Para refrescar a memória dunguista

Por Mauro Cezar Pereira

Dizem que o trabalho de Dunga é “incontestável”, com números “excelentes”, que conquistou “tudo”. Ele obteve expressivos resultados, inclusive sobre rivais como Argentina, Itália e Inglaterra. Nem sempre foi assim. Façamos como o próprio técnico, que costuma pedir aos jornalistas para “refrescar a memória”. Em 2006, empate com a Noruega e 3 a 0 sobre a Argentina de Alfio Basile com apenas dois titulares de hoje, Mascherano e Messi. Novo jogo relevante só na derrota (0 a 2) para Portugal de Felipão. Na escalação, a defesa da Copa: Maicon, Lúcio, Juan, Gilberto e Gilberto Silva. Contra a Turquia, Afonso titular e 0 a 0 no placar.

Copa América: na estreia, México 2 a 0. Depois, 3 a 0 no freguês Chile e fraca atuação no 1 a 0 sobre o Equador. Seria fantástico para Dunga se jogasse apenas contra os chilenos, que no duelo seguinte levaram de 6 a 1. Com o Uruguai, 2 a 2. Jogo sofrível. Nos pênaltis, Pablo García perdeu a chance de definir. Lugano errou e a vaga na final foi para o Brasil, que pouco mostrara. Na decisão contra a Argentina, aula de contra-ataque, 3 a 0 e título que ofuscou os muitos maus momentos. Mas eles voltariam nas Eliminatórias, em empates na Colômbia e no Peru. Houve os 5 a 0 sobre um Equador em crise, que três dias antes perde–ra em casa para a Venezuela. Eram más atuações até em vitórias, como nos 2 a 1 sobre o Uruguai, quando a torcida chegou ao Morumbi pedindo Rogério Ceni e foi embora aplaudindo Julio Cesar.

Em 2008, história: a primeira derrota para a Venezuela. Nova queda (0 a 2) diante do Paraguai e empate sem gols com a Argentina em noite de vaias dos mineiros ao técnico e aplausos a Messi. Reação veio nos 3 a 0 sobre o… Chile, claro. Os venezuelanos também imaginaram ser possível encurralar os brasileiros, ofereceram o contra-ataque e levaram 4 a 0. Já no Brasil, pífios jogos sem gols com Bolívia e Colômbia. No amistoso com Portugal, 6 a 2! Logo depois, Julio Cesar segurou o bombardeio do Equador, que finalizou mais de 30 vezes em Quito.

Um escriba baionense na velha África

Que ninguém se engane com o céu de brigadeiro e o sol no rosto que esse simpático registro fotográfico traz. O frio é infernal, meus amigos. Quase 13 graus na manhã desta quinta-feira, à saída do hotel Booysens, em Johanesburgo. Devidamente paramentado, com minha jaqueta Easy Rider da sorte, fui à luta para cobrir o treino dessa misteriosa seleção do Dunga. Por ora, tudo muito bem por aqui, apesar de algumas aporrinhações com a telefônica Vodafone (o nome é pronunciado à brasileira), que nos empurrou um modem fajuto, comprovando que a trambicagem é esporte universal. Na foto abaixo, a fachada do hotel, construção do começo do século passado, segundo os registros internos.

Drogba surpreende e volta aos treinos

De quase “cortado” a presença praticamente certa no segundo jogo da Copa do Mundo, contra o Brasil. Este é o atacante Didier Drogba, que entrou em campo nesta quinta-feira para treinar com seus companheiros de Costa do Marfim. Ele fez trabalho fisico normal, mas, quando a seleção foi para os trabalhos táticos, ficou se exercitando separadamente.

Na semana passada, ele sofreu fratura no braço depois de levar uma pancada do zagueiro japonês Tanaka (que é brasileiro de nascimento). Passou por cirurgia de emergência e foi submetido a outros tratamentos alternativos, mas sua escalação para a estreia estava praticamente descartada.

Na imensidão dos campos de golfe

Lá ao fundo, por trás dos dois últimos campos de golfe, localiza-se o campo de treinamento da seleção de Dunga. Do lado de cá, na sacada do hotel Randburg Park, fotógrafos e cinegrafistas tentam apontar as câmeras para flagrar alguma imagem. Tarefa quase sempre impossível. Postei a foto, tirada hoje pela manhã, para dar uma ideia ao leitor do grau de dificuldade enfrentada pelos jornalistas para cobrir o escrete canarinho aqui em Johanesburgo.

