Brasileiro: Globo fecha acordo com 13 clubes

O consórcio Rede Globo/CBF levou a melhor e fecha, nesta quarta-feira, contrato para transmissão dos jogos do Campeonato Brasileiro com 13 clubes da Primeira Divisão do futebol brasileiro: Flamengo, Botafogo, Fluminense, Vasco, Corinthians, Palmeiras, Santos, Goiás, Internacional, Grêmio, Vitória, Coritiba e Cruzeiro. Com isso, o Clube dos 13 na prática deixará de existir, conforme vontade explícita de Ricardo Teixeira.

A frase do dia

“Os jovens de hoje perderam toda a experiência de colocar os fones de ouvido, aumentar o volume, pegar a capa do disco, fechar os olhos e se perder em um álbum. [Eles perderam também] a beleza de pegar sua mesada e escolher um disco apenas pela capa sem saber como ele é. Pode anotar o que eu digo, a próxima geração vai parar para se perguntar o que foi que aconteceu. Foi uma época mágica. Odeio soar como um velho, mas eu sou. Steve Jobs é pessoalmente responsável por matar a indústria musical”.

De Jon Bon Jovi, músico, detonando o criador da Apple, Steve Jobs, pela revolução na área digital.

Leandro e Robinho acertam com o Paissandu

O Paissandu praticamente sacramentou a contratação dos dois melhores jogadores do Cametá: Leandro Cearense, artilheiro do Campeonato Paraense, e Robinho. Ambos teriam assinado pré-contrato com o bicampeão paraense, para a disputa do Campeonato Brasileiro da Série C. Leandro já havia sido oferecido ao clube depois da primeira fase do Parazão, mas o técnico Sérgio Cosme não demonstrou interesse. Robinho, 23 anos, é mineiro e tem sido figura fundamental na excelente campanha cametaense no primeiro turno. 

E o Vila Nova-GO está interessado no jovem volante Billy, do Paissandu. Conversas teriam sido iniciadas domingo à noite, depois do jogo entre Paissandu e Cametá. A indicação teria partido do próprio técnico Sérgio Cosme, que já foi auxiliar técnico do Vila Nova. Ao mesmo tempo, fontes do Paissandu revelam que o atacante Rafael Oliveira continua na mira do Atlético-MG, que já mandou emissário a Belém para observar o atacante.

Brasileiro terá clássicos estaduais na rodada final

A CBF decidiu enfrentar o problema dos jogos “de compadres”, verificado no Brasileiro 2010, e decidiu programar os clássicos regionais para a última rodada. Segundo o comunicado oficial, “atendendo a uma solicitação do presidente Ricardo Teixeira”, serão disputados “dez clássicos regionais na 38ª rodada, a última da competição”. Entre eles, porém, há Atlético-GO x América-MG e Bahia x Ceará. Os outros oito são todos clássicos estaduais como Palmeiras x Corinthians e Vasco x Flamengo. O torneio deste ano se estenderá de 21 de maio a 3 de dezembro. O desmembramento das rodadas, após acordo das emissoras de TV, com a programação detalhada entre sábados/domingos e quartas/quintas, ficou para o próximo dia 22.

1ª rodada
Palmeiras x Botafogo*
Santos x Inter
Flamengo x Avaí
Fluminense x São Paulo
Ceará x Vasco
América-MG x Bahia
Grêmio x Corinthians
Atlético-MG x Atlético-PR
Figueirense x Cruzeiro
Coritiba x Atlético-GO

(*) Obs.: O Palmeiras terá de cumprir a perda de um mando de campo na estreia por incidentes registrados ainda em 2010.

Última rodada
Corinthians x Palmeiras
São Paulo x Santos
Internacional x Grêmio
Cruzeiro x Atlético-MG
Atlético-GO x América-MG
Atlético-PR x Coritiba
Bahia x Ceará
Avaí x Figueirense
Botafogo x Fluminense
Vasco x Flamengo

Coluna: Um mapará remoso

Meu palpite era de vitória do Remo por placar insuficiente para se classificar às finais do turno. Fiquei no meio do caminho. O Cametá, com impressionante aproveitamento nos contragolpes, fez desmoronar no segundo tempo o esquema ofensivo de Paulo Comelli. O empate premiou a correta postura dos visitantes no 2º tempo. Ao invés de esperar a pressão remista pelo terceiro gol, resolveram explorar as brechas defensivas do adversário. Deu certo. Do lado azulino, faltou sustança e fibra para consolidar no tempo final o triunfo construído nos primeiros 45 minutos.
Como se esperava, foi um duelo interessante, com estratégias bem definidas e momentos eletrizantes. No primeiro período, o Remo dominou amplamente, estabeleceu 2 a 0 e poderia até ter feito o terceiro se contasse com um centroavante típico para explorar os diversos cruzamentos sobre a área. Na ausência desse especialista, optou pelo rodízio de meias e alas rondando a área adversária. Às vezes, até dá certo, mas vira um imenso problema quando há necessidade de goleada. 
Tiaguinho foi o grande nome no período inicial, entregando-se à batalha com disposição e técnica. Fez um golaço em cobrança de falta e comandou as ações no meio-campo. Tiago Marabá também tinha boa movimentação, Elsinho e Marlon cumpriam seu papel e a zaga se manteve atenta. Quando o primeiro tempo terminou, o Remo esbanjava confiança e parecia que o desafio estava bem perto de ser alcançado.
Talvez aí tenha havido o grande equívoco de Comelli. Era previsível que o Cametá iria ter espaço para contra-atacar. Diante disso, tornava-se obrigatório reforçar a cobertura da zaga. A casa começou a ruir logo de saída num ataque forte, de rápida troca de passes entre Robinho, Mocajuba e Leandro Cearense. Jailson marcou, complicando os planos azulinos.
Ainda havia tempo e condição para fazer os dois gols necessários para classificar, mas faltava fôlego. Com os laterais extenuados pela correria e os volantes Mael e San sobrecarregados, o esforço para atacar ficou comprometido pela ausência de combatividade na meia-cancha.
 
O Remo atacava, mas nunca conseguia ficar com a chamada segunda bola. Passava a prevalecer a barreira defensiva do Cametá, liderada por Wilson, que se manteve firme mesmo depois do penal no primeiro tempo. Mais à frente, Robinho controlava bem a saída e lançava todas para Leandro Cearense, sempre desmarcado, como já havia acontecido no primeiro confronto. O Remo já tinha Fininho e Ró, que substituíram Tiaguinho e Marabá, mas a construção das jogadas estava completamente destroçada. O time já vivia de ações individuais meio desesperadas. 
Quando ensaiava nova pressão, o Remo foi surpreendido pelo gol de empate, em contragolpe mortífero puxado por Leandro Cearense. Abalado e sem alternativas, o time abriu ainda mais a guarda. Com esforço, chegou ainda ao terceiro gol, em outro pênalti convertido por Morisco, mas Cearense liquidou todas as esperanças já nos instantes finais em lance idêntico ao do segundo gol. Moral da história: Cametá classificado, com a contagem final de 7 a 4. Goleada impiedosa, incontestável e justa.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta terça-feira, 15)