Um tucano descendo a ladeira

Do Blog do Noblat

Serra está em queda livre desde o início do horário gratuito de propaganda eleitoral no rádio e na televisão. É o que as próximas pesquisas deverão confirmar.

Datafolha sairá neste fim de semana. Sensus na terça-feira. E vem mais uma do Ibope por aí.

A mais recente pesquisa Ibope deu 11 pontos de frente para Dilma. A que virá aumentará a distância entre Serra e ela para algo em torno de 15 ou mais pontos.

Mano chama Coutinho e Hulk para treinos

O projeto de renovação da Seleção Brasileira ganhou mais um capítulo nesta sexta-feira. Após ter chamado Neymar e Ganso em sua primeira lista, o técnico Mano Menezes convocou agora o jovem Philippe Coutinho, de 18 anos. Porém, o ex-vascaíno e atual jogador do Inter de Milão não entrará em campo: a lista de 22 jogadores será apenas para treinos em Barcelona, na Espanha, entre os dias 2 e 8 de setembro. A CBF planejava fazer amistosos neste período, mas não conseguiu adversários de primeira linha. Por isso, haverá apenas dois jogos-treinos, sem camisa de jogo, nos dias 5 e 7.

Apenas cinco atletas que estiveram na Copa foram lembrados por Mano: Ramires (Chelsea), Robinho (ainda no Manchester City), Thiago Silva (Milan), Gomes (Tottenham) e Daniel Alves (Barcelona). As datas reservadas pela Fifa para amistosos e partidas das eliminatórias da Eurocopa vão de 2 (uma quinta) a 8 de setembro (uma quarta).

Goleiros: Gomes (Tottenham) e Diego Alves (Almería).

Laterais: Daniel Alves (Barcelona), Rafael (Manchester United), André Santos (Fenerbahçe) e Marcelo (Real Madrid).

Zagueiros: Alex (Chelsea), David Luiz (Benfica), Henrique (Racing Santander) e Thiago Silva (Milan).

Volantes e meias: Carlos Eduardo (Hoffenheim), Douglas Costa (Shakhtar), Fernandinho (foto – Shakhtar), Hernanes (Lazio), Lucas (Liverpool), Philippe Coutinho (Inter de Milão), Ramires (Chelsea) e Sandro (Tottenham).

Atacantes: Alexandre Pato (Milan), André (Dínamo de Kiev), Hulk (Porto) e Robinho (Manchester City).

PQP, Hulk não, Mano… Já parece até o Capitão do Mato…

Meia colorado é a novidade na Argentina

O técnico interino Sergio Batista convocou nesta sexta-feira a nova seleção da Argentina para o amistoso do próximo dia 7 de setembro contra a Espanha, campeã mundial, no estádio Monumental de Nuñez. A grande novidade é o retorno do meio Andrés D’Alessandro, do Internacional, ao escrete. Batista optou por jogadores que atuam fora do país. O jogador colorado, campeão da Libertadores, faz companhia ao goleiro Agustín Marchesín, do Lanús, como os únicos atletas da lista a defenderem clubes sul-americanos.

Além de D’Alessandro, a convocação trouxe de volta o lateral-direito Javier Zanetti e o meio-campista Esteban Cambiasso, ambos da Internazionale (Itália). Renegada por Maradona para o Mundial, a dupla destacou-se na conquista da Copa dos Campeões da Europa.

Por outro lado, nomes remanescentes da Copa da África do Sul foram mantidos: o goleiro Sergio Romero, do AZ Alkmaar, da Holanda, e o meia Di María, do Real Madrid. O craque Lionel Messi, do Barcelona, também estará em campo para enfrentar a Fúria.

Confira a lista da seleção argentina:

Goleiros – Sergio Romero (AZ Alkmaar), Mariano Andújar (Catania) e Agustín Marchesín (Lanús).

Defensores – Martín Demichelis (Bayern), Walter Samuel (Internazionale), Nicolás Burdisso (Internazionale), Gabriel Heinze (Olympique de Marsella), Pablo Zabaleta (Manchester City), Gabriel Milito (Barcelona), Javier Zanetti (Internazionale).

Meio-campistas – Javier Mascherano (Liverpool), Fernando Gago (Real Madrid), Ever Banega (Valencia), Ángel Di María (Real Madrid), Esteban Cambiasso (Internazionale), Mario Bolatti (Fiorentina), Andrés D’Alessandro (Internacional).

Atacantes – Gonzalo Higuaín (Real Madrid), Carlos Tevez (Manchester City), Sergio Agüero (Atlético de Madrid), Lionel Messi (Barcelona), Diego Milito (Internazionale) e Ezequiel Lavezzi (Napoli).

