Um Re-Pa na semifinal do returno

Depois da rodada final desta tarde de sábado, estão definidos os cruzamentos das semifinais da Taça Estado do Pará, segundo turno do campeonato Paraense. O destaque é o clássico Re-Pa numa das semifinais. O outro duelo será Águia x Cametá. A Federação Paraense de Futebol (FPF) ainda não definiu as datas e horários das semifinais, disputadas em jogo único. A princípio, os dois jogos devem ocorrer no próximo domingo, às 16h. O Re-Pa será no Mangueirão e o outro jogo em Marabá. No confronto do estádio Zinho Oliveira, um empate de 1 a 1 entre Águia e Remo, garantindo a equipe marabaense em primeiro lugar e os azulinos em segundo . Wando abriu o placar aos 27 do primeiro tempo e Landu empatou aos 19 do segundo. 

Na Curuzu, o Paissandu se classificou sem atropelos. Derrotou o S. Raimundo por 3 a 0 e garantiu o terceiro lugar na tabela, enquanto os santarenos deram adeus à competição. Tiago Potiguar aos 15 minutos da etapa inicial, Bruno Rangel aos 32 do primeiro tempo e Moisés, de pênalti, aos 27 do segundo, foram os goleadores da partida. O último semifinalista é o Cametá, que goleou o Ananindeua por 4 a 0, no Parque do Bacurau, em Cametá. Com isso, o Mapará classificou-se na quarta posição, com 13 pontos, mesma pontuação do Paissandu, mas quatro gols a menos de saldo – 9 a 5. Paulinho Pitbull, Jailson, Paulo de Tárcio e Leandrão marcaram para o Cametá.

Na partida que serviu para cumprimento de tabela, Santa Rosa e Independente empataram, por 1 a 1, no estádio Baenão, em Belém. Marçal marcou para o Independente aos 13 minutos do primeiro tempo e Rafael Pimpão empatou aos 10 do segundo. O Santa ficou na lanterna do campeonato, enquanto o Independente ficou na sexta posição do returno. (Com informações de Adilson Brasil e do Bola – Fotos: MÁRIO QUADROS/Bola) 

Tribuna do torcedor – 18

Por Mauro Tobias (maurogtobias@gmail.com)

Ou o Paissandu arrebenta ou sai arrebentado. O jogo de logo mais contra o S. Raimundo é decisivo não só para o 2º turno, mas para o campeonato como um todo. Se ganhar, poderemos até terminar em 2º lugar e termos vantagem de jogar a semifinal por 2 empates e ir com moral elevadíssima decidir o turno, basta que o Águia vença em Marabá para termos esta vantagem na semi final. Se empatar, vamos em desvantagem mas ainda podemos dar a volta por cima. Agora, se ocorrer uma derrota, a coisa vai afundar, pois o time que vencer o 2º turno virá com moral elevada e o time do Paissandu não transfere confiança, é oscilante, não tem padrão de jogo, falta criatividade e um finalizador autêntico. Que eu esteja errado em meu comentário, mas é preocupante. Além do mais, o prejuízo será enorme, financeiro, moral e de motivação da torcida para o campeonato da 3ª Divisão. Se Deus quiser, estarei errado.

Profecias tricolores

“Nas situações de rotina, um ‘pó-de-arroz’ pode ficar em casa abanando-se com a Revista do Rádio. Mas quando o Fluminense precisa de número, acontece o suave milagre: os tricolores vivos, doentes e mortos aparecem. Os vivos saem de suas casas, os doentes de suas camas e os mortos de suas tumbas”.

“Eu vos digo que o melhor time é o Fluminense. E podem me dizer que os fatos provam o contrário, que eu vos respondo: pior para os fatos”.

Nelson Rodrigues

Coluna: Uma tarde eletrizante

Na super rodada de hoje, seis times precisam vencer. Três brigam para assegurar presença nas semifinais do returno do campeonato, dois lutam pela liderança do G-4 e um defende a chance de continuar na elite estadual. Com isso, os quatro jogos têm diferentes graus de importância, mas valem muito para os atores envolvidos.
Desconfio que o melhor confronto, pelo grau de risco envolvido, vai acontecer na Curuzu. Paissandu e S. Raimundo disputam vaga nas semifinais e quem perder praticamente se despede desta fase. Para os bicolores, há a tranqüilidade de já ter conquistado o primeiro turno e garantido presença na decisão do campeonato. Uma derrota, porém, seria terrível para a confiabilidade no trabalho de Charles Guerreiro, pois o torcedor já se mostra insatisfeito pelo desempenho do time em Cametá. Além do mais, tiraria a chance de faturar o título por antecipação.
Ao S. Raimundo, de técnico novo (Valter Lima), só importa vencer. Um revés elimina definitivamente o campeão da Série D e atual vice-campeão estadual. Depois da gangorra de técnicos que o clube santareno viveu nos últimos meses, o objetivo é estabilizar as coisas para a reta final do Paraense e a campanha na Série C.  
Pelo que produziram até agora na competição, o Paissandu leva vantagem no aspecto da regularidade. Some-se a isso o fator campo-torcida. O caráter decisivo do jogo deve atrair bom público à Curuzu. Charles tem problemas na lateral-esquerda. Sem Álvaro, vai repetir a escalação de Edinaldo, que comprometeu o setor defensivo em Cametá. Por outro lado, resgata a formação ideal de meio-campo, com Tácio, Sandro, Fabrício e Tiago Potiguar. Com esse quadrado, o Paissandu conseguiu seus melhores resultados no torneio – e Moisés realizou as atuações mais convincentes. 
 
Outro embate equilibrado acontece em Marabá, onde o Águia recebe o Remo para defender a liderança isolada do returno. Em jogo, a ponta da tabela, mas um empate preserva as atuais posições. João Galvão não terá Soares e Samuel Lopes, mas o time-base está preservado no 3-5-2.
O Remo não terá Marlon, suspenso. Gian e Vélber, barrados, ficam como opções no banco de reservas. Giba acerta ao lançar pela primeira vez o garoto Diego Azevedo e erra ao prestigiar Otacílio, cujas atuações não justificam a titularidade.
 
No Parque do Bacurau, um empate basta ao Cametá para se classificar às semifinais do turno, situação inédita em seu curto histórico no certame estadual. A missão é facilitada porque o Ananindeua é o penúltimo colocado na classificação geral e não tem mais qualquer ambição na competição.
Por fim, o Independente precisa superar o Santa Rosa para permanecer na primeira divisão. Normalmente, não seria tarefa das mais complicadas, mas o desânimo do time de Samuel Cândido pode pesar negativamente. 

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO deste sábado, 1º) 

Giovanni pode ser escalado na final

O técnico Dorival Junior já definiu o time que enfrenta o Santo André na final do Campeonato Paulista, mas não o banco de reservas. Se antes a presença de Giovanni estava descartada, já não é mais certa. Isso porque o jogador foi relacionado para a partida e pode aparecer como opção para o técnico. “Ele está relacionado e vamos aguardar. Ainda estamos definindo o banco”, disse, admitindo que deve atender o apelo da torcida para que lance o meia paraense no jogo deste domingo.

O treinador foi indagado se teria algum problema em escalar Giovanni para a decisão contra o Santo André, caso o título já estivesse definido a favor dos santistas, prestando uma homenagem ao meia, que pode, inclusive, abandonar o futebol, após a final do Paulista. Na resposta, Dorival garantiu que não teria problemas em escalá-lo, independentemente de o campeonato estar definido a favor de seu time ou não. Segundo o comandante, o único fator que está sendo analisado é a condição física do jogador, que se recupera de dengue. (Do R7)