Rodrigo Dantas é o 5º reforço do Remo

Em verdadeira corrida contra o tempo para inscrever, até amanhã (prazo final estabelecido pela FPF), a diretoria do Remo fechou no começo da tarde o ciclo de contratações para a segunda metade do campeonato. Foi anunciado o atacante Rodrigo Dantas (foto), de 27 anos, ex-Marília (SP). Ele será inscrito junto com o meia Ratinho, o volante Moisés e os atacantes Finazzi e Jaílton. À Rádio Clube, o diretor Francisco Rosas disse que Rodrigo é o último jogador contratado para o Parazão. “O Rodrigo é uma indicação do Comelli (treinador) e de alguns outros técnicos que disputam a Série A2 do Paulista”, disse Rosas.

Quanto à contratação do atacante Finazzi, considerada de alto risco em função das condições físicas do jogador, será bancada por um grupo de empresários e colaboradores remistas. Eles assumiram o contrato firmado com o atleta, no valor de R$ 100 mil, válido até final do Parazão. A estimativa da comissão técnica do Remo é que Finazzi estará apto a estrear já no Re-Pa do returno.

Santa Cruz mostra a força da torcida

O São Paulo não resistiu ao Mundão do Arruda superlotado e caiu aos pés do Santa Cruz, que está na quarta divisão nacional. No total, a renda foi de quase 1 milhão de reais de renda, com mais de 46 mil torcedores no estádio recifense (R$ 943.070,00 – 46.681 pagantes). Rodrigo Souto, contra, fez o gol do Santa. Mais que o triunfo do Coral pernambucano, impressionam os números, muito superiores, por exemplo, ao que o Paissandu conseguiu diante do Bahia no Mangueirão, no mesmo dia e horário.

Remo apresenta hoje três reforços

O Remo apresenta nesta quinta-feira, às 17h, no estádio Evandro Almeida, os jogadores Ratinho, Moisés e Finazzi, reforços para o segundo turno do campeonato estadual. Os atletas já estão em Belém. Moisés é volante, de características ofensivas. Ratinho já defendeu o Remo, em 2009. E o centroavante Finazzi é aposta de risco, pois se recupera de lesão nas costelas.

O canto do adeus de um craque

blog do Gadelha traduziu essa preciosidade: a última coluna de Bob Herbert – sem dúvida, o mais liberal do velho “New York Times”. Herbert pontificou no jornal durante os últimos 18 anos. Seu artigo de despedida soa como um canto melancólico e certeiro do país que nasceu sob o signo da liberdade. 

