Águia 1 x 0 Paissandu (comentários on-line)

Parazão 2012 – Semifinal do returno.

Águia 1 x 0 Paissandu – estádio Zinho Oliveira, em Marabá. Gol: Flamel, aos 5 minutos do segundo tempo.

Águia – Alan; Júlio Ferrari, Roberto, Charles e Mocajuba; Alexandre Carioca, Léo Rosa, Marquinhos e Flamel; Valdanes e Branco. Técnico: João Galvão.

Paissandu – Paulo Rafael; Picachu, Douglas, Thiago Costa e Bryan; Neto, Billy, Leandrinho, Cariri e Potiguar; Adriano Magrão. Técnico: Lecheva.

Na Rádio Clube – narração de Géo Araújo, comentários de Rui Guimarães, reportagens de Paulo Henrique e Dinho Menezes.

Será que Jóbson ainda tem jeito?

O futuro de Jobson no Botafogo será decidido na próxima segunda-feira, às 15h, em General Severiano. O gerente Anderson Barros e o vice-presidente de futebol André Silva vão se reunir com o jogador para decidir o caso. A conversa ainda pode contar com o técnico Oswaldo de Oliveira. O presidente Maurício Assumpção não estará presente, nem qualquer representante do atacante. Jobson vive situação delicada no Botafogo. A decepção é grande – e não apenas por causa da reação intempestiva na manhã de sexta-feira. Jobson recebeu alguns “presentes” de Páscoa do clube, que pagou as passagens de sua mãe, seu filho e de sua ex-mulher para que eles o visitassem neste feriado. A diretoria ainda comprou mantimentos para o seu apartamento.

Jobson já não havia reagido muito bem quando soube que estava fora da partida contra o Guarani. Pouco depois, foi constatado que ele tinha uma pequena lesão no obturador externo – músculo da região glútea – o que demonstrou o acerto em tirá-lo da partida. O jogador também concordou com a decisão com o resultado do exame. Na sexta-feira, diante de vários outros jogadores, Jobson se recusou a fazer o exame de termografia, técnica que o clube usa depois de jogos justamente para avaliar lesões musculares:

– Mas eu não joguei – disse Jobson.

– Não importa. Tem que fazer, rapaz – devolveu o fisiologista Altamiro Botino

– Você não é o presidente do clube. Vai tomar… vai se… – respondeu o jogador.

Alguns jogadores se levantaram. Antônio Carlos reagiu, enquadrando Jobson, dizendo para que ele ficasse quieto. Anderson foi chamado e decidiu pela imediata suspensão do jogador. Em que pese a indisciplina, a maior parte do grupo de jogadores ainda acredita na sua recuperação. Mas a situação junto aos dirigentes é muito delicada. (Do Globoesporte.com)

Tribuna do torcedor

Por Luís Carlos (Tchaikowsky) Silva (taio_2007@hotmail.com)

Suas colocações sobre o “assalto”na última quarta-feira às bilheterias da Curuzu são perfeitas. Eu tenho algumas perguntas a fazer à diretoria do Paisandu: Como o segurança do clube abandona o local de trabalho (bilheteria), para tomar água de coco? Segundo, foi a primeira vez que os assaltantes não responderam aos tiros que lhe fazem. Terceiro, o que fazia R$ 18.000,00 nas bilheterias da Curuzu, quando o correto é se guardar o dinheiro e deixar só o mínimo para o troco. E finalmente: Por que as bilhetarias continuavam à funcionar em horário que até o Ver-o-Peso fica deserto?

Mitos do futebol – Ferenc Puskas

Craque húngaro de extrema habilidade e chute letal que dominou o futebol europeu a partir dos anos 40 até quase o fim da década de 50. Estabeleceu a incrível marca de 514 gols em 529 jogos. Estrelou timaços, como o Honved e o Real Madri. Comandou a seleção da Hungria na Copa de 54, vencida pela Alemanha. Fez história.