FPF define arbitragens para rodada de sábado

Saiu nesta quinta-feira a escala de árbitros para a última rodada da fase classificatória do returno do campeonato estadual neste sábado, 1, às 16h. Para apitar Paissandu x S. Raimundo, na Curuzu, foi sorteado o gaúcho e ex-árbitro da Fifa Leonardo Gaciba da Silva. Já o jogo entre Águia e Remo, no estádio Zinho Oliveira, em Marabá, terá a arbitragem do carioca (Fifa) Péricles Bassols Pegado Cortez. Cametá e Ananindeua, no estádio Parque do Bacurau, em Cametá, será comandado pelo paraense Dewson Fernando Freitas da Silva. E Santa Rosa x Independente, marcado para o Baenão, terá o paraense Joelson Nazareno Ferreira Cardoso no apito. (Com informações da Rádio Clube)

Jobson tem pena reduzida e volta no Brasileiro

O atacante paraense Jobson teve sua pena reduzida de 2 anos para seis meses, nesta quinta-feira, em julgamento pelo plenário do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Julgado pelo Pleno do órgão (última instância), o jogador do Brasiliense estará livre para disputar, a partir de julho, o Campeonato Brasileiro. Jobson, de 21 anos, foi flagrado duas vezes no exame antidoping por uso de cocaína no Brasileirão de 2009, quando defendia o Botafogo. Em primeira instância, em janeiro, o atacante admitiu ser viciado em crack e foi penalizado com dois anos sem poder jogar futebol.

Moleque da Vila vai jogar de óculos

O atacante Neymar deverá usar óculos na partida decisiva do Santos no Campeonato Paulista neste domingo, às 16h, no Pacaembu, contra o Santo André. Após machucar o olho direito na primeira partida da final, no último domingo, o jogador treinou nesta quinta-feira no CT Rei Pelé pela primeira vez com a proteção.

Por causa da lesão, Neymar não foi escalado para a partida desta quarta-feira entre Santos e Atlético Mineiro, pela partida de ida das quartas da Copa do Brasil, no Mineirão. Sem o jovem atleta, a equipe paulista perdeu por 3 a 2 e agora precisa vencer em casa para avançar às semifinais do campeonato nacional.

Nesta quarta-feira, o médico Claudio Luis Lottenberg, do Hospital Albert Einstein, em que o atacante chegou a ser internado no último domingo, confirmou a evolução no quadro clínico de Neymar. Segundo ele, o sangramento no globo ocular direito, que provocou a lesão “teve uma melhora considerável”. (Do portal Terra)

Mais retratos da Copa pelo traço de Aczel

Na imagem de cima, cartum do argentino Germán Aczel sobre a vitória inglesa na Copa do Mundo de 1966. Caricaturista reconta a história dos mundiais com seus desenhos. Na imagem abaixo, as arquibancadas do estádio Monumental de Nuñez sob chuva de papel picado, na Copa do Mundo de 1978. “A primeira memória de mundiais que tenho é a de cortar papeizinhos para ir ao campo receber a Argentina”, escreveu Aczel sobre essa Copa.

“Time”: Lula é o líder mais influente do mundo

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi eleito pela revista “Time” o líder mais influente do mundo em 2010. É a primeira vez que um brasileiro lidera essa lista. A sétima edição da lista das 100 pessoas mais influentes do mundo foi divulgada hoje pela revista. A lista da “Time” é dividida em quatro categorias: líderes, heróis, artistas e pensadores. Lula lidera o ranking dos 25 líderes mais influentes do mundo. O perfil do presidente brasileiro é assinado pelo cineasta Michael Moore.

Veja abaixo a lista dos 25 líderes mais influentes de 2010, segundo a “Time”:

  1. Luiz Inácio Lula da Silva
  2. J.T. Wang
  3. Mike Mullen
  4. Barack Obama
  5. Ron Bloom
  6. Yukio Hatoyama
  7. Dominique Strauss-Kahn
  8. Nancy Pelosi
  9. Sarah Palin
  10. Salam Fayyad
  11. Jon Kyl
  12. Glenn Beck
  13. Annise Parker
  14. Tidjane Thiam
  15. Jenny Beth Martin
  16. Christine Lagarde
  17. Tayyip Erdogan
  18. Stanley McChrystal
  19. Manmohan Singh
  20. Bo Xilai
  21. Mark Carney
  22. Carol Keehan
  23. Khalifa bin Zayed al-Nahyan
  24. Robin Li
  25. Scott Brown

Cabra bom… vou te contar.