Perdendo o rumo
Bob Herbert

Cá estamos despejando rios de dinheiro em outra guerra, dessa vez na Líbia, e, simultaneamente, demolindo os orçamentos escolares, fechando bibliotecas, demitindo professores e policiais e destruindo nossa qualidade de vida. Bem-vindo à América da segunda década do século 21. Um exército de trabalhadores permanentes desempregados por todo o país, consequências humanas da Grande Recessão e de longos anos de políticas econômicas mal planejadas. O otimismo está em baixa. Os poucos empregos criados muito frequentemente pagam uma ninharia, insuficiente para abrir as portas para um padrão classe média de vida.
Arthur Miller, ecoando o poeta Archibald MacLeish, gostava de dizer que a essência da América foram as suas perspectivas. Isso foi há muito tempo. A ganância sem limites, o poder desenfreado das corporações e uma dependência feroz de petróleo estrangeiro nos levaram a uma era de guerra perpétua e de declínio econômico. Os jovens de hoje estão diante de um futuro que será inferior ao dos mais velhos, uma reversão que deve chacoalhar todo mundo.
Os EUA não apenas se equivocaram em suas prioridades. Quando o país mais poderoso de todos os tempos mergulha facilmente no horror da guerra, mas torna quase impossível encontrar um trabalho digno para o seu povo ou oferecer educação de qualidade para seus jovens, é que já perdeu o rumo totalmente.
Cerca de 14 milhões de americanos estão desempregados e as perspectivas para muitos deles são desagradáveis. Uma vez que existe apenas um posto de trabalho disponível para cada cinco pessoas à procura de trabalho, quatro dos cinco se deram mal. Em vez de uma terra de oportunidades, os EUA são cada vez mais um lugar de expectativas limitadas. Um professor universitário em Washington me disse essa semana que alguns de seus graduados conseguiram emprego, mas sem ganhar bem, certamente não o suficiente para pensar em aumentar a família.
Há uma abundância de atividade econômica nos EUA, e muita riqueza. Mas, como crianças gulosas, as pessoas no topo estão pegando pra elas quase todas as “bolas de gude”. As desigualdades de renda e de riqueza chegaram a níveis que fariam corar o terceiro mundo. Como informou o Instituto de Política Econômica, os 10 por cento mais ricos dos americanos receberam injustos 100 por cento do crescimento médio da renda nos anos de 2000 a 2007, o período mais recente período de expansão econômica.
Os americanos comportam-se como se isso fosse algo normal ou aceitável. Não deve ser, e não costumava ser. Durante grande parte do pós-Segunda Guerra Mundial, a distribuição de renda era muito mais justa, com os 10 por cento das famílias do topo conquistando apenas um terço do crescimento médio da renda, e os 90 por cento da base recebendo dois terços. Isso agora é realmente coisa do passado.
A má distribuição da riqueza atual é escandalosa. Em 2009, os  5 por cento mais ricos pegaram 63,5 por cento da riqueza da nação. Enquanto a maioria esmagadora, os 80 por cento da base, pegou apenas 12,8 por cento.
Essa desigualdade, no qual um segmento enorme da população luta e uns poucos afortunados ficam no bem bom, é a receita para a agitação social. A mobilidade descendente é um fusível em curto, pronto para levar a graves consequências.
Um exemplo gritante dessa injustiça tão generalizada estava no título do The New York Times de sexta-feira: “Estratégias da GE permitem evitar impostos completamente.” Apesar dos lucros de 14,2 bilhões dólares – 5,1 bilhões dólares em suas operações nos Estados Unidos – a General Electric não teve que pagar qualquer imposto nos EUA no ano passado.
Como David Kocieniewski do Times escreveu: “O êxito extraordinário é baseado em uma estratégia agressiva que mistura forte lobby para benefícios fiscais com contabilidade inovadora que permite concentrar os seus lucros no exterior.”
A GE é a maior corporação do país. Seu principal executivo, Jeffrey Immelt, é o líder do Conselho sobre Emprego e Competitividade do presidente Barack Obama . Você pode imaginar como os trabalhadores devem olhar para este acolhedor arranjo governo-corporações e concluir que ele não está plenamente comprometido com os interesses do povo trabalhador.
Os profundos desequilíbrios entre riqueza e renda, inevitavelmente, levarão a enormes desequilíbrios de poder político. Assim, as corporações e os muito ricos continuam muito bem. A crise do emprego nunca é encarada. As guerras nunca terminam. E a construção da nação nunca tem apoio entre nós.
Novas idéias e novas lideranças nunca foram tão necessárias.

Esta é minha última coluna do The New York Times, após quase 18 emocionantes anos. Saio para escrever um livro e aumentar os meus esforços em nome dos trabalhadores, dos pobres e de outros que estão lutando em nossa sociedade. Agradeço a todos os leitores que foram tão bondosos comigo ao longo dos anos. Daqui pra frente posso ser encontrado através do e-mail bobherbert88@gmail.com.

Confronto teve público pagante de 14,6 mil

O jogo Paissandu x Bahia teve público pagante de 14.673  pessoas (público total de 16.487 espectadores), com renda de R$ 292.990,00. Descontadas as despesas de R$ 105.081,89, o Paissandu levou um saldo líquido de R$ 187.908,11. As informações foram disponibilizadas pela assessoria de imprensa da Federação Paraense de Futebol. (Foto: THIAGO ARAÚJO/Bola)

Tribuna do torcedor

Por Carlos Scardino (carlosscardino@gmail.com)

Quero expressar toda minha indignação aos dirigentes bicolores. O Paissandu não valoriza a Copa do Brasil. É uma vergonha ver um clube com tantos títulos importantes dar apenas dois chutes a gol durante todo o jogo. Time retranqueiro, medroso, isso já vem acontecendo desde os jogos do Parazão, que, todos hão de concordar, não é mesmo parâmetro para competições nacionais. Estou revoltado, muito P… Ah se me entrevistam ao vivo ontem na rampa…