CRB e Rio Branco empatam em 0 a 0

Na abertura do grupo E da Série C, CRB e Rio Branco ficaram no 0 a 0, em partida realizada neste sábado à tarde, em Maceió (AL). Apesar do placar em branco, o jogo foi movimentado e o CRB teve várias oportunidades de abrir o marcador, principalmente no primeiro tempo. Os meias Ewerton Maradona e Pio infernizaram a zaga acreana, desperdiçando oportunidades por erros de finalização. Já o Rio Branco teve apenas uma chance, aos 16 minutos da etapa final, em chute de Araújo salvo milagrosamente pelo goleiro Anderson Paraíba.

A próxima rodada aponta os seguintes jogos: no sábado, o CRB visita o América em Natal, às 15h15; e no domingo, às 19h, o Rio Branco pega o Paissandu na Arena da Floresta. Tudo isso, obviamente, se o julgamento marcado para terça-feira no STJD mantiver o Rio Branco na competição.

As histórias de Gilmar Fubá

Depois de ter sido envolvido num episódio policial (já esclarecido), o ex-jogador Gilmar Fubá dá sinais de que recuperou a tranquilidade. Ele foi um dos convidados desta sexta-feira no programa vespertino “SP Acontece”, do apresentador e também ex-jogador Neto. Fubá contou uma série de causos da época em que jogou bola, citando até um episódio com Mirandinha, que defendeu o Paissandu.

A BMW

“Quando fomos campeões mundiais pelo Corinthians, depois de dois dias, caiu R$ 190 mil na conta. Aí eu fui lá, passei o cartão, vi aquilo tudo de dinheiro, nunca tinha visto tanto na conta, e pensei: ‘Acho que depositaram errado’. Fiquei quietinho. Fui no banco e falei: ‘Quero tirar tudo isso de dinheiro’. Mas a mulher disse que precisava avisar com antecedência, essas coisas. Depois de cinco dias eu peguei uma mala, fui lá, peguei todo o dinheiro e fui comprar uma BMW. Cheguei lá de calção e havaianas, e disse: ‘Quero comprar aquela BMW’. O cara enrolou e perguntou como eu ia pagar. Abri a mala cheia de dinheiro e ele falou: ‘Fecha isso aí, fecha isso aí’. Paguei a BMW e levei embora. Chegou em São Mateus, não tinha nem garagem para ela. Minha mãe ficou preocupada e disse: ‘E agora, onde vai pôr esse carro?’. Eu disse para deixar ali na rua mesmo, mas a minha mãe ficou dormindo lá dentro. ‘Toma conta aí então’, eu falei. Eu tinha que descansar direito para treinar. Mas a BMW é confortável!”.

No Qatar

“Cheguei lá e não sabia falar árabe, não sabia nem falar português direito. Mas eu ficava quatro, cinco horas conversando com os árabes. O Osvaldo de Oliveira ficava doido comigo. No final, eu fui até o capitão do time, sem saber nada. Tinha um iraniano lá que aprendia fácil o português. E eu ensinava ele a falar português. Aí um dia eu tava no DM e ele perguntou o que eu tinha, eu falei: ‘migué’. Expliquei o que era migué para ele em português. E um dia ele tava deitado lá no DM, e chegou um fisioterapeuta brasileiro, que perguntou para o Osvaldo o que ele tinha: ‘Esse aí tá de migué’. O iraniano levantou e começou a dizer: ‘migué não!’”.

Evaristo de Macedo

“Fomos jogar contra a Inter de Limeira, estava eu e todo mundo no banco. E o Evaristo jogou no Barcelona, no Real Madrid, então para ele, ele é o melhor do mundo. E ele chegava lá e dizia: ‘Olha esse Vampeta, como ele pode ser jogador de seleção? Olha esse Rincón, esse Gamarra, eles são muito ruins!’. A gente só ria no banco. Aí ele olhou para nós no banco e falou: ‘Vocês estão rindo do quê? Vocês são reservas deles!’”.

Joel Santana

“Em 97, a gente estava para cair para a segunda divisão, com a batata assando, aí ele chamou todo mundo, mas só a comissão e os jogadores, disse que a diretoria ia ficar de fora. Então a gente estava sentado, ouvindo ele falar: ‘A culpa não é de vocês não, a culpa é da diretoria’. Mas o diretor chegou e ele não viu. Os caras estavam cutucando ele para falar que o diretor estava chegando. Quando ele olhou para trás e viu o diretor, ele disse: ‘A culpa é dessa diretoria, que contratou todas essas merdas aí’. Olha a pipocada que ele deu na hora”.

Mirandinha 2

Tem uma história dele engraçada de quando ele foi para Belém do Pará, jogar no Paissandu. Aí no jogo de estreia dele ele fez dois gols, o Mirandinha. Aí acabou o jogo e os caras falaram para ele: ‘Ô, Mirandinha, no jogo de estreia já fez dois gols, que prazer!’. E ele disse: ‘Para mim, é um prazer imenso fazer dois gols na terra onde Jesus nasceu, que é Belém’”.

Brasileiro metido em bronca na Alemanha

Sob a acusação de ter provocado o incêndio da própria casa, o zagueiro Breno, que defende o Bayern de Munique desde 2008, foi preso neste sábado pela polícia alemã. Até sexta-feira, o brasileiro era apontado como suspeito do crime, mas as investigações se aprofundaram e ele foi formalmente acusado de ser o causador do incêndio. A Promotoria de Munique determinou sua prisão por avaliar que havia risco de fuga. O incêndio ocorreu na madrugada de terça-feira e destruiu parcialmente a casa. Breno estava sozinho. Sua esposa e os três filhos não estavam na residência. O jogador chegou a ser atendido pelos bombeiros e foi levado a um hospital por ter se sufocado com a fumaça. Breno foi revelado pelo São Paulo. (Com informações do Lancenet)