STF mergulha em período de reserva

Por Felipe Recondo, de O Estado de S.Paulo

A superexposição do Supremo Tribunal Federal (STF) nos últimos dois anos termina nesta sexta-feira, 23. Começa agora, com a presidência do ministro Cezar Peluso, um período de reserva. Com estilo diferente do perfil do atual presidente do STF, Gilmar Mendes, Peluso já deixou claro que prezará pela contenção ou, nas palavras do próprio, adotará uma postura de severidade e gravidade, características que ele considera virtudes tradicionais de um magistrado e fundamentais para garantir o prestígio e a confiança na justiça.

Avesso a entrevistas e a declarações públicas, Peluso não se envolverá em polêmicas em torno de temas políticos ou que estejam fora do tribunal, proposta que tem o apoio de quase todos os ministros da Corte. Seu entendimento, de acordo com pessoas próximas aos ministros, é de que ultimamente os juízes têm falado demais e sobre assuntos diversos. Peluso é o primeiro ministro indicado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva a assumir a presidência do tribunal. Sua indicação para o STF começou a ser construída ainda no governo Fernando Henrique Cardoso.

Peluso chegou a ser cotado, mas o então advogado-geral da União, Gilmar Mendes, acabou sendo o escolhido. No governo Lula, seu nome protagonizou uma disputa interna no governo. José Dirceu, então ministro-chefe da Casa Civil, tentava emplacar outro magistrado de São Paulo na Corte. Márcio Thomaz Bastos, que era ministro da Justiça, brigava por Peluso e acabou convencendo o presidente a escolhê-lo.

2 comentários em “STF mergulha em período de reserva

  1. Gerson, tomara que o Peluso adote mesmo essa postura, pois é o que se espera de um representante de uma instituição tão importante e “séria” como o STF. Pra mim, o Gilmar Mendes era muito bocudo.

Deixe uma resposta