Separatismo em debate na Unama, na terça-feira

Acontece na próxima terça-feira, 16, na Universidade da Amazônia, importante debate sobre a proposta de divisão territorial do Pará. O evento contará com a participação de especialistas da Unama, UFPA e Idesp, que abordarão as realidades regionais da capital e das mesorregiões sul-sudeste e oeste paraenses, partindo de variáveis econômicas, políticas, sociais, ambientais e culturais, como densidade demográfica, investimentos públicos e indicadores de saúde e educação. Um dos debatedores será o professor-doutor da Unama Carlos Augusto da Silva Souza, autor do estudo “Redivisão territorial no Estado do Pará: motivações políticas e impactos econômicos e sociais”. A pesquisa, de 2010 e 2011, reúne dados das administrações públicas estadual e federal, indicadores de desenvolvimento, Produto Interno Bruto (PIB), repasses da arrecadação municipal, consumo de energia, extensão territorial, densidade populacional e de transportes, dentre outros.

Fla de braços dados com Duracell e Gillette

O Flamengo anunciou nesta quinta-feira dois novos patrocinadores, Duracell e Gillette. Vai embolsar R$ 6,6 milhões anuais pelos dois contratos. Jornais italianos aproveitaram logo para tirar sarro com o significado mais chulo da palavra “gillette” no Brasil, quase um sinônimo de bissexualidade. O clube de Ronaldinho Dentuço, porém, não está nem aí para as insinuações.  

Te contar…

Coluna: Seleção em voo cego

Os insucessos deste primeiro ano sob o comando de Mano Menezes fizeram a CBF mudar drasticamente sua estratégia de preparação da Seleção Brasileira para a Copa do Mundo de 2014. Ao invés de embates com seleções de primeira linha, o escrete voltará à antiga rotina de amistosos inúteis contra representantes do Terceiro Mundo do futebol.
Ontem mesmo foram anunciados alguns dos próximos adversários e a lista é de fazer chorar. Gabão, Egito e Suíça, já confirmados, integram o chamado quarto escalão do futebol internacional, sem qualquer tradição de competitividade. São equipes sem estofo técnico para opor resistência mínima que seja ao selecionado brasileiro.
A conseqüência óbvia dessa mudança de rota é o desperdício de tempo de treinamento para o torneio que terá o Brasil como país-sede. Temos somente três anos até lá e o cenário não podia ser mais preocupante. Como não participará das eliminatórias, a Seleção depende exclusivamente da qualidade dos sparrings em amistosos para tentar estruturar um time competitivo.
Por ora, não há time pronto e a safra atual, visivelmente fraca, não permite ter otimismo quanto à revelação de craques no curto período até a Copa. Mano Menezes, cujo trabalho já é cornetado de Norte a Sul do país, assumiu o desafio de reestruturar o escrete depois da derrocada no Mundial 2010.
Como Dunga só tinha olhos para resultados imediatos, não se preocupou em levar jovens atletas, para ganhar experiência internacional. Com isso, o fracasso em gramados sul-africanos foi duplamente nocivo. Além de não levantar a taça, ainda desperdiçou excelente oportunidade de dar maturidade a garotos como Neymar e Paulo Henrique Ganso, que agora precisam ser forjados sob a cobrança natural da torcida.   
Há um ano, o discurso de Mano era o do enfrentamento com times qualificados. Avaliava, com lucidez, que só se engalfinhando contra os gigantes – Argentina, Espanha, Holanda, Alemanha e França – a nova Seleção poderia ganhar sustança necessária para entrar voando baixo na Copa.
Com os planos de vôo bruscamente alterados, Mano perde fôlego e passa à incômoda condição de interino, vivida por Dunga depois da Copa de 2006. Ao contrário do antecessor, porém, Mano não tem nem o consolo de competições que possam lhe assegurar sobrevida. Perdeu a Copa América, deixando péssima impressão, e dificilmente permanecerá no cargo até Copa das Confederações, um ano antes do mundial.
  
 
O dia é de comemoração para a nação botafoguense em todo o Brasil. Hoje, há 107 anos, o Botafogo de Futebol e Regatas era fundado, no Rio de Janeiro. A lembrança, sempre oportuna, é do ilustre alvinegro Pedro Paulo Mota, engenheiro agrônomo do quadro da Secretaria Federal da Agricultura.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta sexta-feira, 12) 

Os 107 anos do Glorioso

 
Do Blog Alvinegro Glorioso
 
Há exatos 107 anos, nascia um dos clubes mais importantes da história do futebol mundial: o Botafogo. Nasceu em uma aula de álgebra em 1904, quando Flávio Ramos passou um bilhete a Emmanuel Sodré sugerindo a fundação de um clube de futebol. No dia 12 de agosto de 1904, Flávio e Emmanuel fundaram o Electro Club com mais alguns amigos no Largo dos Leões.
O nome Electro Clube durou 1 mês. No dia 12 de setembro de 1904, a avó de Flávio Ramos se assutou com o nome dado ao time e disse:
– “Meu Deus. Que falta de imaginação! Ora, morando onde vocês moram, o clube só pode se chamar Botafogo.”
Ali nascia o BOTAFOGO FOOTBALL CLUB.
Todos sabem o que o Botafogo representa para o futebol mundial (até os rivais) e principalmente para o Brasil, que ganhou dois títulos mundiais com times formados por jogadores alvinegros em sua maioria. Isso sem falar queos maiores gênios do futebol brasileiro despontaram no Alvinegro Glorioso.
Para resumir o que é o Botafogo, cito a frase do imortal e botafoguense Armando Nogueira:
“O Botafogo não é um clube, é uma predestinação celestial. Seu símbolo é uma entidade divina. Feliz da criatura que tem por guia e emblema uma estrela. Por isso que o Botafogo está sempre no caminho certo. O caminho da luz. Feliz do clube que tem por escudo uma invenção de Deus.”
 
Não se escolhe torcer pelo Botafogo; o Botafogo escolhe você.