Eto’o é o jogador mais bem pago do mundo

O atacante camaronês Samuel Eto’o deixou a Inter de Milão, da Itália, e acertou contrato com o Anzhi Makhachkala, da Rússia, mesmo time do lateral esquerdo Roberto Carlos, informou o clube russo na tarde desta terça-feira. “O valor da transação foi acertado, satisfazendo os dois clubes. Amanhã o jogador será submetido a exames médicos e, se for aprovado, ele vai assinar contrato de três anos”, informou o Anzhi. A imprensa russa diz que a contratação custou R$ 98 milhões (43 milhões de euros) e que Eto’o será o jogador mais bem pago do mundo, com salário de R$ 46 milhões (20 milhões de euros). (Da Folha de SP)

Doutor Sócrates se recupera bem

Por Juca Kfouri

Acabo de sair do amplo quarto em que está o Doutor Sócrates, ainda na UTI. E felizmente o Dr.Breno Boueri tinha toda razāo no prognóstico que fez sobre a ótima recuperação dele. Encontrei-o cercado pelo carinho da mulher Kátia e de dois dos seis filhos, Rodrigo e Dudu, além dos companheiros de Cartāo Verde, Vladir Lemos e Xico Sá. Sorridente, de bom humor, respondeu de bate-pronto quando lhe perguntei o que é que estava fazendo no hospital e se não achava que estava na hora de criar juízo:

“Mas é claro”, respondeu. “Estou aqui só pra arrumar emprego”.

Sim, o Magrão está reagindo maravilhosamente e está absolutamente comovido com as manifestações de carinho do Brasil inteiro, nāo fosse ele o Doutor Sócrates Brasileiro.

Por indisciplina, Jóbson é dispensado do Bahia

Após mais uma polêmica, o Bahia anunciou, nesta segunda-feira, que o meia Jóbson está dispensado do clube. Em nota oficial, a diretoria do clube baiano comunicou que o jogador não será mais aproveitado e o contrato será rescindido, em decisão tomada após reunião entre dirigentes e comissão técnica. “O Esporte Clube Bahia comunica, através do seu departamento de futebol profissional, que o atleta Jóbson será desligado do elenco principal desta agremiação, em virtude de uma série de falhas no cumprimento de regras e horários na rotina de treinamentos, concentrações, viagens e jogos, o que vinha causando constragimentos a todo corpo de trabalho do clube”, diz a nota. O jogador será devolvido ao Botafogo, que deve emprestá-lo ao Bonsucesso. Mas clubes da Série B e da Série C já demonstram interesse pelo atacante. À noite, surgiram rumores de que até o Paissandu iria tentar contratar Jóbson, informações não confirmadas pela diretoria do clube.

Coluna: Por que Potiguar não é titular?

Um dos remanescentes do episódio Salgueiraço, Tiago Potiguar readquire aos poucos o futebol que o elevou à condição de melhor jogador paraense em 2010. Começa também a reatar os laços com a torcida do Paissandu, depois de uma reestréia decepcionante contra o Rio Branco.
Para deslanchar de vez, falta continuidade ao meia-atacante. Precisa jogar mais para voltar a jogar bem. Desde o confronto com o Águia, sua produção melhorou, apesar de não ter mais conseguido jogar 90 minutos, por opção do treinador. Em Lucas do Rio Verde, entrou na etapa final e teve papel decisivo na mudança de postura do time. O mesmo aconteceu contra o Águia, quando inclusive marcou o gol de empate. 
Há, contudo, um obstáculo para o pleno aproveitamento de Potiguar na equipe. Versátil e dono de bons recursos técnicos, sabe jogar tanto na meia cancha quanto no ataque. O problema é que suas características parecem não agradar o técnico Roberto Fernandes.
Na verdade, o comandante não confia totalmente no jogador para efetivá-lo como titular. Hesita em tirar um homem de sua inteira confiança, como Luciano Henrique, para abrir vaga ao ex-titular absoluto do time nos tempos de Charles Guerreiro e Sérgio Cosme. Ou mesmo para barrar Rafael Oliveira e lançar Potiguar como segundo atacante.
Pelo bem do Paissandu, alguém precisa chegar junto a Fernandes e dizer do que o jogador é capaz, isto na hipótese de ele ainda ter alguma dúvida a respeito. O fato é que, na estiagem de talento que assola a Série C, manter um meia habilidoso e dinâmico como Potiguar na reserva é um pecado imperdoável.
Pelas qualidades que tem, desconfio que Potiguar se sai bem até como ala. Aliás, estreou justamente nessa função, no final do primeiro turno do Parazão 2010 contra o Independente, em Tucuruí.   
 
 
Para quem reclamou tanto do gramado do estádio Zinho Oliveira, em Marabá, o Paissandu parece muito à vontade para fazer o jogo mais importante da temporada na Curuzu, cuja precariedade dispensa maiores comentários. A tranqüilidade com que o clube decidiu abrir mão do bem cuidado tapete do Mangueirão permitem algumas considerações.
Obviamente, a opção pela Curuzu põe por terra todos os argumentos assacados contra o Zinho Oliveira para justificar a derrota de sábado. Se o time considerou que seu futebol foi sabotado pelos buracos e terreno duro do campo marabaense soa esquisito que tenha aceitado sem maiores restrições jogar no castigado gramado de seu próprio estádio.
Outro aspecto a ser ressaltado diante da volta à Curuzu é a reiterada preocupação do técnico Roberto Fernandes em formar um time com nível de Série B, sinalizando que sua equipe lutaria para apresentar um futebol acima do patamar médio da Terceira Divisão. Para jogar bem e bonito é fundamental dispor de um gramado em perfeitas condições. No Pará, só o Mangueirão pode ser enquadrado nessa categoria.
Por fim, a diretoria do Paissandu precisa assumir a real motivação por trás da mudança de planos. Não se trata de interesse meramente econômico ou falta de apoio do governo para seguir jogando no Mangueirão. Nada disso. A questão é simples: os dirigentes entendem que o caldeirão da Curuzu pode contribuir para a vitória, na medida em que aumenta a pressão sobre o adversário e a arbitragem.
É um direito inalienável que pensem assim – apesar dos maus exemplos recentes, com Icasa e Salgueiro –, mas não precisam inventar lorotas para disfarçar o retrocesso.  
 
 
Depois de Brasiliense, Botafogo e Atlético-MG, o paraense Jobson é dispensado pelo Bahia. Pelos motivos de sempre. Indisciplina e má conduta como atleta. Consolida, aos poucos, a imagem de jogador-problema. Uma pena, pois tem talento acima da média. Em condições normais, podia perfeitamente pleitear uma chance na nova seleção que Mano Menezes tenta montar.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta terça-feira, 23)