Por que Dilma não recebe Marin

Por Juca Kfouri

A presidenta Dilma Roussefffez questão de não receber o ex-presidente da CBF e do COL, Ricardo Teixeira que, diante do clima pesado acabou por fugir para Boca Raton.

E ela também não está nada disposta a receber o novo presidente das duas entidades, José Maria Marin.

E não é porque ele foi servil serviçal da ditadura, porque outros também foram, como José Sarney e Paulo Maluf, todos até homenageados.

Mas Marin fez mais.

Com seus discursos na Assembléia Legislativa de São Paulo, em 1975,  Marin foi fartamente responsável pela prisão que acabou no assassinato do jornalista Vladimir Herzog.

O então deputado Marin se desfazia em elogios ao torturador Sérgio Paranhos Fleury e ao seu bando, assim como engrossava “denúncias” sobre a existência de comunistas na TV Cultura, cujo jornalismo era dirigido por Vlado.

Um desses discursos, no dia 9 de outubro de 1975, aconteceu 16 dias antes de Herzog ser torturado e morto nas dependências da Operação Bandeirantes (OBAN), na rua Tutóia, em São Paulo, por agentes do Destacamento de Operações de Informações – Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-CODI)

E Dilma, com razão, disso, não esquece. Porque servir a ditadura é uma coisa, mancha indelével, sem dúvida. Mas a dedo-duragem desperta asco invencível.

7 comentários em “Por que Dilma não recebe Marin

  1. Se entedí direito neste caso águas passadas não deveriam moer moinhos.
    Hoje ela é a presidenta do Brasil e o assunto é outro.

  2. Diria Bezerra da Silva “Todo cagüete é safado e também tem instinto de traíra”
    ver fotos deste senhor com aqueles oculos made in Paraguai me causa enjoos. Quem viveu um pouco disso sabe do que falo.

  3. Neste caso caro Harold entra aquele ditado, “quem bate não lembra, mas quem apanha jamais esquece.

  4. Exercer o cargo de Presidente do Brasil deve exigir abdicações de boas ou más lembranças. Se Marin não é ou foi um condenado, estar na condição de igualdade como qualquer cidadão. Isso também é democracia, não um julgo pessoal.

  5. Diogo Silva,

    Se assim procedêssemos, crimes cometidos pelos nazistas seriam encarados como? As principais potências aliadas não julgariam as arbitrariedades nazistas para não causar inconveniências diplomáticas e revanchismo do alemães? é uma questão no mínimo controversa. E o PT só “permite” alianças com figuras que remontam à priscas e tristes eras de nossa vida política justamente por ser um partido eleitoreiro. Daí a conveniência das alianças com Saney’s, Maluf’s e outros menos votados. É para exercer o poder e a tal governabilidade…

Deixe uma resposta