Soccer City visto do céu

Imagem do estádio Soccer City, aqui em Johanesburgo, tirada na hora da abertura oficial da Copa nesta sexta-feira. O detalhe é que essa imagem foi captada do espaço pelos poderosos telescópios da Nasa. O gigantesco estádio aparece pequenino, meio acanhado entre as imagens do relevo da cidade sul-africana.

6 comentários em “Soccer City visto do céu

  1. Por falar em estádio, gerson, o Ministério público está embarcando nas fantasias de Amaro, fazendo sugestões absurdas. Quando você voltar a negociata já estará concretizada.

    1. Eu li e ouvi sobre o posicionamento do insigne MP, tão preocupado em desfazer qualquer embaraço à venda… Fiquei deveras impressionado com a agilidade do órgão, nem sempre tão veloz assim em suas iniciativas – vide o nosso glorioso des-prefeito da Mangueirosa e suas inúmeras estripulias impunes. Como falei outro dia aqui, já fiz todos os comentários possíveis sobre esse negócio nebuloso (para dizer o mínimo), de preços aviltados e promessas faraônicas que jamais serão cumpridas. No entanto, amigo Luiz Antonio, sou apenas um solitário pregador no deserto, com limitações óbvias. Os conselheiros aprovaram a ideia e a torcida, pelo que se observa, é majoritariamente a favor da transação, pois abraçou o “projeto de modernidade” do Amaro Klautau. Quando isso ocorre, não adianta alertar e mostrar fatos e evidências. A discussão entrou para o campo passional e aí todos os gatos/leões são pardos. Só sei que dessa aventura o Remo não sairá bem. Os prejuízos só serão observados a médio prazo, mas aí inês já estará morta. Há fortes interesses na negociação, a comissão é polpuda e o futuro do clube que se dane – afinal, daqui a alguns meses termina o mandato da atual diretoria e, dependendo do acerto com a construtora, o atual presidente já estará noutra (a eleição à Assembleia Legislativa).

  2. Noticia do blog do imovel:

    Mais uma vez, a diretoria do Remo e os eventuais compradores dos 27.000 m2 do Baenão se reuniram com a Justiça do Trabalho para liberar a penhora do Estádio Evandro Almeida e pemitir o início da venda do Baenão.
    Mais uma vez, parece que a coisa não andou. Problemas não faltam. Primeiro, é muito difícil saber o real tamanho das dívidas trabalhistas. Sendo assim, quem assumiria por dívidas que só aparecessem depois?
    Segundo problema é a mudança na configuração na proposta feita por Agra/LealMoreira. O que era para ser um moderno estádio na novissima Arena do Leão, já teria sido reduzido a um estádio simplório e longe das pretenções dos azulinos.
    Correndo por fora, ainda tem a eventualidade de tombamento do Estádio.
    Depois de muito barulho, a sonhada mudança para o Remo do Século XXI parece fazer água.

  3. BERLI: Vês como a solução é fácil. Temos que primeiro procurar soluções. Depois sim. Mas o cara vem logo querendo se desfazer de um patrimônio que o clube custou a construir, em troca de sonhos. Égua.. Não é mole. O socio-torcedor, como em qualquer canto deste país, já resolveu esse tipo de problemas com facilidade. Com uma ressalva, nada de dinheiro passando pela diretoria. Os sócios ficam responsáveis e só. Com transparência fica tudo facil: o sócio acredita e a obra aparece. Eu não acredito que todos os comentaristas aqui, pensam diferente de mim e do Gerson. as vezes me parecem paus-mandados. Teve um cara-de-pau, que escreveu sandices “em carta ao leitor”. Coisas que se acontecerem, só daqui a 5o anos. E nós torcedores de hoje?

Deixe uma resposta