Remo deve anunciar Rafael e Fininho

A diretoria do Remo planeja apresentar na quinta-feira, como reforços para 2011, os meias Rafael Oliveira (Ananindeua) e Fininho (Tuna). Ambos são os destaques desta primeira fase do Campeonato Paraense. Fininho, empresariado por Flávio Goiano, estava também na mira do Paissandu, mas teria firmado acordo com o Remo ganhando cerca de R$ 12 mil.

PEC do Diploma fica para o próximo ano

Da Agência Câmara

A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que restabelece a obrigatoriedade do diploma de jornalismo para o exercício da profissão deverá ser analisada pelo plenário da Câmara só em 2011. Apesar de ter sido aprovada pela comissão especial em julho deste ano, a matéria não entrou na pauta do plenário. Para ser aprovada, a proposta precisa do voto favorável de 3/5 dos deputados (308) em dois turnos. Em seguida, ela será analisada pelo Senado, onde há outra PEC sobre o mesmo assunto. Essa proposta poderia ser votada na noite de terça-feira pelos senadores.

O relator da PEC na comissão especial, deputado Hugo Leal (PSC-RJ), disse que a votação ocorreu de maneira rápida, mas todos os setores envolvidos foram ouvidos, mesmo aqueles que não compareceram às audiências públicas. O texto aprovado pela comissão especial é um substitutivo do relator à PEC original, do deputado Paulo Pimenta (PT-RS). De acordo com o substitutivo, a exigência de graduação em jornalismo e o registro do diploma nos órgãos competentes deixam de ser considerados restrição às liberdades de pensamento e de informação. Em 2009, o STF (Supremo Tribunal Federal) derrubou a necessidade do diploma, argumentando que restringia a liberdade de expressão.

Para evitar novas interpretações semelhantes às do Supremo, Leall incluiu na PEC uma referência expressa ao inciso 13 do artigo 5° da Constituição Federal. Esse dispositivo determina que é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer. A deputada Rebecca Garcia (PP-AM), que integrou a comissão especial que analisou a PEC, considera essencial o diploma para o exercício da profissão. Para a parlamentar, é necessária a especialização obtida por meio do curso de jornalismo. Em sua opinião, o diploma não restringe a liberdade de expressão, como interpretou o STF.

“Em momento algum, exigir o diploma do jornalista para o exercício da profissão vai interferir na liberdade de expressão dos veículos de comunicação. Todo jornal, por exemplo, tem o caderno de opinião reservado para isso. Há os colaboradores, os articulistas, que colocam ali as suas ideias, os seus pensamentos, sem que haja interferência e sem a necessidade de diploma. Agora, para exercer a profissão de jornalista, nós entendemos que, assim como qualquer outra profissão, é necessário um diploma.” A deputada destacou que o jornalismo brasileiro tem hoje profissionais com mestrado e doutorado na área. Em sua opinião, se uma empresa, jornalística ou não, contrata uma pessoa sem qualificação, abre mão da especialização, que é essencial para o bom exercício da profissão.

A frase certeira

“Não tem como não ficar triste com toda essa situação complicada. Eu tenho uma longa carreira, passei por muitas alegrias e tristezas. E vejo o mesmo erro se repetindo no Palmeiras por anos e anos. É muita divisão. E começa lá em cima e repercute no time. Quem perde a eleição fica trabalhando contra. Não quer que a pessoa no poder consiga sucesso. Muita gente não pensa no clube. Pensa na própria vaidade e em não deixar o outro ter sucesso. Por isso o Palmeiras parou de ganhar. Pode ver que passaram por lá os melhores treinadores do Brasil: Luxemburgo, Muricy e agora o Felipão. É difícil demais trabalhar assim. Pode colocar o técnico que for”.

De Marcos, goleiro do Palmeiras, desalentado com a crise que assola o clube.

Meus 15 filmes da década

Como 2010 se aproxima velozmente do fim, fechando uma década pródiga em bons filmes, apresento minha lista particular de 15 obras do cinema que ficaram grudados para sempre na minha memória de 2000 para cá. Uns são absolutamente óbvios, outros têm mais a ver com o coração tropical deste escriba baionense. E alguns ainda estão diretamente ligados a uma certa mirada infantil, influenciado pelos gostos do infante João, que veio ao mundo em 2001. Espero que curtam este inventário e contribuam com opiniões, críticas e – claro – suas próprias escolhas.

01) Sideways – Entre Umas e Outras, Alexander Payne (2004)

02) Quase Famosos, de Cameron Crowe (2000)

03) Toy Story 3,  Ang Lee (2010)

04) Onde os Fracos Não Tem Vez, Irmãos Coen (2007) (crítica)

05) A Vida dos Outros, Florian H. von Donnersmarck (2006)

06) Estão Todos Bem, Kirk Jones (2009)

07) Sangue Negro, Paul Thomas Anderson (2007) (crítica)

08) Closer, Mike Nichols (2004) (crítica)

09) O Segredo dos Seus Olhos, Campanella  (2009) (crítica)

10) Encontros e Desencontros, Sofia Coppola (2003)

11) À Prova da Morte, Quentin Tarantino (2007) (crítica)

12) Intrigas de Estado, Kevin McDonald (2009) 

13) Eu Tu Eles, Andrucha Waddington (2000)

14) Procurando Nemo, Andrew Stanton (2003)

15) Apaloosa, Ed Harris (2008)

Cabra bom não se dobra aos donos do mundo

Julian Assange comentou ontem em entrevista ao “El País”, com evidente simpatia, o apoio público de Lula. Ressalvou, porém, que o presidente faz isso provavelmente porque está deixando o poder e não precisa mais render obediência aos Estados Unidos. Ledo engano do fundador do site WikiLeaks, desinformado sobre o nosso metalúrgico velho de guerra. Ao longo dos oito anos de mandato, Lula governou o Brasil sem jamais se curvar aos ditames dos EUA, como Fernando Henrique, Sarney, Itamar, Collor e a milicada toda. Deu opiniões, tomou atitudes e agiu com admirável independência tendo a coragem de apoiar publicamente Cuba, Venezuela e Irã, espinhas atravessadas na garganta do Tio Sam. Nenhum outro presidente latino-americano teve cojones para tal até hoje. Lula não foi lambe-botas, nem vaquinha de presépio. O povo, em sua infinita sabedora, sabe disso. Por isso, concede-lhe a homenagem justa de 87% de aprovação. Nunca antes, na história deste país, um presidente foi tão bem avaliado. A oposição tacanha e míope nunca conseguiu entendê-lo e, por isso, vive a distribuir coices de pangaré. Vai morrer resfolegando e proferindo sandices. Deveria ter aproveitado para aprender como se faz.

Lopes será o goleiro remista em 2011

O Remo apresentou hoje o goleiro Lopes, ex-Botafogo, como nono reforço contratado para a temporada 2011. A indicação é do técnico Paulo Comelli. Lopes (foto) tem 27 anos, teve boa passagem pelo Ceará há dois anos e ultimamente defendeu o Duque de Caxias na Série B. Por outro lado, dirigentes revelam que o atacante Rafael Oliveira se apresenta na próxima quinta-feira. Rafael defende o Ananindeua na primeira fase do Parazão. Uma outra contratação que pode ser anunciada ainda nesta semana é a do veterano meia-atacante Rogério Belém, que vem se destacando nos treinos e deixou boa impressão na comissão técnica. (Foto: NEY MARCONDES/Bola)