La Brujita demonstra respeito pelo Brasil

O experiente meio-campista Juan Sebastián Verón, convocado por Maradona para dar equilíbrio e maturidade à Argentina, demonstra respeito ao falar sobre a Seleção Brasileira. Para um dos líderes da Argentina na Copa do Mundo, a equipe de Dunga e a Espanha são as favoritas ao título na África do Sul. “Espanha e Brasil estão um passo à frente do restante”, disse Verón, em entrevista ao jornal argentino Olé. Apesar do elogio aos rivais, o meia do Estudiantes considera importante disputar o Mundial sem o peso do favoritismo que atribui a outros países. “Não sei distinguir se é bom ou ruim. Não ser favorito te tira a pressão e até dá mais força para se sobrepor a isso. Vendo assim, é bom. Mas deixo para os outros dizerem se a Argentina é candidata ao título”, esquivou-se.

E a Copa vai começar…

Baluartes da coluna e do blog informam que a Globo andou noticiando que a África do Sul respira futebol a cada esquina, ou algo do gênero. Devem estar num outro país, sem dúvida. Aqui em Johanesburgo, capital da Copa, com 23 seleções instaladas na área urbana, o futebol só era notado como atração pelos cartazes nas ruas, outdoors e bandeiras nas mãos dos ambulantes. Até em torno dos estádios reinava um silêncio que não condiz com a terra da vuvuzela. A partir da empolgante manifestação promovida ontem, é provável que pelo menos o ruído dos torcedores seja mais ouvido nas ruas. Ainda mais que hoje à noite há a festa de abertura oficial do Mundial. Mas, depois da passeata de ontem, tudo segue como antes e a expectativa maior se limita aos jornalistas.

Paissandu contrata lateral Bosco

Depois da chegada do atacante Marcelo Ramos, a diretoria do Paissandu confirmou nesta quarta-feira a contratação do lateral-direito Bosco, que disputou o Paulistão 2010 pelo Mirassol. Ele vem para reforçar uma das posições mais carentes do time. Sua apresentação deve ocorrer até segunda-feira.

Beckham vira astro dos quadrinhos

O astro inglês David Beckham, mesmo sem disputar a Copa (foi cortado por contusão), voltou a ultrapassar os limites do merchandising de alto faturamento. A editora Bluewaters Productions decidiu produzir uma história em quadrinhos sobre sua vida. Beckham, mesmo sem poder disputar jogos da Copa, foi agregado à delegação pelo técnico Fábio Capello, como motivação aos demais jogadores. Nos últimos dias, o meia tem até participado de alguns exercícios junto com o English Team.

Como já havia sido feito com outras celebridades, a editora decidiu apostar no carisma e na fama mundial do meia inglês, principalmente no mercado asiático, onde é cultuado principalmente pelas adolescentes. Por 3,99 dólares o exemplar, os fãs do jogador poderão adquirir a versão lançada nesta semana em países europeus.

Pelo título, atriz argentina promete tirar a roupa

A torcida argentina já tem motivos mais animadores para desejar o título mundial. Depois das ameaças de Diego Maradona, a modelo/atriz/cantora Luciana Salazar restabelece a lógica e promete ficar totalmente despida nas ruas de Buenos Aires, caso Lionel Messi e seus companheiros levantem a taça na África do Sul. A estonteante loura já teria sido namorada de Messi, embora o jogador nunca tenha admitido. Em entrevista, ela foi taxativa: “si ganamos el Mundial me pongo en bolas en el Obelisco”.

“Hice estas declaraciones acompañando el sentimiento de Diego Maradona. Y cuando vi que se publicó en todos los sitios pense: ¡Dios mío, ahora me voy a tener que hacer cargo!”, reconheceu Luciana, admitindo que também ficou preocupada com a notícia sobre o strip-tease prometido por Dieguito. O blog reproduz uma pequena mostra do que espera pela massa portenha, na hipótese de um novo título mundial.

Maradona pode usar três zagueiros

De charuto em punho no meio do campo, o técnico da Argentina, Diego Maradona, comandou mais um treino nesta quarta-feira, em Pretória, visando a estreia na Copa do Mundo, no próximo dia 12, contra a Nigéria, pelo Grupo B. Entre uma tragada e outra, o comandante deu mostras, na atividade, que pode montar a equipe com três zagueiros para a partida contra os africanos. Mesmo Maradona não confirmando o time titular, há grandes chances de a seleção argentina começar com Heinze, Samuel e Demichelis na última linha defensiva.