Lula e o povo

Por Kennedy Alencar, da Folha de SP

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva intensificou o ritmo de viagens pelo Brasil no último mês de governo. As despedidas ao estilo Silvio Caldas têm sido criticadas. Para alguns, Lula estaria quebrando a liturgia do cargo, comportando-se como um caudilho que não consegue suportar a perda das mordomias presidenciais. Na opinião de outros, ele seria emotivo demais para um cargo que exigiria maior compostura. Fala-se até em desrespeito institucional.

São críticas injustas. Mais uma vez, o presidente é subestimado. Atribuem a ele intenções menores, como se o contato com a população fosse uma manipulação e não um sentimento real. Ora, Lula é um presidente com uma trajetória pessoal e política diferente dos que governaram antes. É o primeiro metalúrgico eleito para comandar o país. Não esconde que é emotivo, chorão. Fala que governa com o coração. Nunca quis se comportar como um intelectual ou um lorde na Presidência.

Nos dias 13 e 14 de dezembro, em viagem ao Ceará, Paraíba e Pernambuco, Lula fez discursos e gestos civilizadores do ponto de vista político.
Em Missão Velha (CE), falou para uma multidão que aguardava sua chegada numa estação de trem. Ele havia andado no vagão de passageiros VIPs da ferrovia Transnordestina. Encontrou homens e mulheres sorrindo e chorando ao ver um presidente com o qual se identificavam. No característico estilo informal, deixou o discurso escrito de lado e improvisou. Disse que os nordestinos tinham o direito de ambicionar ser mais do que serventes de pedreiro em São Paulo. Subiu o tom de voz para afirmar que podiam sonhar em ser médicos, arquitetos, advogados. Retratava a sua própria história. Desceu do palanque e foi abraçar, beijar e tirar foto com quem quisesse.

Na visita a São José de Piranhas (PB), andou dentro de um túnel que está no começo da construção. Quando ficar pronta, em 2012, a obra servirá de leito à transposição das águas do rio São Francisco. Terá 15 quilômetros. Informado de que um grupo aparecera fora do roteiro, ele, mesmo atrasado, foi falar com cerca de 100 pessoas _a maioria funcionários da obra e seus familiares. Um adolescente veio com o pai e a mãe de João Pessoa (horas de carro em estrada ruim) para conhecer o presidente. Os dois se abraçaram e choraram. Lula discursou sobre a emoção de um “filho de dona Lindu” executar algo que o imperador Pedro 2º sonhara realizar. Mais uma vez, repetiu que as mudanças inegáveis no Nordeste, região que tem crescido acima da média nacional, criaram oportunidades para melhorar de vida de todos ali. Incentivou nordestinos a ter orgulho de sua origem. Reconheceu que faltava muito por fazer, mas que todos deveriam ajudar Dilma Rousseff a fazer mais e melhor. Disse que, fora da Presidência, gostaria de voltar ali e participar da inauguração do canal.

Nesse mesmo dia, em Salgueiro (PE), numa tarde com 38ºC, entregou títulos de propriedade a famílias que serão reassentadas numa área rural beneficiada pela transposição. O discurso das outras solenidades se repetiu em linhas gerais, mas despertou atenção uma conversa entre uma moça e o presidente ao final, quando ele tradicionalmente desce do palanque para atender aos pedidos de fotos, beijos e abraços. Sem os incisivos superiores, ela pediu a Lula que lhe arrumasse os dentes. Quando um repórter se aproximou, ela fechou a boca. Passou a falar com Lula aos murmúrios. Olhos marejados, o presidente chamou o prefeito da cidade. Perguntou se ele havia recebido verba do programa “Brasil Sorridente”. O prefeito disse que sim.

O presidente pediu, então, que o prefeito cuidasse pessoalmente do caso da moça, que ele iria acompanhar mesmo depois de sair do Palácio do Planalto. Virou-se para ela e deixou claro que não seria preciso pagar nada. Repetiu que era um direito dela e que ela fazia muito bem em querer colocar dentes novos, para ficar mais bonita. Despediram-se com um beijo e um abraço daqueles de urso que Lula costuma dar. Ela se afastou e sorriu. O repórter quis saber seu nome. Envergonhada, ela tapou a boca e disse que não queria conversa. Antes de entrar no carro para outro ato, Lula falou com Júlio Bersot, assessor que pega todos os bilhetes e pedidos nos eventos. Pediu que acompanhasse o caso da moça e que cobrasse o prefeito.

Nesses dois dias, Lula discursou e chorou muito. Não consta que tenha dito algo impróprio para um presidente com a sua biografia.

Digam o que disserem os intolerantes de carteirinha, mas Lula dignifica o cargo de presidente, aproximando-o do povo. A História lhe fará justiça, o povo já o consagrou. Cabra bom.

Castanhal mantém 1° lugar na tabela do Parazão

A penúltima rodada da primeira fase do campeonato estadual começou na manhã deste domingo com três jogos. No estádio Evandro Almeida, o Ananindeua bateu o Parauapebas por 4 a 2. Na Curuzu, pelo mesmo placar, o Castanhal derrotou o lanterna Time Negra. No Souza, a Tuna venceu o Abaeté por 1 a 0, gol de Fabinho. O jogo da tarde é Santa Rosa e Sport, na Curuzu. Na classificação desta etapa, o Castanhal isolou-se em primeiro lugar, com 13 pontos, seguido do Ananindeua, com 12, e Tuna, também com 12. A Tartaruga está à frente no critério de desempate (saldo de gols superior). Abaeté segue com 9 pontos e Parauapebas permanece com 8 pontos. Os dois times se enfrentam na próxima rodada, marcada para quarta-feira. A Tuna vai a Mãe do Rio jogar contra o Santa Rosa, o Castanhal recebe o Sport e o Ananindeua enfrenta o Time Negra.

