Charles é novo técnico da Águia Guerreira

Dança de cadeiras no baixo clero do mercado de técnicos do Norte. Depois que Artur Oliveira, homem forte do Rio Branco (AC), convocou Samuel Cândido para treinar o time (levando junto o preparador físico José Jorge), a Tuna agiu rápido e anunciou Charles Guerreiro como seu treinador, na tarde desta sexta-feira.

Fico só imaginando a reação do amigo Cláudio a essa notícia. 

Avaliação de Dilma supera a de Lula e FHC

A avaliação positiva do governo da presidente Dilma Rousseff voltou a subir entre setembro e dezembro, segundo pesquisa CNI/Ibope divulgada na manhã desta sexta-feira (16). O índice de pessoas que consideram a gestão como ótima/boa passou de 51% para 56%. A aprovação pessoal da presidente ficou praticamente estável – passou de 71% para 72%. Essa é a quarta pesquisa CNI divulgada neste ano. A margem de erro é de dois pontos percentuais. Foram entrevistados 2.002 pessoas em 142 municípios, entre os dia 2 e 5 de dezembro.

A comparação entre os governos Dilma Rousseff, Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso, a avaliação de “ótimo ou bom” da presidente é a melhor da série histórica do final do primeiro ano de mandato, segundo pesquisa CNI/Ibope divulgada na manhã desta sexta-feira (16). Dilma registrou 56% (mesmo índice alcançado em março), enquanto Lula tinha 41% e Fernando Henrique, 43%. (Com informações da Folha SP)

Musas unidas em defesa dos animais

A Peta é uma organização não-governamental que luta para conscientizar as pessoas sobre a violência que os animais sofrem em todo o mundo. Promove protestos, campanhas e performances para denunciar o problema. Desta vez, pegou pesado: pôs em ação o elenco de musas do Lingerie Football League, a liga feminina de futebol americano, para propagar a causa. O truque foi tirar a roupa das beldades. Sempre antenado com as grandes bandeiras da humanidade, o blog se solidariza com os bichinhos e aplaude o desembaraço das boleiras ianques empenhadas nessa campanha.

Criatividade em jogo

Por Gerson Nogueira

Não adianta nem discutir, é fato. Depois dos jogos das semifinais do Mundial de Clubes, o favoritismo do poderoso Barcelona só aumentou. Não pelo placar mais tranqüilo que o do Santos, mas pela facilidade com que a turma de Guardiola conseguiu envolver o Al Sadd, tão limitado quanto o Kashiwa, que atazanou a vida do sistema defensivo de Muricy. E os espanhóis ainda se deram ao luxo de usar um mistão, poupando alguns titulares.  
Por outro lado, se a vantagem do Barcelona é evidente, todo o pessoal que acompanha o Círio sabe que o futebol é o mais surpreendente dos esportes justamente por ser o mais suscetível aos caprichos do imponderável.
Há, ainda, o exemplo eloqüente do Internacional para não deixar nenhum santista jogar a toalha antes da hora. Com um time limitado, cujos maiores destaques eram os veteranos Iarley e Fernandão e o garoto Alexandre Pato, o Colorado se fechou na defesa e encaixou o contra-ataque perfeito para desmontar um Barça que era superior em quase tudo.
A história recente tem a mostrar também o caso do São Paulo contra o Liverpool. Gherard e companheiros tiveram que se dobrar à raça de Mineiro & cia. De quebra, Rogério Ceni teve a felicidade de fazer naquela noite a maior atuação de sua carreira.
Nas duas situações, a raça e a vontade de vencer fizeram a diferença. Não se trata de desinteresse europeu pela taça, mas é inegável que os brasileiros lançam-se com mais arrojo à disputa. Para os gringos, a Champions League vale bem mais. Para os sul-americanos, o Mundial é o topo. Em jogos sempre marcados pelo equilíbrio, esse estado de ânimo pode fazer a diferença.
No Santos, ao contrário daqueles times de Inter e São Paulo, a força ofensiva é o principal trunfo. Não é acostumado a jogar retrancado, nem tem uma defesa suficientemente cascuda para esse tipo de estratégia. Pode-se dizer que a melhor arma defensiva do Peixe é Muricy Ramalho, um especialista em armar retrancas.
Ocorre que Neymar, Ganso, Borges e Danilo, principalmente, são jogadores talhados para atacar. Influenciados por eles, os demais jogadores também são impelidos a ir à frente. Difícil imaginar o Santos acuado, esperando uma brecha para dar o bote. É até mais provável que, pelas características das equipes, que o Barcelona use o recurso do contra-ataque – como fez, com sucesso, no último sábado contra do Real Madri. 
Os dados estão rolando e as possibilidades do Peixe dependem da capacidade de evitar o cerco e a infernal troca de passes que Messi, Iniesta, Fábregas e Xavi fazem por música, o que não é fácil. Caso Muricy consiga parar o meio-campo espanhol, Neymar e Ganso terão liberdade para explorar o jeito meio estabanado da dupla de zaga Piqué e Pujol.
 
 
Na expectativa da final entre Barcelona e Santos, a empresa de consultoria Pluri informa que Messi e Daniel Alves têm valor equivalente a todo o elenco santista, incluindo Neymar – que ganha menos os quatro maiores astros do Barça. O confronto de domingo colocará frente a frente o 1º e o 27º times mais valiosos do mundo.
O cálculo se baseia no somatário do valor de mercado dos jogadores de cada clube. Em resumo, o Barça vale hoje R$ 1,49 bilhão e o Santos chega a R$ 332 milhões. Como nas propagandas políticas do passado, pode-se dizer que será o jogo do bilhão contra o milhão.
 
 
Por relaxamento ou indecisão, o Paissandu ainda não conseguiu definir um treinador. É o único time sem técnico entre os oito que disputarão o Campeonato Estadual.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta sexta-feira, 16)