A frase do dia

“Nas cidades-sede que visitei, fiz um levantamento e constatei que, num raio de cinco quilômetros em torno do estádio, sempre tem um hospital em condições precárias”.

Do deputado federal Romário, com a faca nos dentes contra o Comitê Organizador da Copa do Mundo de 2014.

Fiel vai apoiar até treino do Papão

Uma criativa ideia será posta em prática, nesta quinta-feira, às 16h, pelas torcidas organizadas do Paissandu. Será feita uma “invasão” ao treino do time, na Curuzu. É uma forma de incentivar e valorizar os jogadores na semana do importante compromisso contra o Águia, em Marabá. O objetivo é mostrar que a torcida joga junto com a equipe e que, graças a esse espírito de união, o Paissandu está mais forte do que nunca para obter o acesso à Série B. Esta é apenas a primeira de uma série de ações que os torcedores estão preparando para apoiar o time de Roberto Fernandes. Os organizadores solicitam que o torcedor compareça uniformizado, levando bandeiras para tornar a presença ainda mais festiva e colorida.

Coluna: O inferno astral do craque

Ressaca de vitórias importantes? Tédio dos craques, paparicados demais nos últimos meses? Fadiga física imposta pelas seguidas ausências dos principais titulares? Muitas perguntas são feitas na esperança de decifrar o enigma que envolve o Santos.
Campeão da Taça Libertadores, cantado em prosa e verso como o melhor time do continente, favoritíssimo ao título nacional da temporada, a equipe patina no Campeonato Brasileiro, flertando perigosamente com a zona da morte. Pior: sem, até agora, reproduzir as excelentes atuações do primeiro semestre.
O que mudou em tão curto período de tempo?
Sempre franco e direto, Muricy Ramalho dá pistas de que a brutal queda de rendimento santista passa pelo mau momento técnico de Paulo Henrique Ganso, camisa 10 e cérebro da equipe. Neymar é a sensação do time, com seus dribles, arrancadas e golaços. Mas o ponto de equilíbrio está na meia cancha, onde PHG brilhou até as finais do certame paulista.
Depois de sofrer grave lesão, que se juntou a um problema anterior no joelho surgido ainda em 2010, o craque paraense submeteu-se a uma segunda cirurgia e aí seu futebol entrou em declínio. Quase não atuou na Libertadores e teve passagem discreta na Copa América. No Brasileiro, sua participação no jogo é 30% menor que no ano passado.
A dúvida é se a atual fase é nuvem passageira ou se pode derrubar o prestígio do jovem meia. Por via das dúvidas, Muricy avisou ontem que mudará o posicionamento de PHG na equipe, que voltará a jogar mais adiantado, quase como um ponta-de-lança. Era assim que Dorival Jr. o utilizava no ano passado.
Ao mesmo tempo, o técnico não esconde que o inferno astral do paraense pode ter raiz no excesso de compromissos sobre as costas dos jovens craques brasileiros. A agenda de comerciais, entrevistas e eventos diversos não deixa muito tempo para treinos e recondicionamento.
 
 
A diretoria do Remo decidiu, finalmente, levar a cabo o aproveitamento do terreno cedido pela prefeitura de Marituba. De graça, vale até injeção na testa e o clube não está em condições de esnobar oferta tão generosa. Segundo o presidente Sergio Cabeça, o projeto ainda está em fase de elaboração, mas vai sair do papel.  
 
 
O fato é inédito no Brasil e merece atenção do mercado boleiro. A Petrobras patrocina hoje a primeira transmissão de uma partida de futebol via Facebook. A página do canal Esporte Interativo exibirá, em tempo real, o segundo jogo da decisão da Supercopa da Espanha, entre Real Madri x Barcelona.
Durante a transmissão da partida, o internauta também poderá bater papo e fazer comentários em tempo real através de um chat. É a primeira tentativa de um grande anunciante de participar do link entre futebol e redes sociais. A partida entre Real Madrid x Barcelona poderá ser assistida pelo link https://www.facebook.com/#!/esporteinterativo.
O fato é que um novíssimo campo começa a se descortinar. E o público brasileiro, um dos mais presentes nas redes sociais, pode se transformar em excelente mercado para o marketing esportivo. 
 
 
Longe das lides futebolísticas desde que saiu do América-MG, o ex-delegado Antonio Lopes profere sentença que contraria esses tempos de supervalorização dos professores da bola: “Técnico não ganha jogo”.  

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta quarta-feira, 17)