F-1 perde de vez a compostura

Fernando Alonso venceu o GP da Alemanha, neste domingo, mas seu triunfo vai dar muito o que falar. A ultrapassagem sobre o brasileiro Felipe Massa, seu companheiro de equipe, despertou suspeita de favorecimento. Sebastien Vettel, da Red Bull, ficou em terceiro lugar. A largada foi o ponto alto de Massa na corrida. Na primeira curva, o brasileiro, que largou em terceiro, aproveitou a briga entre Vettel e Alonso pela primeira posição e ultrapassou ambos. Massa conseguia conter as investidas de Alonso, e parecia difícil que algo tirasse a primeira vitória do brasileiro na temporada. No entanto, após uma polêmica mensagem de seu engenheiro (“Fernando Alonso é mais rápido que você. Entendeu a mensagem?”, foi o recado), Massa desacelerou e perdeu a posição, abrindo caminho para a vitória do espanhol.

Não é preciso ir muito longe na história da Fórmula 1 para observar exemplos de jogo de equipe da Ferrari. Exemplos que tornam o GP da Alemanha deste ano apenas mais um na lista de polêmicas da escuderia italiana. O mais emblemático dos casos aconteceu em maio de 2002, no GP da Áustria. Depois de liderar toda a prova e dominar o fim de semana, Rubens Barrichello foi obrigado a abrir passagem para Michael Schumacher. Na última reta da última volta o brasileiro freou para a vitória do alemão.

A FOM – responsável pela geração das imagens – poderia ter escondido as gravações de conversas de rádio, mas fez questão de mostrar a reclamação de Fernando Alonso e o diálogo do engenheiro Rob Smedley com Felipe Massa, que levou o brasileiro a abrir passagem para o companheiro. Diante das evidências, a FIA pode punir a escuderia italiana por ter feito jogo de equipe. É difícil, contudo, prever qual seria a sanção à equipe, já que não há um precedente. Desde o GP da Áustria de 2002, jamais houve caso tão claro de troca de posições na Fórmula 1. (Com informações do Folhaonline e da ESPN)

Por essas e outras, perdi o interesse pela F-1, que é cada vez menos um esporte. Na verdade, acompanhei corridas com prazer apenas quando o gênio Nelson Piquet estava em ação.

18 comentários em “F-1 perde de vez a compostura

  1. Gerson, compartilho com você do mesmo pensamento, é um esporte de muitos intere$$e$, maior que qualquer outro esporte, se é que a F1 ainda se pode chamar de esporte.

  2. Mais uma situação vergonhosa na F-1 envolendo brasileiros. Massa é um segundo Barrichello. Assinou um contrato igual ao de Rubinho, para perder. Ainda me recordo do caso de Nelsinho, que bateu de propósito para favorecer o companheiro, e uma entregada de Barrichello no GP da Áustria em 2000, país que nunca mais quis saber de fórmula 1. O público brasileiro devia fazer o mesmo…

  3. Massa foi simplesmente profissional, ou seja, manda quem pode obedece quem tem juízo. Porém, atitudes assim afastam o público brasileiro. Eu já não assisto com frequência. A Ferrari, acho que contrata brasileiro, para fazer esse tipo de jogada. Discute aqui, mas não conhecemos as cláusulas do contrato e o dinheiro é alto. É ridículo.

  4. Menos, colunista. Dizer que Piquet era melhor que Senna e brincadeira. Pergunte aos pilotos que elegeram o Da Silva o melhor piloto de todos os tempos.

    1. Caro Anders, a questão é simples: para mim, Piquet foi melhor. E, nesse caso, é o tipo da opinião na qual não cabe discussão.

    2. Piquet era melhor sim , não foi à toa que foi tricampeão , era e é até hoje meu piloto favorito. Agora é uma questão de opinião,

      1. Verdade, Paulo. Sei que é um assunto controverso e por isso respeito as opiniões em contrário, mas mantenho minha crença inabalável de que o grande Nelson Piquet foi nosso maior piloto.

