O adeus de Fernando Castro

Registro, com pesar, a morte do jornalista Fernando Castro Junior, na manhã desta terça-feira no Hospital Porto Dias, vitimado por uma recidiva de câncer. Aos 65 anos, incompletos, Fernando era colunista de turismo do DIÁRIO DO PARÁ e membro do conselho editorial do jornal. Estava na empresa há 24 anos, sempre com grande competência na apuração de notícias quanto na capacidade de agregar e fazer amigos. Era casado com a também jornalista Vera Castro, responsável por uma das mais tradicionais colunas sociais do jornalismo paraense. Nascido no Piauí, mas apaixonado pelo Pará, Fernando era um refinado gourmet, além de apreciador de bons vinhos. Presidiu a Paratur e assessorou a presidência do Banpará. Deixará saudades.

Anúncio em código estreia com vitória no vôlei

A dupla inglesa de vôlei de praia Zara Dampney, 24, e Shauna Mullin, 26, venceu na estreia do biquíni com patrocínio em código, nesta terça-feira. Elas derrotaram a dupla australiana Clancy e Hynes por 2 sets a 0 (parciais de 21/10, 21/13), em evento-teste para os Jogos de Londres-2012. 32ª dupla do ranking mundial estampou um código “QR” (Resposta Rápida, do inglês “Quick Response”) na parte de trás dos biquínis. O “QR” é uma espécie de código de barras lido por alguns telefones celulares (smartphones) que, quando fotografado, remete a uma página na internet. O patrocínio das campeãs britânicas é do site de apostas Betfair.

Sempre atento às inovações tecnológicas no esporte, o blog não poderia deixar de apresentar a esplendorosa dupla inglesa.  

A frase do dia

“Os velhacos pegaram o dinheiro e sumiram de vista. O mundo sabe que a Copa nunca será realizada em condições climáticas tão impossíveis e que, daqui a alguns anos, haverá uma nova votação e a China será a principal candidata”.

De Andrew Jennings, jornalista inglês, vaticinando que a Copa do Mundo de 2022 não será realizada no Catar. A conferir.

Histórias de um operário da notícia

Todo mundo está convidado a prestigiar esse primeiro lançamento da editora do DIÁRIO DO PARÁ. E não podia começar melhor. Ismael é um dos melhores repórteres em atividade no país e seu trabalho merece o registro definitivo em livro. Com prefácio do jornalista Ricardo Kotscho, será lançado neste sábado, 13, às 19h, o livro ‘Sujando os sapatos – O caminho diário da reportagem’, de Ismael Machado, repórter especial do DIÁRIO. O livro reúne reportagens publicadas no jornal nos últimos quatro anos.

O livro é patrocinado pelo DIÁRIO, por intermédio do diretor-presidente Jader Filho. O texto de ‘orelha’ do livro foi escrito por este escriba baionense, na condição de diretor de Redação do jornal, e há um texto introdutório do jornalista Lázaro Magalhães, editor de grande parte das reportagens inseridas na obra. O projeto gráfico é da designer Anna Leal. As reportagens do livro têm como cenários garimpos, aldeias indígenas, terras quilombolas, comunidades ribeirinhas, nas estradas e rios paraenses. Sempre dando voz aos esquecidos e excluídos.  

SERVIÇO:
Local e data: Instituto de Artes do Pará (IAP), praça Justo Chermont, próximo à Basílica de Nazaré dia 13 de agosto, a partir das 19h. Preço do exemplar: R$ 35,00.

Paissandu tem novidades para sábado

Juliano, meia, e Diogo Galvão, centroavante, serão relacionados para o banco de reservas do Paissandu no jogo de sábado contra o Luverdense. Cláudio Allax entra no time em lugar de Sidny, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Já na lateral esquerda, Jean pode substituir Fábio. (Com informações do repórter Michel Anderson, da RBA TV)

Atacante marca e Papão vence jogo-treino

Com um gol de Diogo Galvão, atacante que ainda não estreou pelo time principal, os reservas do Paissandu derrotaram o Bragantino, que se prepara para disputar a divisão de acesso ao Parazão 2011. O jogo-treino foi disputado nesta segunda-feira à tarde na Curuzu. As defesas levaram a melhor sobre os ataques, tornando o jogo muito truncado. Confusões envolvendo Jean e Jorge Felipe (PSC) e Lucas e Lulinha, do Bragantino, tumultuaram a partida.

Coluna: Em busca da dupla ideal

Nem bem cessaram os festejos pelo dramático triunfo sobre o Águia, o torcedor do Paissandu já começa a matutar sobre problemas que ainda comprometem o rendimento do time. E a formação do meio-campo é (de longe) o que mais preocupa.
Quando se fala de proteção à zaga, os volantes Rodrigo Pontes e Charles Vagner mostram-se à altura da missão. A complicação localiza-se um pouco mais à frente, no setor de criação. Tiago Potiguar, Luciano Henrique e Robinho são os armadores disponíveis, enquanto Juliano não se recupera plenamente. Roberto Fernandes tem, ainda, as opções de adiantar Sandro para a função e improvisar ali os laterais Fábio Gaúcho e Sidny.
Dos jogadores experimentados naquela faixa do campo, Robinho e Potiguar tiveram o melhor desempenho. Daí surgiu a pergunta mais ou menos óbvia: por que não potencializar a armação escalando-os de uma só vez, com o cuidado de manter um adiantado e outro atuando mais fixo?
As situações surgidas no jogo de domingo escancararam essa possibilidade, mas o técnico foi conservador e preferiu não efetivar a dupla. Potiguar, que atuava bem, saiu no começo do segundo tempo, aparentemente com uma crise de gastrite. Em função disso, Robinho o substituiu. Fernandes, com a mexida, deu a entender que vê o ex-jogador do Cametá como reserva imediato. Luciano Henrique é o outro titular de ligação.
O erro de avaliação pode estar justamente aí. Apesar da confiança que deposita em Luciano Henrique, o técnico bem que podia testar a alternativa Potiguar-Robinho. Ambos são habilidosos, ágeis e bons condutores, embora Robinho seja mais organizador que Potiguar, cujo talento no ataque não pode ser desperdiçado por nenhum time. 
Na liderança do grupo, Fernandes pode até se dar ao luxo de olhar para essa questão como um doce problema a ser resolvido. Talvez seja o momento oportuno para treinar a utilização da dupla de meias, afinal é sempre um bom negócio ter vários jogadores habilidosos no time. 
 
 
As ações esboçadas pela diretoria para atravessar o período sem competições oficiais até 2012 podem, de fato, tirar o Remo do atoleiro contábil em que se encontra há quase 10 anos. Tudo vai depender, obviamente, do comprometimento dos dirigentes com a execução das propostas em análise. A parceria para criar o centro de treinamento do Leão está em fase de negociação. Mais importante: o plano de explorar a área o Carrossel, com cessão em comodato, pode ser viabilizado nos próximos meses. Sem que o clube precise abrir mão do seu patrimônio.
 
Os gigantes europeus estão levando às últimas conseqüências a busca por futuros craques. Leonel, o garoto argentino de 7 anos, contratado pelo Real confirma esse processo paranóico inspirado em Lionel Messi, descoberto pelo Barcelona aos 13 anos. Nesse ritmo, logo veremos bebês sendo disputados pelos clubes ainda no berçário. Diabo é quem duvida. 

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta terça-feira, 9)