Argentinos recebem seleção sob aplausos

Milhares de pessoas receberam hoje a seleção argentina no retorno da equipe a Buenos Aires, após a eliminação nas quartas de final da Copa do Mundo. O time, que chegou ao aeroporto internacional de Ezeiza, foi levado da pista em um ônibus com escolta policial à sede da Associação de Futebol Argentina (AFA), onde se aglomeravam milhares de torcedores para saudar os jogadores. A seleção foi recebida nas proximidades da AFA aos gritos de “Argentina” e “Aguente, Diego” pelos torcedores, em sua maioria vestidos com a camisa da seleção e levando bandeiras argentinas e cartazes com palavras apoio a Maradona. A goleada de 4 a 0 sofrida para a Alemanha pôs em dúvida a permanência de Maradona à frente da seleção depois de o próprio técnico abrir a possibilidade de sua demissão. A imprensa argentina dedicou hoje amplos espaços às especulações sobre o futuro do técnico, enquanto seus admiradores inundaram os sites na internet com mensagens de apoio. O presidente da AFA, Julio Grondona, pediu a Maradona que comande a seleção no amistoso de agosto, contra a Irlanda, em Dublin. (Com informações da ESPN)

Quem planta, colhe. Viva El Pibe.

19 comentários em “Argentinos recebem seleção sob aplausos

  1. No Brasil teria sido assim, mesmo com os 2 x 1, se nãofosse a toda poderosa e excluisivista Rede Globo.
    Até o Faustão já entende defutebol (ele foi reposter de campo, aquele cara que sai correndo atrás de jogador que faz gol).

    1. até se correr de campo e ser lanterna kkkkk afinal são bicolores kkkkk

  2. Quem inventou essa rivalidade entre Brasil e Argentina no futebol, foi a Globo, isso nos anos 80 quando surgiu Maradona.Até então, nosso maior rival era justamente o Uruguai, por causa do Maracanazo, que, inclusive, pode se repetir em 2014.A verdade é que Maradona a frente de sua seleção montou um time ofensivo.Ganhou de forma bonita os 4 primeiro jogos.Só perdeu, pra Alemannha, na minha visão, porque entrou de salto alto – coisa que argentino e brasileiro tem em comum.
    A diferença entre Dunga e Maradona, é que o primeiro perdeu jogando feio, já o segundo jogando “bonito”.
    Agora é impressionante, o Maradona aumentou sua popularidade, mesmo perdendo.Pra ele foi mt bom ter treinado a seleção.Ele saiu por cima.Já Dunga, prefiro nem comentar.

  3. Parabéns Márcio, de fato a rivalidade com a Argntina foi construída e nesse caso não só pela Globo, mas pela mídia, a partir da Copa de 1978, por conta do escândalo do Peru. Antes da Copa de 78, o que era a Argentina no futebol mundial? Nada. Nunca havia chegado a uma semifinal. Essa história de “Taça Roca” já havia sido eliminada do imaginário social. Com Maradona a coisa subiu de grau. Esse brilhante argentino foi um gênio do futebol que surgiu no mundo, após Pelé. Na prática, Zico foi tecnicamente melhor, mas considerando a habilidade do Pibe e o título de 86 conquistado foi alçado ao panteão dos deuses do futebol mundial. Na Itália fez barbaridades em dupla com Careca no Nápoles e na Argentina, chegou a condição de ídolo. Nos confrontos diretos contra o Brasil, nunca se saiu bem. Em 1981 no mundialito, foi anulado pelo Toninho Cerezo no empate de 1×1. Em 1982, Batista o irritou tanto que acabou expulso por agressão na derrota de 3×1 na Copa da Espanha. Em 1990, na Copa da Itália, não havia feito nada em campo, até o Dunga (quem diria), amarelar e permitir ao Pibe dar um passe para o Caniggia e eliminar o Brasil, diga-se de passagen, um passe mais simples do que o do Felipe Melo para o Robinho. Até o gol do Caniggia e mesmo depois dele, foi a única coisa que fez em campo. O problema é que aquela seleção de 90 era um pouco pior do que essa do Dunga (mas naquela tinha o Careca e o Müller que no final perdeu um gol feito). A recepção do povo argentino ao Pibe foi digna e expressa a cultura e a civilidade desse povo que está a ano-luz de distância de nossa média geral, nos quesitos de instrução e formação. Goste ou não a mídia e os brasileiros, o povo argentino tem orgulho de seu país, de sua seleção e de seus ídolos, com um nível de sensibilidade e consciência política de seus problemas formidável. Parabéns ao valente povo argentino que não se dobra ao senso comum e à canalhice de sua mídia, a destarte dos histrionismo de seu ídolo-mor.

