Paissandu joga domingo contra o América

O diretor técnico da FPF, Paulo Romano, confirmou agora à noite que a CBF entendeu que a decisão do STJD acatando o pedido de efeito suspensivo feito pelo Rio Branco produziu apenas a substituição do Luverdense pelo time acreano na rodada do grupo E da Série C. Com isso, estão mantidos os jogos programados para o fim de semana com equipes diferentes: Paissandu x América (RN), às 16h, na Curuzu; e CRB x Rio Branco, sábado, às 16h, em Maceió (AL). A situação ainda pode se alterar caso o STJD acolha recurso impetrado pelo Luverdense.

Em Belém, no treino realizado à tarde na Curuzu, o técnico Edson Gaúcho (foto) mostrou-se satisfeito inicialmente com a suspensão da competição, pois ganharia tempo para condicionar melhor seus jogadores. Com a mudança de planos da CBF, o Paissandu terá que alterar sua estratégia, recebendo logo de cara o América, melhor time do grupo nordestino. (Foto: MÁRIO QUADROS)

CBF suspende rodada da Série C

A rodada deste fim de semana do grupo E da Série C foi adiada pela CBF. A entidade acatou pedido de efeito suspensivo impetrado pelo Rio Branco (AC), que foi excluído da competição pelo STJD na última sexta-feira. A paralisação da rodada foi anunciada pela Diretoria de Competições da CBF, que comunicou à FPF por telefone na tarde desta terça-feira. A FPF ainda aguarda um documento oficial da CBF, mas a suspensão já está decidida, adiando a rodada de estreia para permitir o julgamento do recurso do Rio Branco no STJD.

A primeira rodada do Grupo E teria início no próximo sábado (24), com o confronto entre CRB e Paissandu em Maceió (AL), e seria complementada domingo (25) com a partida entre Luverdense e América de Natal, em Lucas do Rio Verde (MT). Caso o Rio Branco consiga reverter a desclassificação no STJD, muda completamente a primeira rodada: o Estrelão enfrentaria o CRB e o Paissandu recebe o América (RN) em Belém. O STJD deve julgar o recurso do Rio Branco na próxima semana.

Rio Branco espera resposta sobre efeito suspensivo

Do site do Rio Branco

A segunda-feira foi movimentada no José de Melo e no Rio de Janeiro. Enquanto na sede do clube o elenco estrelado realizava o primeiro treino tático da semana, no Rio de Janeiro os senadores Jorge Viana e Aníbal Diniz, juntos com o presidente da Federação de Futebol do Acre (FFAC), Antônio Aquino Lopes, estavam reunidos com o presidente da Confederação Brasileira de Futebol(CBF), Ricardo Teixeira, na sede da entidade.
O trio viajou para tratar da eliminação do Estrelão da Série C 2011, imposta pela Comissão Disciplinar STJD, na tarde da última sexta-feira, em virtude de o Rio Branco – através do Governo do Acre – ter movido uma ação na Justiça Comum contra o Ministério Público do Acre, que teria vetado ao público a Arena da Floresta e todos os estádios acreanos para jogos nacionais, alegando que os estádios não davam a segurança necessária aos seus torcedores.
Segundo o senador Aníbal Diniz, a reunião com o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, foi proveitosa. “Saímos bem entusiasmados da CBF. Acredito que as coisas vão se encaminhar bem ao nosso favor. O Rio Branco jogou limpo durante todos esses anos, e não é justo nos eliminarem no tapetão. Nós do governo colocamos o Rio Branco nessa situação e vamos tirá-lo. Em nenhum momento litigiamos contra a CBF, e isso vai ser muito importante para conseguirmos o nosso objetivo”, disse o senador, otimista.
O presidente da FFAC, Antônio Aquino, explicou que a Federação não está relacionada com a ação. “Não entramos juntos com a ação. A única coisa que a Federação fez foi enviar a liminar que o Rio Branco e o Governo obtiveram para liberarem a Arena para a CBF. Mas a Federação está e esteve sempre do lado do Rio Branco. A ação foi legítima e para um bem maior, e isso deve ser levado em consideração”, disse Aquino. Enquanto isso, a comissão jurídica do Rio Branco impetrou o recurso e um processo de efeito suspensivo junto à CBF, para que o julgamento da Comissão Disciplinar que eliminou o Rio Branco seja suspenso, e que o Estrelão possa continuar na competição até que o caso seja julgado no Tribunal Pleno do STJD.
A resposta sobre o efeito suspensivo sai nesta terça, e o Rio Branco deve aparecer no Grupo E da segunda fase da Série C, ao lado de América-RN, CRB-AL e Paysandu-PA, em uma nova tabela que será divulgada pela CBF. Já o julgamento no Pleno ainda não tem data marcada. O elenco do Rio Branco segue trabalhando nesta terça-feira, aguardando o resultado e esperando quem eles devem enfrentar no primeiro jogo da segunda fase. O provável adversário é o CRB, partida esta que deve ser realizada no próximo sábado, dia 24 de Setembro, no Estádio Rei Pelé, em Maceió, capital de Alagoas. (Fonte: http://www.riobrancofc.com.br)

