Decisão da Justiça baré ameaça Série D

O Tribunal de Justiça do Amazonas  determinou, hoje, a imediata inclusão do Fast Ulbra na Série D do Brasileirão na vaga do Nacional, escolhido pela Federação Amazonense de Futebol  para ocupar o lugar do Estado de Roraima, que desistiu do torneio. A decisão foi do Juiz João Marcelo Nogueira Moysés, em atendimento a solicitação do torcedor do Rolo Compressor, Marcos Túlio Cavalcante Costa. O julgador deferiu liminarmente o pedido de antecipação de tutela final de mérito do fastiano sob pena de multa de R$ 100 mil pelo descumprimento da ordem judicial.

O parecer exige da Confederação Brasileira de Futebol  que o Fast esteja entre os participantes da quarta divisão, que começa no sábado (16). “Em virtude da urgência, bem como considerando que a segunda requerida (CBF) é estabelecida fora desta Comarca, intime-se, via fax”, ordena o documento. A FAF e a CBF têm 15 dias para recorrer.

Marcos Túlio requereu a participação do Fast Ulbra na Série D do Brasileiro com base no Artigo 10, do Estatuto do Torcedor por considerar que a FAF não adotou critério técnico para indicar o Nacional. A FAF baseou a escolha no Ranking Nacional de Clubes (RNC). Pela classificação final do Estadual de 2010, o Penarol foi o campeão e primeiro indicado à competição, o Tricolor foi o vice-campeão e o Leão da Vila Municipal terminou em quarto lugar.

O Estatuto do Torcedor  diz que “é direito do torcedor que a participação das entidades de prática desportiva em competições organizadas pelas entidades seja exclusivamente em virtude de critério técnico previamente definido”. Para fins de esclarecimento, a lei especifica que o critério técnico é a habilitação de entidade de prática desportiva em razão de colocação obtida em competição anterior. É vedada a adoção de qualquer outro critério, especialmente o convite. (Fonte – Futebol do Norte)

Discursos diferentes no Paissandu

E continua a babel estabelecida no Paissandu… O técnico Roberto Fernandes afirma que está aguardando mais três reforços: um goleiro, um centroavante e um meia de ligação “de prestígio”. O presidente Luiz Omar Pinheiro fala exatamente o contrário: as contratações estão encerradas porque o clube “não tem mais dinheiro”. Faltou complementar que não há dinheiro para contratar e nem para quitar os salários de parte do elenco – atrasado há mais de dois meses. As diferenças de pensamento já haviam surgido em torno do amistoso com o Águia. Por ter sido o último a saber, Fernandes era contra, mas teve que aceitar o fato consumado, pois o presidente não concordou em cancelar. Será que o técnico perderá esse novo round?

Papão empata com Águia e torcida vaia

Paissandu e Águia foram quase iguais nos erros e acabaram justificando o empate pela contagem mínima, na noite desta segunda-feira, no estádio Edgard Proença. Héliton, o melhor jogador bicolor em campo, abriu o placar logo no começo, quando o Paissandu já dominava as ações. Time do Paissandu que entrou jogando: Fávaro; Allax, Wagner, Marcio Santos e Jean; Charles Vagner, Robinho, Rodrigo Pontes e Fábio; Luciano Henrique e Hélinton.

No segundo tempo, o time veio inteiramente mudado e no 3-5-2: Dida; Claudio, Diguinho, Jorge Felipe, Neto e Andrei; Alexandre, Sandro e Djalma; Juba e Tiago. O Paissandu voltou mandando no jogo e perdeu mais chances, com Sandro, Djalma e Juba. Num contra-ataque, Willian empatou para o Águia.

Do jogo-treino ficou a certeza de que os novos reforços precisarão de algum tempo para ganhar entrosamento, talvez só cheguem à condição ideal ao longo da Série C, o que é uma temeridade. Pelo que se viu em campo, Potiguar será titular nesse time com um pé nas costas. Claudio Allax, que errou algumas jogadas, não conseguiu substituir Sidny e foi o mais apupado pelos torcedores, que compareceram em pequeno número ao Mangueirão. Melhores da noite, pelo Paissandu: Héliton, Robinho, Luciano Henrique, Fábio e Rodrigo Pontes. (Fotos: MÁRIO QUADROS/Bola)