26 comentários em “Capa do Bola, edição de terça-feira, 12

  1. Tem um detalhe interessante: o Edu chiquita foi contratado pelo Gualberto, e o fato de o treinador não o estar utilizando deve deixar o gualberto fulo da vida.
    por outro lado, será que o tecnico não escala o chiquita por isso?
    Eu vi ele jogar contra o papão e ele jogou muito bem. acho difícil q ele tenha desaprendido.

    De qualquer forma acho que o remo vai acabar perdendo esse técnico.

    Esse gualberto tem que parar de arrumar confusão e deixar os caras trabalharem em paz.

  2. égua meu, dedo em riste em pleno “Dia dos namorados” a pior coisa que existe é “ciume” de macho, eu hein!

  3. Capa superinteressante com o anuncio de uma operadora mostrando o ”saque rapido” tendo de um lado FL e de outro HG…rs rs rs …

  4. extraído do Blog do Marvio (perfeito)

    Há duas semanas, caminho pela cidade de São Paulo em busca de sentimentos mesquinhos. Sim, porque o futebol não é feito só de virtudes e amor sincero. Só quem seca sabe.

    Pergunto a são-paulinos e palmeirenses sobre a semifinal da Libertadores – essa que aí está, entre Santos e Corinthians. “Vai torcer contra quem?”, instigo cada um deles – homens e mulheres. Uns antes de responder salivam, como se fosse possível devorar aquele que querem ver na lona. Invariavelmente, respondem-me: “Corinthians, lógico”.

    Vou ao meu são-paulino de referência, o Alexandre. Criado à base de iogurte e leite longa vida, seus olhos brilham quando pergunto a ele quem deve perder o duelo. Ele me responde que, por ele, o Santos poderia ser decacampeão da Libertadores. “Eles não me enchem o saco. O problema é o Corinthians”, sublinha. Palmeirenses vão pelo mesmo caminho.

    O tetra hipotético do Santos pouco pesa na escolha. O Clube dos Campeões Continentais não quer se abrir ao colega do Parque São Jorge e a sua maioria oprimida, seus milhões de maloqueiros e sofredores de todas as classes e alíquotas do Imposto de Renda. Autossuficientes, confortáveis em seu número, dão de ombros para esse menosprezo e sonham com a Canaã prometida de Itaquera, em que poderão destilar lealdade, humildade e procedimento.

    Sem conseguir achar alguém que estivesse secando o Santos, termino por esbarrar com um amigo santista, calmo e sorridente como a maioria deles – e, por isso, convém não revelar sua identidade, diante do que o vi afirmar. Comento “a solidariedade incidental” dos que os apoiam na semifinal, e ele me confessa desejos intestinos.

    “Eu detesto isso. Detesto ser ‘o segundo time’ dos outros torcedores, detesto quando o presidente diz que vai ter outras torcidas apoiando o Santos. Não gosto disso”.

    E insistia: “Sério, eu queria ser odiado”.

    Dizia isso com os olhares fixos no horizonte, mirando a imagem que projetava para si sem alcançá-la. Não lhe bastavam Pelé, Coutinho, Elano, Robinho e Neymar, três Libertadores, dois Mundiais. Queria ser secado; em vez disso, ganhava mimos, tapinhas nas costas e palavras de incentivo. Sabia que, no fundo, isso era a indiferença, que são-paulinos e palmeirenses não conseguem sentir pelo Corinthians.

    POR ISSO QUE EU FALO, COMO É BOM SER CORINTHIANA RSRSRSRS

    VAIIIIII CORINTHIAAANSSSSS

  5. Rsrsrsrsrsrsr… Andréia, não é bom ser corinthiano, deve ser horrível. Além disso, o time da Fazendinha se tornou odiado apenas de uns tempos pra cá e já foi simpático à maioria dos brasileiros por que:

    1) Possui uma torcida, em geral, de comportamento arrogante, mesquinho e beirando a insensatez elevada a níveis exponenciais. O time é o menos conhecido dos grandes de São Paulo na América do Sul e no Mundo, não tem um título de expressão internacional e por isso, de forma errática, os seus torcedores afirmam que os outros têm “inveja do Corinthians”, dentre outros fatores, pelos valores pagos ao clube e pelo tamanho de sua torcida, além dos bordões marketeiros, um até mal copiado pelo Flamengo inclusive, de que “aqui é Corinthians”, “não vivemos de títulos, vivemos de Corinthians”; ou pelo simples fato de encarar o ato de torcer pelo clube quase como um dom divino, quase como um estigma messiânico. Pura balela é lemas para satisfazer os arquibaldos mais desavisados. Nada mais insano. Ademais, o favorecimento constante das arbitragens e alguns títulos contestados por imbróglios no STJD e na arbitragem (2005) reforçam a antipatia.

