Tapajós insatisfeito com a campanha do Sim

Santarém começa a questionar os rumos da campanha do Sim, que defende os projetos de criação dos Estados de Carajás e Tapajós. Por ser uma luta de mais de três décadas, a emancipação do Tapajós acaba confundida com o projeto de Carajás, bem mais recente e identificado com interesses econômicos e políticos da elite da região. Publicitários e jornalistas santarenos avaliam que a proposta tapajônica, considerada mais justa, é prejudicada pela forte rejeição do eleitorado aos separatistas de Carajás. Até a logomarca da campanha, que remeteria à propaganda pessoal de um conhecido candidato a prefeito, sofre questionamentos. O problema é que a campanha separatista é bancada em mais de 90% pelas empresas e políticos da região de Carajás, o que acaba ditando o conteúdo da campanha no rádio e na TV.

18 comentários em “Tapajós insatisfeito com a campanha do Sim

  1. Alberto, talvez nos encontremos em Val-de-Caes. Lá estarei aguardando gente minha, moradora de Munique que vem
    com um NAO em cada mão.

    Curtir

  2. Esqueceram de dizer para o Duda (mendonça) que ” malandro de mais se atrapalha ” e que ” o mal do sabido é pensar que não possa ser enganado ” ..

    Curtir

  3. Santarém começa a questionar,ou alguns santarenos começam a questionar ?
    Pois como dizia Nelson Rodrigues – Toda unanimidade é burra.

    Curtir

  4. Os lideres separatistas ao comando do forasteiro mor duda, do senador intruso mozarildo, dos politicos sanguessugas giovani e lira e os maria vai com as outras ou seja o que Deus quiser maria do carmo e maurino, fazem de tudo pra confudir o povo em relação a este plebiscito só para alcançar seu objetivo que é dividir o Pará.

    * Dividir p/ multiplicar ( depois de dividido é cada um por sí, aí quem vai perder mais e passar a ter um futuro incerto? Pode ser 1, 2 ou os 3).

    Querem comparar o Rio com o Pará, uma piada de dar raiva, já que aquele nobre estado pode ser pequeno territorialmente mais já foi a capital do Brasil.
    Em São Paulo a principal cidade da América, os forasteiros que foram pra lá, inclusive os estrangeiros, foram TRABALHAR, PRODUZIR e não se apropriar da terra de ninguém.

    Eu não quero o Pará grande só por orgulho de dizer que moro no segundo maior estado do Brasil, mas porque as pespectivas de crescimento são grandes para todos.
    Caminhando ( juntos ) se vai ao longe.

    Curtir

  5. Neste exato momento estou na cidade de Altamira, não estou vendo poraqui a manifestação do SIM forte. Ao contrario do municipio de Medicilandia, que e a segunda maior cidade do Brasil, em produção e exportação de cacau.
    Meu voto e o mesmo, 55 neles!