  5. Em alguns sites informam que devido a manobra da Ferrari , a equipe foi multada em US$ 100 mil (cerca de R$ 180 mil) e o caso ainda vai ser julgado pelo Conselho Mundial da entidade, o que significa que a equipe ainda pode perder pontos no campeonato — isto porque somente o Conselho é que pode tirar pontos (os comissários não têm este poder). Segundo o artigo 39 da lei que rege a F-1, a prova deve ser decidida dentro dos fatores desportivos, sem interferência de força maior.
    “Ordens de equipe que interferem no resultado da corrida são proibidas”, diz o texto do regulamento, o qual não prevê uma possível punição, que, numa suposta comprovação de penalidade, ficaria a cargo da FIA.

  6. Pra mim no tempo que Piquet correu, ele tinha mais adversários a altura enão os retardatarios de hoje em dia. É que nós tempos de Senna é Schumacher. Por isso digo que Piquet foi melhor, ele tinha Prost, Mansel, Berg, Nick Lauda, é o próprio Senna.
    O grande problema de “Nelson Piquet”, era ser temperamental, tinha o mesmo gênio do ex-treinador bicolor “Edson Gaúcho” o Massaranduba.
    Já Airton Senna, foi seu oposto, foi um grande piloto também, mais era do tipo que agradava todas as classes, é contava com um tremendo baba-ovo, chamado Galvão Bueno, é adorava fazer tipinho é sempre parecer politicamente correto.

    Salve Nelson Piquet! O resto são apenas corredores de cart.

  7. Sou fã de Senna desde pequeno, assisti a corridas memoráveis mesmo sendo criança. Vi o Piquet já na Benneton amarela, quando já não era o grande piloto que foi, mas o respeito. Desisti de torcer para o Burrica na Áustria em 2002. Hoje fiquei muito desapontado com a atitude da Ferrari, a única certeza que tenho é que Piquet e Senna jamais se submeteriam a esse tipo de coisa, que tem espírito de campeão, não pensa em grana, não pensa em equipe, vai atrás da vitória. Brasileiro campeão de F1, agora, só sabe-se lá quando.

  8. Muitos negócios (capitalistas) ainda são vendidos pela mídia, aos incautos, como esporte. Vamos tratar as coisas como elas são: um circo /espetáculo /entretenimento – como novela de tv. A Ferrari, o Milan, etc. são empresas que visam lucro, tão-somente. Afinal, o único Airton Senna esportista foi o popular “Gaúcho” treinador do Liberato de Castro – de saudosa memória.

  9. Até no automobilismo tem marmelada. Pior que explicita. Te contar, ainda bem que a seleção de voley é seriedade pura. Agora técnico é esse Benardino, cai como uma luva em tudo o que o Cláudio sonha de um bom técnico.

  10. Comecei acompanhando a formula 1, por causa po Piquet, para mim o melhor brasileiro da história da categoria.

    Acompanhei também os três títulos de Senna, quando a categoria começou a ganhar os ares (da marmelada) que tem hoje.Basta ver Berg, excelente piloto, que funcionava como Barrica para Senna, na época.

    Não tô dizendo que jogo de equipe seja ilegal, mas tanto Massa quanto Alonso estão fora da disputa do título. Alonso ainda tem uma chance remota, mas é remota em todos os sentidos. O quero dizer é quedeveria ter deixado a categoria seguir os rumos.

    A FIA, que não tem interesse em mudar a situação, deveria olhar os contratos dos pilotos, pois na época de Piquet a clausula não havia, mas hoje ela é clara. Você trabalha para equipe, deixe passar.

  11. Gosto de Piquet, mas pra mim não tem como Senna. Morreu quase sabendo da morte, mas procurou a vitória sempre. mesmo enfrentando perigo, como foi no dia de sua morte. Era destemido. Ele hoje vivo teria enfrentado Shuma, e com mais títulos. Era ele que fazia a gente perder programas matinais, do tipo; “só depois da corrida” quem não fez isso? Hoje, pegam os brasileiros para serem escados para outros, como é o caso de Rubinho e agora Massa.

  12. Piquet foi excelente piloto, mas ao contrário do Gérson, penso que os dois tiveram estilos diferentes em seus arrojos. Coloco-os no mesmo patamar no panteão dos grandes pilotos brasileiros e mundiais. Fora das pistas, sou mais Piquet, pois não suportava aquele estilo politicamente correto do Senna. Nas pistas, os dois foram iguais em suas diferenças. Abaixo deles, porém ressalvado em seu contexto romântico e histórico da F-!, o grande Émerson.

Deixe uma resposta