Cruzeiro embala e Botafogo renasce no Brasileiro

 

Por Juca Kfouri

Sabe por que o Inter foi para o intervalo ganhando de 1 a 0 do Botafogo, no Beira-Rio, com um gol de Dagoberto ao receber um passe sem querer de Leandro Damião de cabeça? Porque , mesmo sem conseguir, o Inter tentou jogar futebol, ao passo que o Botafogo ficou num tico-tico irritante, daqueles que não chovem nem molham.

Já o Figueirense não foi com a mesma vantagem diante do Cruzeiro, no Independência, com 17.883 pagantes, porque o goleiro Fábio não deixou uma vez, a trave não deixou outra e a falta de pontaria também colaborou. Mas ao cabo do primeiro tempo o Cruzeiro completou dois anos e 45 minutos sem jogar em Belo Horizonte. E bote mais dez minutos do segundo tempo, quando só deu Figueira e mais duas chances claras de gol.

O outro alvinegro, o Botafogo, seguia tendo mais a bola em Porto Alegre, aproveitando-se de erros infantis dos colorados, mas perigo de gol que é bom, nada. D’Alessandro, em compensação, num contra-ataque, por pouco não ampliou.

Assim como o Cruzeiro, do 11o. minuto em diante começou a jogar  e a criar chances de gol.

Mas de tanto insistir e de se dar conta da preguiça gaúcha, Vitor Júnior deu com carinho para Andrezinho fazer lindo gol, aos 12. O empate, diga-se era justíssimo.

Como o Cruzeiro marcou um golaço com Wellington Paulista, aos 20,  dando uma cavadinha e ainda completando para o gol, depois de ótimo passe de Souza  que Celso Roth teve a boa ideia de botar para jogar no segundo tempo: 1 a 0. Não era exatamente justo, mas o Cruzeiro mostrava a eficácia que faltou ao time catarinense.

No sul, o Botafogo seguia desfilando sob o olhar estranhamente complacente do Inter. E Fabrício fez pênalti em Vitor Júnior, daqueles de ir para DVDs, porque ignorado pelo asssoprador de apito. O Botafogo fazia para estar vencendo e o Cruzeiro já justificava sua vitória. E  numa falha da alta zaga colorada em cobrança de escanteio de Andrezinho , Felipe Gabriel virou aos 27, porque o Glorioso abandonou o tico-tico no vestiário: 2 a 1. O Fogão deixou o Cruzeiro virar, quase  virou sobre o Náutico e, enfim, como fizera contra o São Paulo e o Coritiba, virou sobre o Inter, nāo mais invicto e preocupantemente apático, desfibrado, nervoso e fartamente vaiado pelo Beira-Rio meio vazio, com 12.419 pagantes.

E o Cruzeiro derrubou outro invicto, o Figueira, que não empatou por causa de Vitor e não tomou o segundo gol por causa de seu goleiro Wilson. Enfim,  em BH as coisas parecem que vão ser mesmo diferentes para este Cruzeiro que ganhou a terceira partida seguida e dormirá vice-líder, como nos bons tempos.

13 comentários em “Cruzeiro embala e Botafogo renasce no Brasileiro

  1. é isso que faz o futebol ser tão amado,esporte de todos.Valeu Fogão.Sai de casa para palestrar na Igreja Internacional de Moriá com Fogão perdendo e jogando o tico-tico do Juca rsrsrs .Quando voltei fiquei sabendo da vitória.Festejemos botafoguenses do blogue do ilustre baionense.Bom dia a todos e tenham excelente domingo.

  2. Gerson e amigos, assisti ao jogo do Botafogo, ontem, inclusive estava comentando no Twitter com o amigo Hiran Lobo e, vi um Bota, muito bem na marcação e não dando penetração ao Inter. No gol, foi uma jogada individual pela direita, houve o cruzamento e numa lambança do Damião, acabou dando certo. O Bota, desde o 1º empo, veio com o Andrezinho(craque do jogo,na minha opinião), jogando próximo da área, para ligar rapidamente, colocando um companheiro seu na cara do gol, ou ele mesmo concluindo. No 2º tempo, Os alas seguraram um pouco mais e, defendendo e atacando em bloco, o Fogão não dava espaços para o Inter penetrar e, do meio pra frente, estava muito bem no jogo, com Andrezinho e Víctor Jr dando muito trabalho a defesa do Colorado.Na minha opinião, se o árbitro marca aquele pênalti, a vitória do Botafogo teria sido mais fácil, não por o Inter não ter jogado nada como tenta passar o Jornalista, mas pela aplicação tática do Botafogo, quea meu ver, foi perfeita.
    – Na minha opinião, a vitória do Fogão só não foi justa, porque era pra ser 3 x 1 e, o juiz não deixou.
    É a minha opinião.

    1. Amigo Cláudio, concordo totalmente com a análise do jogo, que o Oswaldo também fez. O Botafogo foi bem desde o primeiro tempo, embora sem a atenção e o empenho demonstrado no segundo. Quanto ao penal, há algum tempo que decidi não me queixar mais de arbitragem, por ser absolutamente inútil.

  3. Cláudio e Gerson,

    Se e o penal fosse a favor de um alvinegro não listrado da paulicéia, será que o juiz sequer titubearia? Rsrsr. Parabéns pela vitória do alvinegro de Caio Martins. Mas tenho algumas observações a fazer:

    1) Maicossuel e Elkeson no banco. Opção do treinador ou má fase técnica de ambos?

    2) Leandro Damião. Tal como Neymar e PH Ganso, também seria um jogador superestimado? Começo a desconfiar que sim.

    1. Pênalti em favor do Timão é quase redundância, amigo Daniel rss.. Quanto ao Maicosuel e ao Elkeson, acho que é má fase mesmo. Damião é um centroavante meio roceiro e esses últimos amistosos da Seleção mostraram isso.

  4. Caro Daniel não atice a fúria dos anti-corinthianos que o timão não tem nada haver com a justa vitória Botafoguense e muito menos com o claro penal não legitimado pelo árbitro, muito menos com a derrota do Inter.

    1. Parabéns ao seu Fla, camarada… vi hoje contra o Santos que, depois de ser reforçado pela saída do Dentuço, o Mengo voltou a fazer as pazes com a arbitragem rss.

  5. Tradição é tradição. Rs. Independente do erro do árbitro, o Flamengo mereceu a vitória. Há erros e males que vêm para o bem.

    1. Amigo Cássio, não duvido de suas palavras, embora o conceito de merecimento em futebol seja bem elástico, mas o fato é que o mundo está cheio de times que mereciam vencer e acabaram garfados no final. O Fla, certamente, não está entre esses desafortunados.

  6. Uma forra do Fogão.

    Nunca ví na minha vida uma torcida vaiar o jogador do próprio time numa cobrança de pênalti.
    Acho que ficaram com vergonha da inexistencia do mesmo.

    Reinteria no Santos, pelo amor de Deus!!!!!!!!!!!!

Deixe uma resposta