Sem novidades no front

Por Gerson Nogueira

Como já se previa desde dezembro, o Parazão 2012 tem tudo para ser de uma mesmice absoluta. Os clubes não fizeram nenhuma contratação de vulto, os técnicos são caseiros e não há hoje nenhum ídolo capaz de arrastar torcida para os estádios. Pelo contrário, as equipes se enfraqueceram e os dirigentes ainda criaram condições (ingressos muito caros para o nível técnico da competição) para que o torcedor fique acompanhando de casa pela TV e com o ouvido colado na Rádio Clube. 
Pelo andar da carruagem e o ritmo do pagode nos arraiais da dupla Re-Pa, é possível até a repetição de uma festa interiorana no final. Animados pela façanha do Independente Tucuruí em 2011, os demais emergentes enchem-se de esperanças e é inegável que as circunstâncias estimulam ainda mais esse otimismo.
Dos cinco representantes do interior paraense, pelo menos três têm chances reais de disputar o título máximo. O mais cotado é o próprio campeão Independente, que substituiu peças, mas manteve a base, a partir de jogadores de referência como Dida, Adson, Marçal, Gian e Ró.
O Águia também ameaça os dois grandes da capital, apesar das mudanças operadas no elenco. Tem tudo para fazer campanha bem melhor que em 2011, quando patinou no primeiro turno e andou flertando com o rebaixamento.
Outro interiorano que vem bem preparado é o Cametá, que perdeu Leandro Cearense e Robinho, mas se recompôs e chega à disputa com as mesmas aspirações do ano passado. E há, ainda, o S. Francisco, que estréia no campeonato com um time de novatos, mas motivadíssimo pela possibilidade de superar o imprevisível rival S. Raimundo.
Pode-se dizer que esses times são as atrações do torneio, o que ajuda a explicar o baixíssimo interesse junto à torcida. A coisa anda tão morna que, a uma semana da rodada de abertura, a notícia que mais agitou a cena não passa de um factóide: a especulada contratação do veterano Túlio Maravilha por um grupo de beneméritos da Tuna.
Até sexta-feira, nada indicava que o sonho cruzmaltino se transformaria em realidade. O boquirroto artilheiro faz leilão e pede salários muito acima das posses da modesta Águia Guerreira.         
 
 
E somente a Tuna, ainda sem elenco pronto, vai folgar no fim de semana que antecede à abertura do campeonato. Os demais participantes se movimentam em amistosos de preparação. Ontem, o S. Raimundo jogou contra o Belterra, o Cametá enfrentou o combinado Baião/Mocajuba e o Independente Tucuruí encarou o Breu Branco. Neste domingo, mais três partidas: Remo x Barcarena, Paissandu x Independente Belém, S. Francisco x Monte Alegre e Águia x Primavera.
 
 
Um recorde nacional será batido nesta temporada pelo veterano Inácio, um dos três goleiros à disposição de Charles Guerreiro para a campanha da Tuna no Parazão. Ele tem a honra de ser o mais velho guardião em atividade no país. Completará 40 anos no dia 9 de abril, ainda em plena disputa do certame estadual.
 
 
Outro goleiro experiente, Ronaldo (PSC), é o convidado do programa Bola na Torre (RBATV), a partir das 21h. Guilherme Guerreiro apresenta. 

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO deste domingo, 08)

3 comentários em “Sem novidades no front

  1. Tá difícil assim,hein?! Neste campeonato tudo pode acontecer ou nada também… Creio que o Papão começa mal sua preparação,mas tomara que a garotada surpreenda positivamente…

  2. O Maior “crime” que esses dirigentes podem cometer ao torcedor de Remo e Paysandu e a cruel desmotivação de seus torcedores, os quais não merecem isso porque são torcedores que gostam de futebol, respiram futebol e sempre apoiaram esses clubes. Com tanta ação para desmotivar o torcedor a ir aos estádios o efeito é muito nocivo ao futebol paraense e ao próprio torcedor porque sofre os clubes pela ausência das torcidas e sofrem as torcidas por não terem mais motivação para prestigiarem seus clubes. Então eu acho que alguém de direito deveria fazer alguma coisa o quanto antes para evitar que esses senhores continuem enterrando o futebol paraense porque esses homens passam mas os clubes ficam. E para que não fiquemos igual ao futebol amazonense, onde o amadorismo do futebol pelada tomou o lugar do profissional, sendo a sensação por aquelas bandas, se faz necessa´rios providências urgentes.

  3. Falando em garotada, hoje assisti o jogo do remo contra o vasco na copa são paulo de futebol júnior, e o remo, pra variar, perdeu de novo.

    Mas achei que os garotos não fizeram feio não. Até jogaram direitinho mas o time parecia pouco entrosado.
    a zaga é fraquinha mas gostei muito do futebol de dois garotos: o reis e o jaime esses meninos jogaram muito bem e conseguiram se destacar no jogo. O jaime fez até gol e foi elogiado pelo comentarista.

    O detalhe é que o Jaime não aguentou o jogo inteiro, pois já no início do segundo tempo começou a sentir caimbras e teve que ser substituido.
    achei muito estranho pq esse garoto está treinando com o sinomar há uns seis meses. falaram até estavam reforçando as musculatura dos garotos.

    pelo visto o trabalho não foi bem feito.

Deixe uma resposta