Tribuna do torcedor

Por Nelson Junior (nelsoncb_jr@hotmail.com)

Esse nosso presidente é um palhaço mesmo. Dizer que Ari era sonho de consumo é piada de fim de ano, sem falar nas outras contratações. Já estou com medo de 2011 para o Papão… Os turistas do Rio já estão chegando para a festa de fim de ano pagas pelo Paissandu.

A frase do dia

“Esse é o padrão do Inter. Na semifinal tivemos esse padrão e não convertemos. Ese foi o padrão na Libertaodres, contra o Chivas, contra o São Paulo. Eu, quando comecei a entrevitsa disse que hoje não gostei da equipe. Fomos mais firmes contra o Mazembe, Hoje a equipe coreana, com todo respieto, nos facilitou. Obviamente trabalhar no Internacional é uma honra, uma grandeza. Se tiver a oprtunidade de continuar, continuarei. Ainda mais com as pessoas que estão me cercando”.

De Celso Roth, técnico do Internacional, depois da conquista do terceiro lugar no Mundial de Clubes.  

Coluna: Uma ideia em construção

Ananindeua e Parauapebas devem fazer um dos jogos mais duros da penúltima rodada da primeira fase do Parazão, hoje, no Baenão. As forças se equivalem e qualquer resultado pode ser considerado normal. Mas, caso não passe à etapa principal, pode-se dizer que o time caçula da competição terá cumprido boa parte de seu plano de consolidação.
Depois de um mau começo em 2009, fracassando na Segundinha, o Parauapebas (PFC) conseguiu arrumar a casa a partir da chegada de Paulinho Oliveira. Com a experiência de campanhas memoráveis no Paissandu, na Copa dos Campeões e Libertadores, assumiu o departamento de futebol e foi logo chamando Samuel Cândido.
Para montar a equipe, a saída mais prática foi recrutar a base do Independente de Tucuruí, além de duas revelações locais, o goleiro Rogério e o lateral Paraná. Jairo, Bruno e Cristiano Tiririca, que defenderam o Paissandu na Primeira Divisão (entre 2000 e 2004), foram acrescidos ao grupo. Como o Nordeste voltou a ser um mercado atraente e barato para os clubes locais, o PFC foi buscar Murilo, Claudio Ribeiro e Samir.
Para a preparação física, foi contratado Fernando Silva. O treinador de goleiros é Mário Fernando e o de zagueiros é Mauro Cesar.
Com bom trânsito junto ao Flamengo, Paulinho agregou a consultoria à distância do fisiologista Paulo Figueiredo, do Flamengo, e de Serafim Borges, que chefia o departamento de medicina desportiva e cardiológica da Seleção Brasileira.
Além disso, atestando a seriedade do projeto, o PFC dispõe de centro de treinamento com três campos, sala de musculação, piscina, alojamento de jogadores e completo departamento médico. A intenção é fazer em cinco anos o clube se tornar uma referência não só do interior, mas do próprio futebol paraense. Os recursos disponíveis e o planejamento adequado indicam tornam a ambiciosa meta possível.
Na seletiva, os resultados foram animadores e o PFC se classificou sem dificuldades, ao lado do Abaeté. A primeira fase trouxe um grau de dificuldade maior, mas a campanha é satisfatória, com oito pontos ganhos em cinco partidas. Em quinto na classificação, está a apenas dois pontos do líder Castanhal e em condições de obter a vaga.
Parauapebas é um dos municípios mais prósperos do Estado, ostentando o segundo maior PIB per capita paraense e um dos mais expressivos do Brasil. Faltava-lhe, porém, um projeto esportivo sólido e de longo curso. O PFC nasceu para preencher essa carência.
 
 
O anúncio dos quatro reforços feito pelo Paissandu na sexta-feira não foi suficiente para alterar o sentimento da torcida em relação ao novo time. O pessimismo domina a galera, ainda ressabiada pela derrota para o Salgueiro e desconfiada dos planos de grandeza do presidente reeleito. Essa descrença redobra o peso da responsabilidade de Sérgio Cosme. 

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO deste domingo, 19) 

Juiz suspende exame da OAB porque o filho foi reprovado quatro vezes

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) vai ingressar na Justiça com pedido de suspeição do desembargador Vladimir Souza Carvalho. O caso é incrível: ele concedeu liminar (decisão provisória) na última terça-feira (13), que declarou inconstitucional e suspendeu o exame da Ordem em todo o país. Na decisão, ele entendeu que a exigência de aprovação no exame para exercício da profissão fere o princípio da isonomia. O presidente explicou que a OAB-SE constatou que um filho do desembargador já foi reprovado no exame da Ordem quatro vezes. “O filho é bacharel, se inscreve todas as vezes na OAB de Sergipe. A família é conhecida no estado”, disse Ophir Cavalcanti, presidente da OAB. Em resumo: mordido porque o filho não passa no exame, Sua Excelência decidiu acabar com o problema e resolveu extinguir o exame da Ordem!

“A OAB lá em Sergipe vai fazer um agravo regimental e pedir a suspeição do desembargador. Aqui em Brasília também, vamos entrar com medida cautelar no Supremo Tribunal Federal”, afirmou Cavalcante. Segundo ele, a OAB trabalha com a expectativa de protocolar os pedidos tanto em Brasília quanto em Sergipe na próxima segunda-feira (20). A assessoria do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, no Recife, informou que o desembargador não vai dar declarações sobre o assunto. Segundo a assessoria, ele vai se manifestar somente por meio dos autos. (Do G1)

Esta é a Justiça que o Brasil tem, sem estofo moral (salvo exceções) para julgar ninguém. Como confiar?