    Curtir

  6. UMA DESGRAÇA CHAMADA DIVISÃO DO PARÁ
    A divisão do Pará é um desejo antigo e muito forte, de poderosos políticos e empresários, pertencentes às regiões do Tapajós e de Carajás, sob a alegação de que é um desejo da população paraense a tal divisão.
    A quem interessa esta divisão? É claro que interessa a alguns políticos e empresários ambiciosos, que querem a qualquer custo a divisão do nosso rico Estado do Pará, para poderem concorrer a cargos de Governador, Deputado Estadual, Deputado Federal e Senador da República já em 2014 e posteriormente a cargo de Prefeito e Vereador na Capital dos Estados criados e nos Municípios. Sem a divisão do Pará, ninguém do grupo separatista terá cacife ou coragem suficiente para concorrer a cargos majoritários para Governador do Estado do Pará ou Senador da República para representar o nosso querido Estado do Pará.
    Quem tem a honestidade de afirmar, que a divisão de um Estado rico como o Estado do Pará, é benéfica para a população? Se alguém afirmar que é benéfico, então perguntamos, porque o Estado de São Paulo que é o maior Estado da federação ainda não foi dividido? A resposta é fácil, nenhum Estado rico com uma população politizada, consciente politicamente, aceitarão a divisão do seu Estado rico, para tornarem-se pobres ou miseráveis, em detrimento de outros Estados que serão criados. Se São Paulo tivesse que ser dividido no mínimo teríamos a criação de uns 05(cinco) novos Estados na nossa Federação. Quanto custaria esta gastança para a população, pois na verdade, quem paga a conta é o Governo dos novos Estados criados, através dos impostos arrecadados da população, ou seja, quem paga a conta é a população. E se a arrecadação não for suficiente para pagar todas as despesas do Estado? Então teremos um Estado pobre e miserável financeiramente. É o que poderá acontecer com os novos Estados criados e com o nosso Parázinho, Se o Pará for dividido, nós teremos fatalmente o pior PIB do Brasil.
    Se o nosso querido e rico Estado do Pará for dividido, nós seremos um Estado pobre, pois a riqueza ficará com os novos Estados criados do TAPAJÓS e CARAJÁS. Como o Governo do nosso Parázinho fará para custear as despesas da maquina administrativa? (FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS ESTADUAIS, ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA, TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO, TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO, TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS, HOSPITAIS PÚBLICOS ESTADUAIS). Aonde o Governo do nosso Parázinho irá arrumar dinheiro para custear as despesas com (SAÚDE, EDUCAÇÃO, TRANSPORTE, SEGURANÇA, AGRICULTURA ETC..). Fatalmente o nosso Parázinho, não terá arrecadação suficiente para custear todas as despesas do Estado. Nós paraenses, somos os verdadeiros responsáveis pelo futuro do nosso querido Estado do Pará. Se a divisão fosse boa para o povo, o Brasil teria aceitado democraticamente a sua divisão com São Paulo, para que fosse criado outro País em São Paulo. Porque o Governo Brasileiro não aceitou e não aceita a divisão do Brasil em detrimento da criação de outros países? O Brasil é um país de grande dimensão territorial, mas para os brasileiros, não interessa a divisão do nosso grande, rico, próspero e poderoso Brasil. A mesma coisa é o Estado do Pará, que não pode ser dividido, pois para os paraenses não interessa a tal divisão, queremos viver em um Estado rico e forte politicamente, portanto é NÃO e NÃO.
    Os separatistas do nosso querido Estado do Pará estão trazendo pessoas famosas, para a campanha do SIM, como o PAULO HENRIQUE AMORIM, que está pregando em campanha que a divisão do Pará e melhor para a população. Porque deu certo quando Goiás foi dividido em favor da criação do Estado do Tocantins. Na época em que o Estado do Tocantins foi criado o mesmo recebeu do Governo Federal 10(dez) anos de isenção de impostos, mais ajuda financeira que o Governo Federal deu para o Estado do Tocantins. Na época da criação do Estado do Tocantins o Governo Federal podia ajudar os Estados que fossem criados, hoje não é mais possível tal ajuda. A Constituição Federal de 1988, através do artigo 234 prevê o seguinte: Este artigo proíbe que a união assuma, direta ou indiretamente, dividas em decorrência da criação de novos Estados. A partir da CARTA MAGNA em vigor, o Estado que nascer pobre vai ficar pobre, pois todo Estado criado tem que ter recurso próprio para bancar as suas próprias despesas. Sem ajuda do Governo Federal, torna-se impossível ou inviável a criação de novos Estados. No dia 11 de dezembro diga NÃO e NÃO para a criação dos Estados do Carajás e Tapajós.
