Justiça paralisa grupo do Papão na Série C

O desembargador Ricardo Couto, da 7ª Vara Cível do Rio de Janeiro, suspendeu no começo desta noite os jogos da próxima rodada do grupo E da Série C, em face da liminar apresentada pelo Rio Branco na semana passada. A CBF deve informar ainda hoje a suspensão das partidas. O jogo deste domingo, entre Rio Branco e América, está cancelado apesar das despesas de viagem feitas pelo clube potiguar, de cerca de R$ 80 mil.

Josiel é homem de confiança do novo técnico

Em entrevista, Andrade revela o nome de seu homem de confiança no atual elenco do Paissandu. Sim, ele mesmo: Josiel. O atacante, que defendeu o Flamengo sob o comando de Andrade, deu todas as dicas e esclareceu as dúvidas do novo técnico. Como se vê, o boquirroto boleiro sulista é titular absoluto no time de Andrade.

Série C: CBF deve tomar posição ainda hoje

A CBF deve se manifestar nesta sexta-feira sobre os rumos do Brasileiro da Série C e, especificamente, sobre os jogos do grupo E. Os muitos problemas envolvendo Justiça Comum, Superior Tribunal de Justiça Desportiva, Rio Branco (AC) e Luverdense (MT) podem levar a entidade a paralisar o grupo até que todas as instâncias judiciais estejam esgotadas. Para o Paissandu, um dos clubes mais prejudicados pelas indefinições do torneio, o melhor a acontecer seria a permanência do Rio Branco, conforme determina a liminar em vigor. Fontes ligadas à CBF revelam que, caso a liminar não seja derrubada pela Justiça do Rio, o mais provável é a suspensão da chave, a fim de evitar novas despesas, apesar de o América já ter se deslocado para o jogo em Rio Branco.

Novo técnico do Papão já está em Belém

Andrade, novo técnico do Paissandu, desembarcou em Val-de-Cans no começo desta madrugada. Simples e atencioso, conversou com os repórteres, revelou que conhece alguns jogadores do atual elenco – citando Josiel, que foi jogador do Flamengo. Tímido, ao perceber a presença de um pequeno grupo detorcedores, mostrou-se surpreso com a recepção. (Foto: KEILON FEIO/Diário)

Tribuna do torcedor

Por Dennis Oliveira (dennis.redator@gmail.com)

Já tive o privilégio de conhecer Recife, São Paulo, Maceió, Fortaleza, Goiânia, Curitiba e Rio de Janeiro. Por isso posso relatar, baseado na minha experiência, que Belém é a cidade com as pessoas mais mal educadas, é a cidade mais suja, mais desorganizada. E quanto ao povo, é o mais feio, claro, que baseado no meu gosto pessoal: minha referencia de beleza está mais para as européias que as caboclas. Acho a Ana Paula Aróiso mais bonita que a Dira Paes. Ponto. Essa é a minha opinião baseada em gosto pessoal e experiência de conhecer outros lugares.
Agora também respeito a opinião e gosto de outras pessoas. Se você já viajou para Curitiba e achou uma cidade fria (não estou falando sobre o clima), tudo bem, também. Quer dizer que você prefere o calor da bagunça a pacata vida européia. Na verdade, estou relatando isso porque (sem querer defender o cara) vejo que essa polemica em torno do Josiel desnecessária. Pra mim, é uma questão de gosto pessoal assim como eu e você temos diferentes. Não vi esse nazismo todo. O cara simplesmente é de outra região que ao seu modo de ver é melhor em vários aspectos que a nossa. O que eu vejo nisso tudo é que estão buscando um culpado para a situação bicolor, de antes calmaria e agora de dúvidas quanto acesso.
Incrível como antes o Paysandu tinha reaprendido a jogar, era um time audacioso, corajoso que ia pra campo com três atacantes etc., que o acesso era só uma questão de tempo. Agora é desunido, farrista, de jogadores pinguços. Amigos, a minha opinião é: deixemos de ser tão cegos para os nossos problemas internos. Vamos abrir os olhos para o que precisamos fazer para melhorar. Belém é sim uma cidade suja. A maioria dos paraenses joga lixo na rua, trata mal as outras pessoas, são grossas, mal educadas, e principalmente, de políticos corruptos e safados. Esses sim precisam de nossa revolta, precisam ser xingados em programas de televisão e rádio. NENHUM, eu disse NENHUM político paraense merece (nenhum do Brasil também) nosso respeito. São essas figuras que mais desonram a nossa terra, não aqueles que nasceram em outros estados mais organizados.
E só para finalizar, eu sou paraense de Santarém (espero continuar sendo com a NÃO separação do nosso grandioso Estado), casado e apaixonado por uma paraense. E posso afirmar, linda, inteligente, maravilhosa. Por que uma coisa não tem nada a ver com a outra. Mesmo amando a minha região não tapo os olhos para seus problemas. E assim como o Josiel falou mal sobre coisas daqui, eu também falo do que não gosto em outras terras. Por exemplo, foi em Maceió que renasceu em mim a admiração pelas ruas tão arborizadas de Belém. Eu, até então, não lembrava como é lindo e gostoso passar pela avenida Nazaré debaixo daquele túnel de mangueiras. Na capital de alagoas, você anda, anda e não vê uma árvore grandiosa.
Gente, vamos respeitar a opinião dos outros e melhorar o que precisamos urgentemente. Quanto ao Josiel, vamos exigir que ele volte pra sua terra por causa do seu futebolzinho.  