Briga entre laterais agita treino do Papão

Na condição de líder na classificação geral da Série C, o Paissandu vive uma grande fase técnica e recebe o Fortaleza, domingo, no Mangueirão, precisando vencer para sacramentar a passagem à próxima fase. No âmbito interno, porém, o clima anda conturbado. Na semana passada, o técnico Charles Guerreiro discutiu com torcedores que pediam a escalação de Aldivan na lateral-esquerda. Em Santarém, o então titular Zeziel pediu para não jogar e Charles teve que escalar Aldivan, que teve boa atuação contra o São Raimundo.

Nesta sexta-feira, durante treino coletivo no Mangueirão, o bom ambiente voltou a ser abalado. O lateral-esquerdo Edinaldo e o lateral-direito Cláudio Allax saíram no tapa depois que Allax aplicou um carrinho mais forte em Edinaldo. Os dois começaram a discutir e terminaram brigando. Foram separados pelos companheiros e afastados do treino. De volta à Curuzu, foram advertidos pela diretoria e fizeram as pazes. (Foto: MÁRIO QUADROS/Bola)

A quem interessar possa…

Agenda do presidente Lula nesta sexta-feira, 20:

8h30 Partida para Sorocaba (SP), na Base Aérea de Brasília (DF)

10h Chegada a Sorocaba

10h30 Cerimônia de inauguração simultânea das instalações do campus Sorocaba, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), e do campus Curitibanos, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) – Rodovia João Leme dos Santos, SP-264, Km 110, Parque Reserva, Fazenda Imperial

12h30 Partida para São Paulo (SP)

13h10 Chegada a São Paulo

15h Guido Mantega, ministro da Fazenda – no Escritório Regional da Presidência da República em São Paulo

19h Compromissos privados

(Fonte: Secretaria de Imprensa da Presidência)

Coluna: Sobre o lamento amazonense

Artigo recente de um jornal amazonense põe o dedo numa ferida há muito exposta e que, volta e meia, é tema de comentários na coluna e no blog. O autor, Paulo Rogério, deplora o abandono a que foi relegado o futebol amazonense, que hoje não atrai o interesse nem das emissoras de rádio. Ele observa que Manaus será sub-sede da Copa do Mundo de 2014, atraindo atenções do mundo inteiro, mas, estranhamente, o futebol não faz parte das prioridades dos manauaras.
Cita, com evidente espanto (inveja até), o fato de três emissoras de rádio de Belém terem se deslocado até Rio Preto da Eva para cobrir o jogo do Remo com o América-AM. Considera “uma vergonha” que as emissoras amazonenses não façam o mesmo, embora ressalvando que, por falta de patrocínio, mostram-se incapazes de acompanhar os passos do único representante baré no Campeonato Brasileiro.
Por fim, cobra mais comprometimento dos donos de emissoras com os destinos do futebol local e sugere que os segmentos empresariais ajudem no esforço de valorizar os clubes do Estado. Com certa dose de otimismo, avalia que nos próximos anos, à medida que a Copa de 2014 se aproxime no calendário, os investimentos começarão a brotar e o futebol será naturalmente contemplado.
 
 
Diante dos pontos abordados por Paulo Rogério, cabe fazer algumas considerações sobre o nosso maltratado futebol e as responsabilidades sobre seus êxitos (poucos) e fracassos (constantes). Em primeiro lugar, o fato de a comparação com o futebol do vizinho Estado nos favorecer tem uma explicação óbvia: a pujança popular da dupla Re-Pa.
O Pará respira futebol porque cultiva a rivalidade secular entre Remo e Paissandu. Que ninguém se iluda: a razão de existir do nosso futebol, mesmo em períodos de vacas magras, está assentada na paixão que essas duas bandeiras despertam no torcedor. Sem isso, a situação seguramente seria parecida com a dos amazonenses, que não têm para quem torcer desde que Nacional, Fast e Rio Negro praticamente foram extintos.        
E aí há outro aspecto a considerar: a imprensa esportiva paraense, às vezes apontada como geradora de crises, tem papel fundamental na sustentação dos dois grandes clubes. Claro que é via de mão dupla. Remo e Paissandu dependem das atenções da mídia e esta não passa sem eles. Desse pacto não escrito vive o futebol do Pará e somente os muito ingênuos – ou mal-intencionados – não reconhecem o fato.
 
 
O Remo promove coquetel, hoje, às 18h30, na Toca do Leão, em torno do goleiro Adriano, que comemora 150 jogos pelo clube. Haverá lançamento de camisa comemorativa e leilão da que foi usada na 150ª partida – contra o Cristal-AP, domingo passado. Gesto que une reconhecimento profissional e esperta ação de marketing esportivo.   

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta sexta-feira, 20)