    2) O Corinthians já foi o “queridinho”, o “indiferente”, o “Santos de hoje”, segundo a postagem, entre 1954 e 1977. O clube, que não conquistava nada, era bem quisto nacionalmente por conta do jejum de títulos e pela freguesia a ele imposta pelo maior time do futebol brasileiro no século XX e quiçá do futebol mundial: o Santos de Pelé. Ademais, a democracia corinthiana, projeção simbólica no campo esportivo e futebolístico de luta contra a ditadura nos idos dos anos 80, turbinada pela presença de jogadores carismáticos, esclarecidos e com apelo popular como Sócrates, Zenon, Vladimir, Biro-Biro e que tais, aumentavam a simpatia pelo alvi-negro paulista, à época clube popular e da massa de fato.

    3) “Corinthiano, maloqueiro e sofredor”? “Time da massa”? Nem tanto, nem tanto. Os ingressos de futebol mais caros na cidade de São Paulo são cobrados em partidas do Sport Club Corinthians Paulista. Ressalte-se o fato de que torcer pelo clube é algo até meio cool, cult mesmo. É só vermos a imensa quantidade de “bacanas” paulistanos que torcem e fazem questão de adesivar suas imagens ao clube, como Washington Olivetto, Luciano Huck e outros paulistas, igualmente burgueses, mas nem tão famosos e reconhecidos. Paixão pelas cores-alvinegras ou demonstração estratégica de humanidade e pretensa popularidade pelo fato de também serem, como a massa, torcedores de futebol e de um dos clubes de maior torcida do país? Isso não sabemos, mas a torcida corinthiana é, de fato e comprovado em recente pesquisa, a que mais integra as classes emergentes dos país e a que mais cresce no seio dos grupos ligados às cadeias produtivas do país e entre as famílias tradicionais e centenárias (quatrocentonas) de São Paulo, o seja, a burguesia nacional. “Maloqueiro”? “Sofredor”? Também está virando bordão de marketing pra arquibancada.

  6. A capa do bola, tá parecendo o encarte do filme – o advogado do diabo! Mais neste caso, o advogado e o diabo são a mesma criatura, o Hamilton Gualberto. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  7. Gerson Nogueira,
    Mudando de assunto, eu escutei um comentário de um jornalista esportivo famoso de Belém numa emissora de televisão canal aberto dizendo que a CBF pode começar nesse fim de semana as series A e D nos moldes da tabela que ela programou em 2012 com inclusão do Rio Branco e exclusão do outros times litigantes deixando para depois a resolução de todos os problemas na justiça. Outra informação , também, desse radialista é que começaria pela quarta rodada ou seja o Paysandu que pela tabela normal jogaria a primeira em casa e poderia faturar 03 pontos e receita financeira poderá dessa forma estrear fora contra o Fortaleza e de qualquer forma encerraria seus jogos fora de casa. Por outro lado o Águia que pegaria o temivel Fortaleza na estréia fora de casa por esse novo critério da CBF estrearia na quarta rodada em casa contra o Luverdense e encerraria em casa seus jogos. Gerson, não sei se é verdade isso. Mas se for teremos novamente o Paysandu visilvelmente prejudicado pela CBF pela segunda vez consecutiva e quase o mesmo caso porque o pivor de tudo isso é o Rio Branco. É a prejudicial aos interesses do Paysandu pode ser muito pior ainda porque corre-se o risco de uma competição iniciada sem solução dos problemas poderá ocasionar sérios prejuizos no futuro para quem estiver mais preparado e conseguir o acesso a serie B, com uma eventual anulação novamente de jogos, exatamente como ocorreu em 2011 quando a CBF deixou correr a tabela com jogos do Rio Branco masi tarde teve de modificar tudo pela exclusão desse time da competição. Até o Pysandu que não tinha nada a ver com o problema foi penalizado com a anulação de 03 pontos ganhos contra o Rio Branco fora de casa e mando de campo em casa na umtima rodada transferido para fora de Belém. Agora a CBF pode vir de novo com essa palhaçada??? E ninguém do Paysandu está se mobilizando, esse LOP incompetente nos interesses do Paysandu está dormindo em berço explendido. O que fazer numa hora dessas se isso for verdade , Gerson???