Coluna: Proposta contra o abuso

Na Europa, a questão é resolvida de maneira drástica. Quando os clubes não pagam seus jogadores, a classe entra em greve e paralisa campeonatos. Até na Argentina e no Uruguai esse posicionamento é comum, pela força dos sindicatos de atletas profissionais. No Brasil, porém, apesar da história gloriosa, as cinco Copas do Mundo ganhas pela Seleção e todo o prestígio dos nossos boleiros, reina a mais completa desmobilização sindical, contribuindo para atrasos no pagamento em quase todos os clubes nacionais.  
As exceções são saudadas com fogos e fanfarras. Pelo que se tem notícia, apenas São Paulo, Internacional, Grêmio e Cruzeiro pagam rigorosamente em dia seus contratados. Não há empenho para ajustar a contabilidade dos clubes e predomina a idéia, tão arcaica quanto cínica, de que futebol deve ser encarado como uma forma de arte.
Na verdade, futebol é uma atividade profissional como qualquer outra e movimenta rios de dinheiro – para alguns, pelo menos –, daí não haver justificativa aceitável para tanto desrespeito aos direitos trabalhistas mais elementares. Fica a impressão, quase certeza, de que o crônico atraso salarial nos clubes virou um aleijão, herança direta da era amadorista quando os boleiros eram pagos com vales e agrados diversos.
Pois surgiu finalmente alguém interessado em botar um freio nessa velha prática. E de onde menos se esperava. A Federação Paulista de Futebol vai instituir, para o Campeonato Paulista do próximo ano, um item no regulamento que deve reduzir bastante os atrasos de pagamentos.
A proposta da FPF prevê que times inadimplentes com seus atletas perderão pontos na competição. Um item no regulamento exige que o clube caloteiro seja julgado pelo Tribunal de Justiça Desportiva, podendo perder pontos e até ser rebaixado. A idéia é impedir que os clubes cometam as costumeiras loucuras financeiras, contratando muito acima de suas posses.
Segundo a própria federação, a maioria dos clubes já aceitou a mudança no regulamento, mas ainda não houve a assinatura do acordo da nova cláusula. Depois, a entidade buscará o aval do Ministério do Esporte, pois o Estatuto do Torcedor veta mudanças em regulamentos de campeonatos durante dois anos consecutivos.
Curiosamente, o Guarani já estaria rebaixado para a Série C do Campeonato Brasileiro se a medida for encampada pela CBF. Com três meses de salários atrasados, teria contabilizado 12 pontos negativos no torneio – descontados os 27 pontos ganhos até o momento.
Pode não ser a melhor das soluções e exige ajustes, mas é um começo para tentar instaurar ordem no caos em que vivem os clubes brasileiros de todas as divisões. Flagelados por sucessivas gestões incompetentes (ou simplesmente desonestas), as verdadeiras locomotivas do nosso futebol precisam ser cada vez mais fiscalizadas. Sob pena de desaparecerem, em pouco tempo, por falência absoluta. 
 
 
Um dos principais jogadores do Paissandu está há cinco meses sem receber salários. Apesar da situação, brilhou no domingo contra o Araguaína, comandou o time em campo e tem se mantido em digno silêncio, para não conturbar o ambiente do clube na Série C. Não é o único na fila para receber, mas é o caso mais agudo.  
 
 
Direto do blog
 
“Bem que o Luís Omar poderia levar o jogo para o Mangueirão e criar uma promoção de venda de carnê para os três jogos em casa por R$ 50,00 a arquibancada. Seria receita antecipada garantida. Tem de aproveitar este momento de lua-de-mel da torcida com o time. Cadê o setor de marketing para bolar esta ou outra promoção?”
 
Do Jairo Miranda, torcedor alviceleste e marqueteiro nas horas vagas.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta terça-feira, 20)