Um documentário sobre a tortura

Do Blog do Nassif

Nunca havia ouvido falar deste documentário aqui: Brazil: A Report on Torture (1971), de Haskell Wexler e Saul Landau. Foi filmado no Chile, logo após a chegada dos 70 presos políticos brasileiros trocados pelo embaixador suíço. É um documentário com cenas fortes (há reconstituições de vários tipos de tortura). Engraçado que não haja a menor menção a esse documentário aqui no Brasil (pelo menos, nunca vi nenhum comentário a respeito).

Quem quiser, pode assisti-lo aqui: http://www.linktv.org/programs/brazil-a-report-on-torture

Os idiomas usados no documentário são majoritariamente português e espanhol, com legendas em inglês. Para quem fala inglês, há uma pequena introdução de quinze minutos, na mesma página, com os autores do documentário, falando, recentemente, sobre como foi feito. Eles estavam no Chile, para entrevistar Salvador Allende, e, enquanto esperavam para marcar a entrevista, ficaram sabendo da chegada do grupo. Resolveram entrevistá-los. É um documento histórico. Um dos entrevistados é o Frei Tito, que, mais tarde, veio a se suicidar (em 1974, na França), assim como uma outra entrevistada, Maria Auxiliadora Lara Barcelos, que também se matou (em 1976, em Berlim).

No vídeo, aparecem também Jean Marc van der Weid, ex-presidente da UNE e Nancy Mangabeira Unger, irmã do ex-ministro. Seria interessante saber se alguém consegue identificar os entrevistados e o que foi feito deles nos anos seguintes. Jean Marc e Nancy, pelo que descobri, estão vivos e atuantes.

3 comentários em “Um documentário sobre a tortura

  1. Os documentários mais torturantes que eu conheço são sobre as série B 1991 e 2001, Copa Norte e dos Campeão dos campeões do papa títulos.

    Curtir

  2. É Berlli não só vc. Muitos brasileiros estão também nessa situação. Os jovens heróis do combate ao regime de exceção que se instalou no Brasil – desde 64 – são ignorados, e por vezes vilipendiados. A recente decisão do STF sobre a revisão de Lei de Anistia mostra isso. Ainda somos um país se respeito a própria memória. Ou melhor sem conhecê-la exatamente. Isso é muito triste. Mas, haverá o dia em toda essa história será discutida no interior de nossas escolas.
    A informação (melhor: o conhecimento) sempre será a principal arma da cidadania! Sem ela(e) não somos nada – ou objeto de manipulação.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s