  4. E a leoa sem juba ganhou mais uma pelo intermunicipal, a vítima desta vez foi o Santa Isabel. Lembra o bom começo de construção da máquina feita por Sinomar.

    1. esse rapaz adora o Leão, será ? e continua o róseo rsrsrsrsrs será ?

    2. que diga o Bacuri que deu uma peia na mucura em pleno chiqueirão rsrsrsrsrs

    3. E a muruca também tá indo muito bem né Berlli, ganharam do poderoso “AMIGOS DO CHARLES GUERREIRO” RSRSRSRSRS. Enquanto que Fortaleza (disputa a Copa do Nordeste), Rio Branco (fazendo amistosos contra equipes da 1º divisão do Peru e da Bolívia) e Águia (fazendo amistosos contra o JV Lideral, campeão maranhense) estão só se preparando para destroçar a papinha.

  5. Reparos necessários. Sempre houve porfia entre Brasil e Argentina em todos as atividades., inclusive politicas. Com o Uruguai, criamos esse ambiente a partir de 50. Hoje, somos o adversário a ser batido em todos os campos pelos vizinhos sul-americanos. Até de imperialistas somos chamados.

  6. ” Festejamos o que ? Esta é a manchete do irreverente OLE refrindo-se ao delírio da chegada dos argentinos a B. Aires. As massas de quando em vez precisam de sacudidelas para sair do perigoso terreno do incosnciente, do passional. Futebol é apenas uma prática esportiva apesar de interesses às vezes irresponsáveis. Nenhum país, perdedor, sai diminuido ( moral ou politicamente) de uma competição esportiva. Um país deve sentir-se diminuido quando não consegue vencer batalhas mais importantes como : corrupção, analfabestismo, pobreza, entre outras.

  7. Cassio, foram aliados circunstanciais. Aliança muito dificil de ser conduzida.Mitre e Tamandará quase chegram aos tapas. Com o Uruguai apenas mágoas dos charruas pelo bombardeioo brasileiro a cidade de Paissandu.

  8. Aliás, justo bombardeio. A| questão Tavernard é que o Márcio tem razão. Eu até cheguei a postar umm comentário aqui sobre isso, mas por alguma razão o Gérson não postou. Essa rivalidade foi reconstruída pela mídia a partir da Copa de 78 por conta do título concedido pela FIFA no famoso escândalo do Peru em que o Brasil acabou sendo vítima. A Argentina ganhou aquele título, é verdade, de forma vergonhosa, mas a mídia se encarregou de atiçar essa rivalidade. Nos anos 80, os fracassos sucessivos do Brasil e a consagração de Maradona, o maior craque da história do futebol mundial depois de 70, deu margem a essa reelaboração midiática de “rivalidade com os hermanos”. A Copa Roca já havia sido eliminada de nosso imaginário social, pois a Argentina até antes de 78, não representava nada no futebol mundial. A Argentina tem um grande povo, orgulhoso de sua pátria e seus ídolos, elém de bem instruído e alfabetizado. Essa é a diferença deles para os brasileiros com baixo nível cultural e educacionalo. Esse ano, os programas de humor carregaram na dose em relação essa tal rivalidade. Viva a Argentina e seu povo, terra de Guevara, Gardel e Maradona!

  9. “Na prática Zico foi tecnicamente melhor” (que Maradona). Aposto como esse Cássio de Andrade é flamenguista pra dizer isso.Maradona pra mim e pra muitos foi o melhor jogador depois de Pelé, com todos os defeitos de pessoa que têm fez o maior gol da história das Copas (em 1986).

Deixe uma resposta