    O Pará não será dividido, porque o povo paraense já está bastante politizado, sabe o que é melhor para o Estado do Pará. O paraense não aceita mais manobras políticas, e o que este grupo separatista está fazendo é uma verdadeira manobra política, inaceitável para os verdadeiros paraenses, porém, estamos atentos para as citadas manobras políticas.
    Os separatistas do nosso rico e querido Estado do Pará, querem levar do nosso Estado, 83% (oitenta e três por cento) de nossas terras, querem levar as nossas riquezas florestais, minerais (ferro, cobre, ouro, níquel,) e todas as demais riquezas que estejam no subsolo, o Pará é um Estado próspero, dividir o Pará é acabar com todas as nossas possibilidades de desenvolvimento que está sendo construído há décadas. O grande desenvolvimento do nosso rico e querido Estado do Pará, é o sonho dos paraenses e de todos que migraram de seus Estados Para o nosso Pará e aqui construíram famílias e condições para sustentar os seus filhos. O meu pai era do Rio Grande do norte, porém quando alguém tentava falar mal do Pará ele respondia que apesar de ser Riograndense do Norte, ele se considerava paraense, pois foi o Pará que o acolheu e no Pará ele construiu família, arrumou emprego e condições para sustentar a sua família. Eu particularmente entendo que o autêntico paraense tem que defender o Pará, como ele é grande rico e próspero.
    O Tapajós quer ficar com 58 % (cinqüenta e oito por cento).
    Com a criação dos Estados do Tapajós e de Carajás, a receita somando os 03(três) estados não será maior do que a receita que o Estado do Pará arrecada hoje, porém a despesa com a criação de mais 02(dois) Estados aumentará drasticamente, com a criação obrigatória de toda a infra-estrutura para atender todos os órgãos criados pelos novos Estados.
    Se o Pará for dividido quem pagará esta despesa? Com certeza será o povo do Pará juntamente com o povo dos dois estados criados. Vale ressaltar que se forem criados os Estados do Tapajós e de Carajás, o Governo do Pará e os paraenses herdarão uma divida de grande porte referente a todo o investimento realizado pelo governo do Estado do Pará nas regiões do Tapajós e do Carajás, dinheiro dos paraenses, sem contar com a grande perda de arrecadação que o Estado do Pará terá. A receita do Estado do Pará reduzirá de forma astronômica, porém a despesa continuará. No dia 11 de dezembro vote 55 e 55 diga NÃO e NÃO.
    Todos que tiverem acesso a este documento vão observar que eu coloco com freqüência, querido e rico Estado do Pará, eu coloco desta maneira, porque hoje o Pará é realmente um Estado rico e próspero, porém se o paraense aceitar a divisão do nosso Estado do Pará, eu tenho a certeza que faremos parte de um dos Estados mais miseráveis do nosso querido Brasil.
    Até hoje, as pessoas que nasceram em Macapá antes da divisão do Estado, não aceitam serem chamados de amapaenses, porque antes da divisão os mesmos eram paraenses, tinham nascidos no Estado do Pará, e o paraense tem orgulho do Estado em que nasceu.
    Você meu irmão, paraense, que nasceu no estado do Pará, na cidade pertencente à região do Tapajós ou do Carajás, que se considera paraense autentico, de coração, vai aceitar por acaso ser chamado por outra naturalidade que não seja a paraense? Com certeza você não vai aceitar, pois paraense que é paraense não muda a sua naturalidade.
    Vamos fazer uma campanha forte contra a divisão do nosso grande, rico e querido Estado do Pará.
    No plebiscito do dia 11/12/2011, diga NÃO e NÃO a divisão do Pará vote 55 e 55, vamos mostrar a este grupo interesseiro que nós sabemos o que é melhor para o Estado do Pará.
    Certo de contarmos com o máximo apoio da esmagadora maioria dos paraenses desde já agradecemos.
    Atenciosamente

    ______________________________________
    NAZARENO RIBEIRO DA SILVA
    Sindicalista há mais de 30 anos
    Bacharel em ciências econômicas
    Ex – vereador de Belém
    Estudante de Direito

    Curtir

  7. Esse povo de lá é meio burrinho.

    pô, pra quê esse negócio de divisão?

    é só eles votarem em um candidato de lá pra governador, que o cara vai olhar mais pra eles durante sua administração.

    é simples, não precisa separar.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s