A pedido de tucano, Justiça censura blog

Por João Carlos Magalhães/Folhapress

A pedido da coligação do candidato a governador Simão Jatene (PSDB), a Justiça Eleitoral do Pará mandou uma jornalista apagar de seu blog um texto sobre uma pesquisa eleitoral no Estado. O texto, segundo a autora Franssinete Florenzano, tinha cinco linhas e comentava pesquisa interna do PT, na qual o ex-governador Jatene supostamente aparece em empate técnico com a atual governadora, Ana Júlia Carepa (PT).
De acordo com a decisão, a pesquisa não poderia ser divulgada, por não ter sido registrada na Justiça Eleitoral. A condenação, em caráter liminar, gerou repercussão no Twitter. Para a jornalista, o que ocorreu foi uma censura.
“Por que [a coligação] não usou, por exemplo, do direito de resposta? Optou pela mordaça”, disse Florenzano, em seu site. A jornalista, que também é advogada, cita no texto falhas processuais da ação. Ela recorrerá da decisão.
Orly Bezerra, marqueteiro de Jatene, negou que a candidatura tenha censurado o blog, e sim que pediu o cumprimento da lei. “Imagine se todo mundo começa a publicar pesquisas não registradas? Os blogs podem ter a opinião que quiserem. Mas estão sujeitos à legislação”, afirmou.

A coisa está começando a sair de controle. Os partidos procuram censurar toda notícia que não é de seus interesses. Mordaça, não. Contrário a qualquer forma de censura, o escriba baionense manifesta total solidariedade à jornalista Franssinete Florenzano.

Flamengo apresenta novos reforços

O Flamengo enxergou na Turquia e na Grécia a solução para a escassez de gols do ataque rubro-negro. Pelo menos é uma tentativa animadora. Nesta segunda-feira, a presidente Patrícia Amorim, o diretor-executivo de futebol do clube, Zico, e o vice de futebol, Vinícius França, apresentaram Deivid e Diogo, no salão nobre da Gávea. Homens de frente para um time que nos últimos oito jogos só fez quatro gols (dois de pênalti). A mandatária se referiu aos atletas como grandes reforços, enquanto Zico destacou o esforço do clube para concretizar as negociações. Agora, segundo o Galinho, a bola está com eles. (Do G1)

Wood reúne time de craques em disco solo

Ronnie Wood, guitarrista dos Rolling Stones e ex-Faces, recrutou artistas como Eddie Vedder (Pearl Jam), o também guitarrista Slash (ex-Guns ‘N’ Roses) e o baixista Flea (Red Hot Chili Peppers) para participarem de seu novo álbum solo, “I feel like playing”. As informações são do site “Spinner”. Com lançamento previsto para 27 de setembro, o disco (detalhe da capa ao lado) trará 12 faixas e vai contar ainda com as colaborações dp cantor Kris Kristofferson, do guitarrista Billy Gibbons (ZZ Top), o tecladista Ian McLagan (companheiro de Wood no Faces) e do cantor soul Bobby Womack.

O projeto foi coproduzido por Bob Rock e sai pelo selo Eagle Records. “Eles entenderam exatamente o que eu precisava para gravar o álbum e vão me dar o empurrãozinho necessário, tanto no Reino Unido quanto no mercado internacional”, declarou Wood sobre o selo. Uma prévia de “I feel like playing” está no site oficial do músico. É possível ouvir a faixa “Thing about you”, cantada por Wood em cima de uma cozinha roqueira formidável.

Recomendo. 

Lula enche a bola do Peixe por manter craques

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva elogiou a “atitude corajosa” do Santos ao se encontrar nesta segunda (23) com os jogadores Paulo Henrique Ganso e Neymar em um hotel em São Paulo. Lula se referia à proposta que o clube fez para Neymar, que permitiu manter o jogador no Brasil. Neymar tinha oferta do Chelsea, da Inglaterra, mas escolheu ficar no Santos.

“Foi uma atitude corajosa de um presidente de um clube que tem jogadores imprescindíveis como Neymar e Ganso, e o time brigou para que eles ficassem aqui. Não é fácil convencer dois meninos a ficar, convencer gente a abrir mão de 30 milhões de euros”, declarou. Segundo ele, os dois são “artistas do futebol” e, por esse motivo, merecem bons salários. (Do G1)

Cabra bom esse Lula… vou te contar.

Carabina, ex-técnico do Remo, morre na Bahia

O ex-zagueiro Valdemar Carabina, um dos grandes ídolos da história do Palmeiras e ex-técnico do Remo por três oportunidades, morreu no início da noite de domingo, em Salvador, na Bahia. O ex-jogador estava com 78 anos e desde 2005 sofria com o Mal de Alzheimer. Formado nas categorias de base do clube do Palestra Itália, Valdemar Carabina foi uma das maiores revelações da equipe. No juvenil, suas atuações logo chamaram a atenção do técnico Claudio Cardoso que o levou para o time principal.

No dia 16 de maio de 1954, fez a sua estreia no time profissional do Palmeiras, no clássico diante do São Paulo, no estádio do Pacaembu, pelo Torneio Rio São Paulo. Na ocasião, a vitória foi palmeirense por 1 a 0. Valdemar defendeu o Palmeiras por 12 anos e foi o titular da zaga na equipe mais fantástica da história do clube, batizada como “Academia de Futebol”, em 1965.

Naquela época, todo o elenco alviverde vestiu a camisa amarela da Seleção Brasileira e venceu o Uruguai por 3 a 0, na inauguração do estádio do Mineirão. Carabina foi três vezes Campeão Paulista: em 1959, 1963 e 1966, além da Taça Brasil de 1960 e do Torneio Rio-São Paulo de 1965. Pela Seleção, disputou duas partidas oficiais. Depois de encerrar a carreira, ainda chegou a ser técnico do Palmeiras em 1987 e treinou vários outros clubes brasileiros, entre os quais Santa Cruz, Bahia e Náutico.