A quem interessar possa…

Agenda do presidente Lula nesta quinta-feira, 29:

09h Despacho interno – Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB)

09h30 Paulo Vannuchi – ministro-chefe da Secretaria de Direitos Humanos

10h Celso Amorim, ministro das Relações Exteriores

11h30 Guido Mantega, ministro da Fazenda

12h Fernando Haddad, ministro da Educação

15h Conselho de administração da Recepta Biopharma

16h30 Solenidade comemorativa aos 37 anos da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), na sede da Embrapa

18h30 Reunião com senadores da base aliada – Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB)

(Fonte: Secretaria de Imprensa da Presidência)

A bola abandonou Ronaldo no Maracanã

Por Paulo Vinícius Coelho

Mano Menezes aliviou a atuação individual dos jogadores, sem querer individualizar. Disse também que a chance mais clara de gol foi criada por Ronaldo. Mas a atuação do Fenômeno não foi boa outra vez, com o detalhe da matada na canela, minutos antes de ser substituído por Souza. A vontade é decretar que não dá mais para Ronaldo, até porque a bola o abandonou na noite de quarta-feira. Mas uma ponderação é preciso fazer.
Ronaldo, na avaliação de Mano Menezes, fez boa pré-temporada, mas, diferente do ano passado, o futebol não ajudou e o desânimo tomou conta. Então, veio a conversa com a comissão técnica na semana passada, seguida por dez dias de trabalho duro.
Trabalho duro dá resultado rápido em jogadores de 20, 23 anos…
Não dá necessariamente o mesmo resultado em jogadores de 33, especialmente os que se acostumaram a sentir super-homens, por atuações fenomenais.
Pois Ronaldo já não é fenomenal há um ano, ou precisamente desde julho de 2009, quando ajudou a massacrar o Fluminense por 4 x 2.
É possível que mais dez dias de trabalho devolvam a Ronaldo a mobilidade perdida. É possível também que antes desses dez dias o Corinthians já esteja eliminado da Libertadores. No Pacaembu, na Libertadores, o Corinthians disputou três partidas e venceu todas por um gol de diferença. Fez 2 x 1 no Racing, 2 x 1 no Cerro Porteño, 1 x 0 no Independiente de Medellín. Se repetir pura e simplesmente o que fez na primeira fase, o Corinthians tem 66% de chance de eliminação. Com 33% de possibiliade, uma disputa por pênaltis.

Coluna: Super quarta decepcionante

Algumas observações sobre os jogos – que consegui ver, mesmo de relance – e os principais artistas desta super quarta-feira:
 
No Maracanã, o campo enlameado não permitia futebol nos primeiros 45 minutos. Depois disso, a má forma de Ronaldo e Adriano não permitiu que seus times criassem grandes chances de gol. Jogo muito feio, estética e tecnicamente falando, do começo ao fim.
Quem tinha dúvidas sobre o aproveitamento do Imperador na Copa, certamente não tem mais. Dunga só convoca se acreditar nas fantasias da narração global.
Quanto a Ronaldo, uma apresentação (?) digna de comédia pastelão. Um desrespeito à sua própria biografia de craque. 
Ainda sobre o clássico das multidões, sei que vou contrariar a opinião de muitos, mas não vi pênalti no lance em que Juan desaba na área – como, aliás, faz umas 20 vezes ao longo de qualquer jogo, na condição de melhor ator de sua geração.
Causa espanto que rigorosamente nenhum dos jogadores dos dois mais populares times do país demonstre técnica suficiente para pleitear uma vaga na Seleção de Dunga. 
 
No jogo do S. Paulo no Peru o que mais chamou atenção foi a desvairada valentia de Richarlyson por uma expulsão corretíssima. Há uma tendência entre os boleiros nacionais de tentar se impor perante árbitros sul-americanos, copiando um velho hábito argentino. O problema é que ainda não aprendemos todos os macetes.
Caso tivesse um pouco mais de insistência ofensiva, o S. Paulo teria vencido o jogo. Só nos minutos finais, com 10 homens, a equipe criou coragem para arriscar uma meia pressão junto à área peruana.
 
Pelo coleção de melhores lances de Atlético e Santos, ficou claro que o embate do Mineirão foi o mais interessante de toda a rodada. Como o Santo André já havia feito parcialmente domingo, o Galo soube cercar os moleques da Vila e Ganso só apareceu mais no tempo final.
Está provado que times que enfrentam esse jovem e veloz Santos não podem entrar muito atrás, sob pena de serem atropelados.
 
Deixei o match mais badalado para as considerações finais. No Camp Nou engalanado, com quase 100 mil torcedores presentes, Barcelona e Internazionale frustraram todas as expectativas. Foi samba de uma nota só. Catalães atacando o tempo todo, sem criatividade, mas com perseverança. Italianos na espera, rebatendo bolas e deixando o tempo passar.
O gol, a 12 minutos do fim, foi o único momento de vibração no estádio. A platéia, que certamente pagou uma nota preta para estar ali, merecia coisa melhor.
Detalhe importante: Messi, melhor do mundo, não fez absolutamente nada e nem sequer foi marcado em cima. Fato: o mundo não produz melhores craques como antigamente. 

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta quinta-feira, 29)