welfare. Eu sei que aquilo para mim foi um espanto, eu corri para dentro de casa como se estivesse sendo ungido de glória, de glórias fantásticas.
O Fla-Flu, já me dizia o meu irmão Mário Filho, o Fla-Flu é um jogo para sempre, não é um jogo para um século, um século é muito pouco para a sede e a fome do Fla-Flu… Começado o Fla-Flu, ele percorreria o tempo dos tempos. Foi uma criação do meu irmão Mário Filho, ele que era o gênio da crônica esportiva, ele era o autor de piadas fantásticas. Ele se lembrou de fazer Fla-Flu, tinha notado que Fla-Flu possuía uma flama, uma trepidação que nenhum outro jogo possuía. Até hoje em todo o mundo não há um jogo que chegue aos pés do Fla-Flu. Que é cada vez mais empolgante. E cada jogo entre o Fluminense e o Flamengo parece ser o maior do século e será assim eternamente.
E então, o Welfare pegou sua bola fora da área e encheu o pé, foi um estrondo. O nosso amigo keeper, o goleiro quis defender, foi atirado no fundo da rede como se também fosse uma bola, foi radiante, foi uma coisa incrível e a nossa torcida, naquele tempo em treino também havia torcida, a nossa torcida ficou naquela euforia louca com este gol. Este gol nunca eu me esqueci. Agora neste momento eu estou vendo o campo do São Cristóvão e a bomba de Welfare. Há gols que atravessam os tempos que atravessarão os séculos. E por isso que digo que o futebol vive de eternidade e por isso não acaba nunca, não acabará nunca. Ou tudo se acaba, menos o Fla-Flu.
E depois, o futebol é a pátria da piada. O sujeito vai para a arquibancada, que além de ser a pátria do palavrão é uma pátria da piada, uma pátria da graça popular das graças que vem das profundezas do nosso querido povo. A pessoa fica criando, inventando até palavrões.
De vez em quando, eu ouço das arquibancadas um palavrão que não conhecia, que ninguém conhecia, e o sujeito sai com um palavrão novo e uma satisfação profunda. Só o futebol é que te dá isso, essas surpresas maravilhosas.
Porque o futebol é uma linguagem universal. Todo mundo entende de futebol. Você pega uma velhota grã-fina, ela sabe discutir futebol com você. A grã-fina das narinas de cadáver, por exemplo, esta, até esta, que foi a primeira que não entendeu de futebol, e ela entrou um dia no estádio Mário Filho e disse: “Quem é a bola?”. Aí, todo mundo apontou para a bola e ela ficou ali radiante e passou a ser uma enciclopédia de futebol. Esse é o problema do futebol. E que não tem problema nenhum de compreensão…
Chegamos ao fim de nossa longa conversa, não é?… Eu sou um brasileiro triste! É, um brasileiro triste, o brasileiro, diga-se de passagem, de uma maneira geral, não sou eu só, está sempre a um milímetro da melancolia, na esquina, no boteco, ele está sempre roendo melancolias milenares. E aí nós acabamos.

Em carta, diretoria do PSC protesta por hospedagem

Abaixo, a íntegra da carta de repúdio – assinada pelo presidente Luís Omar Cardoso Pinheiro – que a diretoria do Paissandu divulgou na manhã deste domingo, denunciando o descaso com a hospedagem da delegação paraense na cidade de Sobral (CE) para o jogo contra o Guarani local, pela Copa do Brasil:

“A Diretoria do Paysandu Sport Club vem por meio deste, manifestar seu total repudio e indignação com relação à falta de hospedagem para sua equipe de futebol profissional por ocasião do jogo Guarany-CE x Paysandu-PA, valido pelo Campeonato Brasileiro de Futebol da Série “C” 2012, uma vez que a mais de quinze dias o Departamento de Futebol Profissional do Clube, vinha diariamente mantendo contato com o Verde Rio Hotel (Hotel credenciado pela CBF) sito a Cidade de Sobral-CE, no sentido de realizar as reservas de sua Delegação no referido estabelecimento e sempre obtia a resposta por meio da Gerência que o hotel estava lotado e que eles estavam se mobilizando para resorver a situação da melhor forma possível e assim conseguir hospedar a Delegação do Paysandu. Estranhamente a dois dias da viagem da Delegação de Belém-PA para Sobral-CE, fomos comunicados pela Gerência do Hotel que a hospedagem da Delegação do Paysandu não mais seria possível, pelo fato do hotel não ter disponibilidade de vagas, diante do exposto, imediatamente comunicamos o fato a Pallas Operadora, empresa credenciada junto a Confederação Brasileira de Futebol-CBF e responsável pela logística das viagens das equipes do Campeonato Brasileiro de Futebol da Série “C” 2012, que por sua vez nos informou ter tido conhecimento do ocorrido e que tomaria as devidas medidas cabíveis contra o hotel, inclusive com o descredenciamento do estabelecimento, sob a justificativa de que tratava-se de fato reincidente e que tradicionalmente é complicada a hospedagem de Delegações de Futebol em Sobral-CE por conta deste tipo de contratempo e que a única solução para o caso seria hospedar a Delegação do Paysandu na Cidade de Forquilha-CE, que fica a 18Km de Sobral-CE, solução por nos aceita em virtude de não termos outra opção.

Diante dos ocorridos a Diretoria do Paysandu Sport Club, somente tem a lamentar os fatos, pois é difícil de acreditar que uma Cidade como Sobral-CE, detentora da quarta maior economia do estado do Ceará (PIB de R$ 1.964.743.009), da quinta maior população (190 724 habitantes), e que tem no turismo uma das maiores fontes de renda do município não ter condições de abrigar uma Delegação de Futebol em um curto período de tempo (2 dias) em nenhum dos 7 (sete) hotéis existentes no município, sob alegação de falta de vagas, ficamos muitos surpresos pois não tomamos conhecimento de nenhum tipo de evento a ser realizado em Sobral-CE que atraísse um grande publico no período de 06 a 07.07.2012  e que fizesse com que os hotéis estivessem lotados a não ser que esteja sendo realizado a “SOBRAL + 20” e não fomos informados pelas Gerencias dos Hotéis.

Por fim achamos lamentável que fatos como este ainda aconteçam no Brasil, um país que sediará uma Copa do Mundo e que em um momento delicado que se encontra a disputa do Campeonato Brasileiro de Futebol da Serie C/2012, ainda tenhamos de conviver com este tipo de situação, queremos acreditar que isso não passa de um mal-entendido e não queremos crer na hipótese de anti-jogo ate por que o tempo do coronelismo já acabou principalmente no futebol, ou será, que pessoas ligadas ao esporte em Sobral-CE estão sendo influenciado pelo “Cel. Ramiro Bastos” do seriado “Gabriela”, vamos acabar com esta malandragem besta, pois futebol se ganha dentro do campo. a) Luís Omar Pinheiro, presidente”.