Esquartejamento em marcha

Defensores do esquartejamento do Estado do Pará mobilizam-se para pressionar, nesta terça-feira, em Brasília, os líderes dos principais partidos na Câmara dos Deputados para que priorizem na pauta de votação os projetos de criação dos Estados de Carajás e Tapajós. Delegações de políticos e empresários dessas regiões já se deslocam para a capital federal, a fim de reforçar o corpo a corpo em defesa da definição dos plebiscitos.

Papão pronto para pegar Tartaruga

Sem Sandro, Didi, Moisés e Fabrício, por lesões ou suspensões, o técnico Charles Guerreiro praticamente já definiu a escalação do Paissandu para a partida desta terça-feira, às 20h30, contra o Ananindeua, na Curuzu, pela terceira rodada do returno do Parazinho. Sandro e Didi estão contundidos, Fabrício está em observação e Moisés cumpre suspensão pelo terceiro cartão amarelo. 

O time provável é: Alexandre Fávaro; Claudio Allax, Leandro Camilo, Paulão e Álvaro; Tácio, Alexandre Carioca, Marquinhos e Tiago Potiguar; Bruno Rangel e Luciano Dias.

Coisas do futebol

Sensação do pouco empolgante Paulistão deste ano, o novato Grêmio Prudente cumpre campanha impressionante, com cinco vitórias consecutivas e muito perto de garantir presença nas semifinais. Tudo sob o comando de Toninho Cecílio, ex-zagueiro e gerente demitido do Palmeiras – que, por sinal, já não tem chances de ser finalista do torneio.

Deco diz que seria fácil jogar na Seleção

O meia Deco afirmou em entrevista publicada nesta segunda-feira pelo jornal português “A Bola” que há jogadores que vestiram a camisa da seleção brasileira e “não fizeram metade” do que fez em sua carreira. A declaração surgiu quando o luso-brasileiro foi perguntado se tinha decidido jogar por Portugal por não ser convocado pelo Brasil.

“Com a minha carreira, a coisa mais normal seria ter jogado pelo Brasil. Há jogadores que não fizeram metade que já fiz e vestiram aquela camisa. Jogar na Seleção Brasileira seria a coisa mais fácil e natural para quem ganhou tudo no Porto, foi titular indiscutível no Barcelona durante quatro anos e joga em um dos principais clubes do mundo. A minha carreira fala por mim”, afirmou o meia. “Aliás, quando me decidi por Portugal, em 2003, o Brasil não tinha jogadores com as minhas características”, completou.

Deco também falou sobre a partida contra o Brasil pelo grupo G da Copa do Mundo deste ano, na África do Sul, e disse que será “um jogo especial”. “Claro que é um jogo diferente de todos os outros, mas é evidente que quero vencer. Quis jogar por Portugal e vou defender a camisa até ao fim. Quando tomei essa decisão, sabia que estes jogos poderiam acontecer. E, se marcar um gol, nenhum brasileiro poderá ver isso como uma traição à nação onde nasci”, afirmou. (Da ESPN)

Como se diz lá em Baião, trata-se de um “cabôcu cheio de pavulagem”. Sempre achei supervalorizado, enceradeira típico.

Resultados da enquete 2

A enquete que perguntou se o Remo vai construir o novo estádio com os R$ 18 milhões previstos teve a seguinte análise dos colaboradores do blog: 63% entendem que o clube não construirá a nova arena por esse valor. Já 19% acreditam que sim, levando em conta que AK e equipe conduzem o negócio de maneira a preservar os interesses do Remo. E 18% avaliam que, contestada judicialmente, a venda do Baenão não se concretizará. Detalhe importante: trata-se de uma consulta livre, sem valor científico.

Tribuna do torcedor – 11

Por Mauro Negrão (helezcallebe@yahoo.com.br)

Gostaria de parabenizá-lo pelas sempre brilhantes assertivas, seja nas suas participações no “Bola na torre” ou em sua coluna no Diário do Pará, da qual sou leitor assíduo e fã incondicional. Entretanto, permita-me fazer alguma indagação e também manifestar minha opinião. 
A propósito do artigo “O pagode do preconceito”, deste domingo (04/04), não sei se o fato de uma pessoa deixar de entrar em uma mesquita, sinagoga, igreja protestante, casa espírita etc. caracteiriza-se por preconceito. No tocante à consciência política e a militância em causas sociais, você mesmo citou nomes (entre outros) que, “a seu modo” desenvolvem algum trabalho nesse sentido… Penso que jogadores são pessoas normais, como advogados, empresários, políticos ou jornalistas, uns fazem sua parte outros nem tanto, mas não se pode generalizar.  
Mas, voltemos ao preconceito! Nestes dias, a mídia de um modo geral tem dado grande cobertura aos festejos alusivos a um grande e ilustre brasileiro, que se vivo estivesse estaria completando um século. Homem comprometido com o bem do seu semelhante, generoso, que quase tudo quanto ganhava dividia com os destituídos de oportunidades, chamado Chico Xavier. Mas, a propósito, você tem notícia de que ele tenha visitado alguma instituição evangélica? Se não o fez, seria por puro prconceito? O que lhe parece ? Outro que me custa entender é que quando algum muçulmano, judeu ou espírita comete algum delito ou algo politicamente incorreto ninguém (leia-se os formadores de opinião) cita a sua religião, mas se for um evangélico o termo em maior destaque é sua religião, e não o fato em si. Por que será? Não estaria enrrustido aí um pouquinho de preconceito?
No caso dos jogadores citados em sua coluna, não resta dúvida de que cometeram um ato falho digno de nosso repúdio. Penso que existem muitas maneiras de manifestar algo que não é muito comum na sociedade moderna, que é a solidariedade humana ou amor ao próximo, sem necessariamente precisar entrar em algum lugar que vá de encontro a princípios que abraçamos. Agora ficar pagodeando enquanto outros se solidarizam… convenhamos, é demais! De fato, preconceito é algo insuportável que não pode nem deve ser tolerado!

Pressão da CBF pode beneficiar Coritiba

A campanha aberta do presidente da CBF, Ricardo Teixeira, em favor de Kléber Leite para a presidência do Clube dos 13 está levando a algumas ações que começam a chamar atenção. Depois da ameaça ao S. Paulo em relação à utilização do Morumbi na Copa de 2014, Teixeira teria prometido à direção do Coritiba a absolvição do clube e liberação do estádio Couto Pereira – suspenso depois da batalha campal na rodada final do Brasileiro de 2009 – no próximo julgamento do caso pelo STJD. A previsão é de que o recurso do Coritiba entre na pauta da sessão desta semana do tribunal. A conferir.