Além de breve passagem pelo Paissandu, Carabina comandou o Remo em três ocasiões, tendo sindo o comandante de um dos times mais fortes que o clube teve até hoje, que tinha o zagueiro Belterra, o volante Agnaldo, o atacante Luciano Viana e o meio-campo Artur Oliveira. Com essa base, Carabina conquistou, de maneira invicta, o Campeonato Paraense de 1991. Um ano depois, Carabina levou os azulinos à Série A.

Teve participação também em sete dos 33 jogos do célebre tabu do Remo sobre o Paissandu. No Evandro Almeida, Carabina até hoje é lembrado com carinho, pelo estilo paizão de lidar com os jogadores e as histórias engraçadas, sempre relacionadas com seu forte sotaque paulistano. (Com informações da ESPN e Ferreira da Costa)

Na reprodução acima, da antiga revista oficial do Palmeiras, Carabina é o de bigodinho, à esquerda. Era um dos ídolos do time que entrou para a história como “Academia” nos anos 60.

Série D: Remo em 5º na classificação geral

O Mixto-MT, um dos possíveis adversários do Remo na sequência da Série D, é o líder geral da classificação entre os 20 clubes classificados à segunda fase da competição. Treinado por Luís Carlos Barbieri, ex-técnico do Paissandu, o representante matogrossense vai enfrentar o América-AM no primeiro mata-mata. Quem vencer pegará o vencedor do cruzamento entre Remo x Vila Aurora-MT. O Remo é o quinto colocado e o Vila Aurora é o 7º. Atenção para os 10 primeiros na classificação por índice técnico e o percentual de aproveitamento no campeonato:

1º Mixto-MT, 16 pontos, 5 vitórias, 13 GP – 88%  

2º CSA-AL, 15 pontos, 5 vitórias, 13 GP – 83%

3º Uberaba-MG, 13 pontos, 4 V, 18 GP – 72%

4º Treze-PB, 12 pontos, 4 V, 10 GP – 66%

5º Remo, 11 pontos, 3 V, 9 GP – 61%

6º Metropolitano-SC, 11 pts., 3 V, 9 GP – 61%

7º Vila Aurora-MT, 11 pts., 3 V, 8 GP – 61%

8º Joinville-SC, 11 pts., 3 V, 7 GP – 61%

9º Santa Cruz, 11 pts., 3 V, 6 GP – 61%

10º Rio Branco-ES, 10 pts., 3 V, 14 GP – 55%

O Remo enfrentará o Vila Aurora em duas partidas. A primeira será no dia 5 de setembro, no Mato Grosso, e a volta acontecerá no Mangueirão, no dia 12.

Coluna: Apagão preocupante

Em termos de posicionamento na tabela, o Paissandu pouco perdeu com o resultado de ontem. Continua absoluto no grupo e dificilmente será ultrapassado. O problema está na minhoca plantada na cabeça do torcedor, que compareceu em massa ao Mangueirão e proporcionou uma das maiores platéias da rodada deste domingo no Brasil.
A desconfiança vem do fato de o Paissandu, mesmo invicto na Série C e praticamente classificado, cair de produção na parte final dos jogos. E a decadência não é somente física, mas técnica também. O time parece apostar tudo nos primeiros 45 minutos.
Na segunda metade, a equipe arrefece e permite o crescimento dos adversários. Foi assim em Fortaleza, há duas semanas, quando cedeu o empate nos instantes finais. A situação se repetiu em Santarém, domingo passado, quando o S. Raimundo perdeu o jogo, mas deu sufoco durante todo o segundo tempo.
O quadro se reapresentou ontem, embora não se possa dizer que o Paissandu deu um passeio na primeira etapa. Foi superior, principalmente pela costumeira vantagem que Tiago Potiguar leva sobre as defesas inimigas, mas levou alguns sustos também.
Antes mesmo do gol de Paulão, escorando passe perfeito de Potiguar, o Fortaleza havia chegado com perigo. Mas as melhores jogadas eram alvicelestes. O placar teria sido mais folgado, se Bruno Rangel e Marquinhos não desperdiçassem chances diante do goleiro cearense.  
Tudo mudou (para pior) no segundo tempo, quando o Fortaleza partiu decidido para empatar e pôs Rinaldo em campo. Ao lado de Finazzi, produziu várias manobras e ajudou a acuar o meio-campo bicolor. Como em Santarém, o Paissandu limitou-se a esperar brechas para contra-atacar e praticamente abriu mão de pressionar e impor seu jogo.
O empate veio mais pela insistência cearense. Fávaro, normalmente seguro, fraquejou na defesa do chute cruzado e espalmou para o lado errado: de frente para o artilheiro Finazzi, que só teve o trabalho de mandar para as redes. E podia ter sido pior, pois Rinaldo quase fez o segundo gol no minuto final.
A equipe de Charles Guerreiro ainda está entre as melhores da competição, mas precisa entender que não pode diminuir o ritmo nos instantes finais. Antes, o recuo parecia estratégia. Agora, dá a impressão de que é queda de produção mesmo. 
 
 
O jogo de Cametá, pelo relato do companheiro Géo Araújo, teve o Remo com os problemas de sempre. Canindé e Gilsinho destoam no meio-campo. Gian entra para arrumar a casa no segundo tempo. Ontem, não deu. A preocupação, a partir de agora, é com as dificuldades – certamente maiores – do mata-mata.
Ao Cametá, resta a tristeza pela vitória frustrante. A perda da vaga, porém, ocorreu bem antes, na irregularidade mostrada nas primeiras rodadas. 

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta segunda-feira, 23)