    1. Meu caro, o terreno está propício para especulações de toda sorte. Como diria o amigo Guerreirão, tudo pode ocorrer – essas projeções que você reproduziu no post -, inclusive nada. Por ora, tudo não passa de potoca.

  8. Daniel malcher o Corinthians até não pode ser muito reconhecido no exterior, mas no Brasil é o time mais conhecido e todos invejam, pergunte a algum São Paulino, Palmeirense ou Santista, quem eles consideram seu maior adversario? todos vão responder Corinthians, explique isso? Classico em SP só existe quando o Timão é adversario. A torcida Corinthiana é a maior em todas as classes sociais do nosso Brazilsão, marketing está aí para ser explorado, que clube tem um pacote exclusivo para seus jogos na Libertadores operado pela maior operadora do Brasil, a CVC , onde até cruzeiro temático exclusivo teve para o time do parque São Jorge? somente o time da “fazendinha” como vc disse. Sobre o valor do ingresso, media de R$ 150,00 , o mais caro de todos os times participantes, é esse valor pq a diretoria sabe que a torcida vai, faz qualquer coisa para o ver o time do coração, por exemplo seria loucura cobrar esse valor nos jogos do Vasco, pois se a R$ 30,00 a media da torcida cruzmaltina foi de 11.975 mil pagantes ( fonte: http://www.web300.info/Bo.php?u=Oi8vd3d3Lm5ldHZhc2NvLmNvbS5ici9uLzEwOTgxOS92YXNjby10ZW0tYmFpeGEtbWVkaWEtZGUtcHVibGljby1lbS1zYW8tamFudWFyaW8tcGVsYS1saWJlcnRhZG9yZXM%3D&b=13 )

    Ninguem vai torcer pela derrota de um coadjuvante, ninguem vai invejar um medíocre ou desejar o infortúnio de um fraco, e se fosse qualquer outro time e não fosse o Corinthians nem haveria esse debate rsrsrsrs

    Obs: Lembrando que quem disse isso foi um proprio torcedor do Peixe.
    “Eu detesto isso. Detesto ser ‘o segundo time’ dos outros torcedores, detesto quando o presidente diz que vai ter outras torcidas apoiando o Santos. Não gosto disso, na verdade eu tb queria ser odiado pelos adversarios” .

    VAAIIIIIII CORINTHIAAANSSSSSSSSSSSS

  9. Tem muito diretor que quer ser estrela. Por outro lado a não escalacão Chiquita pode ter razões políticas. O FL é o principal responsavel pela derrota por não ter mantido a base do campeonato, mas merece permanecer pelo conjunto da obra, não pelo momento.

    1. Amigo Cláudio, isto não chega a ser propriamente uma bomba. Está mais para estalinho de São João. Imagine se o STJD vai paralisar a mina de ouro da CBF, o Campeonato da Série A..

  10. Amiga bicolor Andréia,

    Admiro sua devoção ao alvi-negro de Parque São Jorge, a popular Fazendinha. E pelo teor de suas análises (o velho discurso da “inveja” alheia em relação ao time corinthiano), vejo que o marketing dos camaradas e o bombardeio de informações simpáticas da emissora coleguinha (Globo) realmente são bem eficientes…

  11. Daniel acredito que a emissora mais simpática com o Corrinthias seja a BAND, a maioria dos apresentadores além de torcedores fanáticos são uns verdadeiros babões

  12. Tal como os governantes que administram muito mal nosso Estado, são esses dirigentes de CR e Papão. Égua, até quando ?! Será que vamos envelhecer padecendo com más administrações pra tudo que é lado ?!

Deixe uma resposta