Dilma ordena varredura no Esporte

A presidente Dilma Rousseff vai acompanhar pelos próximos dias a situação do ministro do Esporte, Orlando Silva, para então definir seu futuro. Sua permanência no cargo é considerada “difícil” por integrantes do Palácio. Na avaliação da equipe palaciana, Orlando teria se inviabilizado politicamente ao ser alvo de suspeita. Na decisão, pesa menos o teor das denúncias e mais a viabilidade de ter um “executivo da Copa” enfraquecido. O delator do ministro, o policial João Dias, ainda não apresentou provas.

Para embasar sua decisão, a Folha apurou que o Planalto pediu ontem à Controladoria-Geral da União uma varredura nas ações e contratos da pasta que foram alvo de denúncias. Dilma decidirá o futuro do auxiliar após receber o levantamento. Ela reuniu por mais de duas horas sua equipe no Palácio do Alvorada ontem à noite assim que chegou da África. Os ministros presentes fizeram um diagnóstico pessimista do noticiário.

Mesmo assim, o governo quer identificar ele próprio a situação no ministério e checar se há esquemas de corrupção na pasta, como denunciam os jornais. Em seguida, será feita uma avaliação minuciosa para identificar a extensão real das supostas irregularidades e das condições políticas de Orlando Silva conduzir a organização da Copa. (Da Folha de S. Paulo)

Copa-2014: perguntas necessárias

Por Juca Kfouri

Que sentido faz derrubar o Machadão, construir um novo estádio, o das Dunas (Sanud ao contrário), em Natal, para receber quatro jogos durante um mês de Copa do Mundo?

Que sentido faz construir um elefante branco, ou um jacaré verde como prefere o espirituoso governador do Mato Grosso, em Cuiabá, onde nem futebol profissional digno desse nome há, para receber quatro jogos durante um mês de Copa do Mundo, quem sabe um entre a Coréia do Norte e a Nova Zelândia?

Que sentido faz construir um estádio em Manaus, sem nenhum time nem na primeira nem na segunda divisões nacionais, para receber quatro jogos durante um mês de Copa do Mundo?

Coluna: Novo técnico, velhas dúvidas

Expectativa geral quanto ao cenário que Andrade vai encontrar no Paissandu a partir de hoje: um grupo rachado e uma diretoria débil, como na era Edson Gaúcho, ou jogadores comprometidos de verdade com o projeto de acesso à Série B? Franco como sempre, o veterano Zé Augusto admite nunca ter visto o clube metido em tantas turbulências como agora. Oficialmente, o elenco, incluindo os que se amotinaram contra o ex-treinador, aplaude a chegada do campeão brasileiro de 2009.
Rebaixado à Série C com o Brasiliense no ano passado, Andrade tem outras frentes de luta. E as maiores resistências a serem vencidas concentram-se na alma do torcedor. Cabreiros com a escolha dos dirigentes, os alvicelestes precisam ser convencidos de que o investimento vai valer a pena.
O certo é que, mesmo à distância, o novo técnico já começou a trabalhar. Sua primeira providência foi vetar o jogo-treino que Lecheva havia programado. A segunda medida, já prevista, é o afastamento do próprio Lecheva das funções de auxiliar técnico. Andrade, pelo visto, já foi devidamente informado sobre as armadilhas que minaram o trabalho de seu antecessor.
Quanto à parte que realmente importa, as interrogações começam pelo time que Andrade vai montar para o embate de quarta-feira. Mantém a mesma defesa insegura que permitiu duas derrotas consecutivas? Vagner, barrado por Gaúcho, volta pelo critério da qualidade? Potiguar, que não deslanchou na competição, terá nova oportunidade? Josiel, queimado com a Fiel, continuará a ser escalado apenas pelo nome? A partir desta manhã, espera-se que Andrade comece a dar as respostas.  
 
 
Depois dos comentários toscos sobre Belém (e as belemenses) postados no Facebook, a torcida do Paissandu está em guerra aberta contra Josiel, que agora só anda cercado de guarda-costas. Mesmo que venha a ter um surto de produtividade nas próximas partidas (só marcou um gol desde que foi contratado) e vire o herói da classificação, dificilmente será perdoado.
Para piorar, o caso das “paquitas queimadas” ganhou fôlego nas redes sociais e desencadeia onda de patrulha sem precedentes no Paissandu. O mais novo capítulo diz respeito a jogadores se esbaldando em festinha regada a muitas latinhas de cerveja, cujas fotos caíram na internet e são enviadas a jornalistas e radialistas, alimentando os ataques a uma suposta turma do chinelinho no clube.
A situação do Paissandu exige bom senso e serenidade. Cruzadas xiitas são indomáveis. Sabemos como começam, mas não se tem idéia de como terminam.   
 
 
O show que a Fifa armou para divulgar localização e horários dos jogos, ontem, em Zurique, deixou a impressão de que o Rio é o primeiro grande derrotado da Copa-2014. Os cariocas só irão ver a Seleção Brasileira numa eventual final. Torcedores de Fortaleza, BH e S. Paulo foram contemplados com duas partidas do escrete canarinho. Teria sido a primeira das maldades prometidas por Ricardo Teixeira?  
 
 
Direto do Twitter
 
“Só falta no julgamento de hoje do caso Luverdense e Rio Branco aparecer aquele jeitinho brasileiro, e esse grupo ficar com 5 equipes”.
 
Por Roberval Davino, expert em Série C (foi campeão com o Remo em 2005).

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta sexta-feira, 21)