Remo derrota Águia no Baenão

Com um gol de San, escorando cruzamento, aos 3 minutos do segundo tempo, o Remo derrotou o Águia de Marabá na noite desta quarta-feira, no estádio Baenão. Com grande público presente, a equipe remista buscava se recuperar do tropeço em Cametá. Conseguiu isso na base do entusiasmo e de ações ofensivas conduzidas por Tiaguinho. Apesar das dificuldades no ataque, onde apenas Tiago Marabá concentrava as jogadas, a equipe foi superior ao Águia na maior parte do tempo. Do lado marabaense, o meia Fabrício atuou bem no primeiro tempo, desperdiçando três chances na área do Remo, mas caiu de produção na etapa final.

Aos 24 minutos do primeiro tempo, Patrick tocou para as redes, mas foi marcado impedimento. O técnico João Galvão e os jogadores do Águia reclamaram muito da anulação do lance. As imagens da televisão não esclareceram as dúvidas. Fininho e Diego Barros entraram no Remo no segundo tempo e a equipe teve maior volume de jogo, chegando perto de ampliar o marcador. (Fotos: MÁRIO QUADROS/Bola)

Tribuna do torcedor

Por Diogo Carlos Luz da Silva (diogotorcedor@gmail.com)

Parabéns, Papão!

Quero aproveitar esse respeitável espaço para homenagear o clube mais amado e vitorioso do Norte do Brasil, o meu glorioso Paissandu. Neste dia, em que o Papão completa 97 anos, quero desejar um ano de muitas vitórias e conquistas e que o grande presente, tão almejado por todos nós que fazemos parte da grande nação bicolor, venha no final deste ano: o acesso à Série B. Parabéns, meu amado e eterno CAMPEÃO DOS CAMPEÕES Paissandu Sport Club:, o campeão da década (2001-2010)!

Papão comemora 97 anos

O Paissandu comemora hoje 97 anos de existência. O clube foi fundado em 2 de fevereiro de 1914. A diretoria, em parceria com a Associação de Ex-Atletas e Amigos do Paysandu, realiza uma programação especial para festejar a data. Na sede da Torcida Raça Bicolor, na Curuzu, será oferecido ao torcedor um bolo gigante. Às 11h desta quarta-feira, será celebrada missa no estádio Leônidas Castro. Em seguida, será cantado o tradicional ‘Parabéns pra Você’, seguido do hino oficial do campeão dos campeões e recordista de títulos estaduais. Haverá, ainda, homenagem ao ex-presidente do clube, Giorgio Falangola, já falecido, com a participação de atletas e ex-atletas do clube, como Quarentinha, Beto, Vandick, Ércio e Robgol. (Foto: MÁRIO QUADROS/Bola)

Ricardo Gomes é o novo técnico do Vasco

Só falta assinar o contrato, mas o acordo já foi fechado e Ricardo Gomes será anunciado nas próximas horas como o novo técnico do Vasco. Ricardo Gomes volta a trabalhar seis meses após deixar o São Paulo, que levou à semifinal da Libertadores. Como jogador, Ricardo foi campeão brasileiro de 1984 numa decisão contra os vascaínos. Na carreira de treinador, Gomes levou o Juventude às quartas-de-final do Brasileiro de 2002, passou sem sucesso pelo Fluminense e pelo Flamengo em 2004, foi terceiro colocado do Brasileirão 2009 pelo São Paulo.

Morre o pai do célebre Caderno B

Do Blog do Noblat

Morreu, nesta terça-feira, aos 84 anos, em Brasília, o jornalista e poeta Reynaldo Jardim. Ele estava internado no Hospital do Coração e faleceu devido a um aneurisma na artéria aorta abdominal. Reynaldo era colunista do Diário da Manhã. Ele participou da reforma do Jornal do Brasil nos anos 50. E foi o criador do famoso Caderno B – além de ter reformulado o suplemento dominical do jornal.

Coluna: Ataque improvisado

Chegamos à terceira rodada e a disputa começa a ficar dramática para alguns times. É o caso do Remo, que, se quiser evitar sufoco mais à frente, precisa acumular pontos para não se distanciar da ponta da tabela. Por isso, o jogo de hoje contra o Águia no Baenão vem carimbado com a obrigatoriedade da vitória. E essa pressão sempre torna as coisas difíceis para um time em formação.

Mais ainda quando o ataque segue sob improvisação. Depois de contratar quatro centroavantes – Bruno Ricardo, Marcelo Soares, Wellington Silva, Max Jari –, o Remo acabou ficando somente com dois, Wellington e Jari, mas ambos ainda não estão prontos para entrar como titulares.

Vai daí que o técnico Paulo Comelli preferiu lançar mão do garoto Paulo André. Como já ocorreu com Jaime, o jovem atacante ganha chance ao lado de Tiago Marabá na dianteira remista, tentando injetar consistência e vigor ao setor mais problemático do time.

Além desse problema localizado, entra em cena também um dilema que atormenta o torcedor azulino. Qual o verdadeiro Remo, afinal? O da atuação convincente contra o São Raimundo ou o do empate meia-boca em Cametá, no último domingo? Dúvida cruel, que o confronto contra o Águia talvez não sirva para esclarecer.

Talvez não seja nem uma coisa, nem outra. O dinamismo e o apuro nos passes da estréia foram substituídos por lentidão na saída de bola e nenhuma inspiração nas articulações de jogadas. Em Cametá, o Remo lembrou aquele dos tempos de Giba, acanhado e burocrático, que tinha receio até de olhar para os lados.

Sim, é verdade que o campo enlameado afetou mais a equipe, cujos trunfos são as inversões de posicionamento e a velocidade, mas não explica por completo o mau rendimento. É inegável que o espírito e a disposição da partida inicial não apareceram em nenhum momento. No meio-de-campo, Mael finalmente entra jogando, depois de duas boas participações, tanto no Baenão quanto no Parque do Bacurau. O goleiro Lopes é a outra novidade.  

No Águia, que ainda não venceu, João Galvão nem disfarça: a grande aposta é Fabrício. O trabalho de criação estará sob sua responsabilidade. No empate com o São Raimundo, o ex-bicolor não rendeu o esperado numa noite em que todo mundo ficou devendo. Principal contratação para o campeonato, a habilidade de Fabrício nos lançamentos pode facilitar a vida dos atacantes Patrick e Torrô contra a pesada zaga remista. 

————————————————————————————————–

Remo e Paissandu vivem a se imitar, tanto nos acertos quanto nas falhas. Bastou Mendes mostrar qualidades em Tucuruí, coincidindo com o aperreio do Remo em Cametá, para a diretoria azulina se lançar novamente na busca por um artilheiro medalhado. Até o veterano Rodrigão, que já havia sido descartado, voltou a ser lembrado. Outro que interessa, apesar do custo, é Marcelo Nicácio. 

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta quarta-feira, 2)