Neymar pode ser suspenso por 18 jogos

A Procuradoria do Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo (TJD/SP) foi mais severa do que o esperado. Nesta quarta-feira, denunciou Neymar por agressão física e atitude antiética, pela expulsão contra o Palmeiras, e pode suspendê-lo por até 18 partidas. O julgamento ocorrerá na segunda. No clássico de domingo, vencido pelo Palmeiras por 4 a 3, o atacante santista fez falta dura em Pierre, por trás, e ofendeu o árbitro Antonio Rogério do Prado após ser expulso. 

Inicialmente, esperava-se que o jogador fosse denunciado por jogada violenta – suspensão máxima de seis jogos -, mas o TJD surpreendeu e considerou a falta em Pierre uma agressão, com suspensão prevista de quatro a 12 partidas. Também indiciado pelos xingamentos ao árbitro, sua pena pode assim chegar a 18 confrontos. (Da Gazeta/AFI)

Sinomar tem dúvidas para escalar o Remo

Como Levy e Vélber estão vetados para o jogo contra o Santos, o técnico Sinomar Naves tem duas dúvidas para escalar o Remo: Ramon ou Marlon e Gian ou Samir no meio-campo. Provável escalação: Adriano; Índio, Raul, Pedro Paulo e Paulinho; Danilo, Fabrício, Ramon(Marlon) e Gian(Samir); Marciano e Héliton.

Campeonato paraibano

Do blog Sobrinhos do Gerson
 
Neste domingo eu não pude ir a Garanhuns assistir ao jogo do timba e rever umas amigas que fiz em um dia de jogo de chuva aqui no Recife, tive que ir a Jampa, capital paraibana, cidadezinha aconchegante e aprazível. Aproveitando que tava lá levando um casal de gringos turístas, meio pederásticos e tal, fui ao jogo do Souza, time que eu acompanhei quando me juntei com uma paraibana e morei lá um tempo.
Logo na entrada fui informado pelo cidadão fardado que eu acho que não era um policial que eu não podia falar palavrões, no reflexo eu mandei um “puta que pariu, porque não pode?” o defensor público local logo me repreendeu avisando que eu tinha acabado de infringir a lei.
Consciente do meu erro, perguntei qual seria a minha pena, o mané mago tacou que eu não sofreria pena nenhuma, pois a nova lei não prevê punições, a não ser a retirada do torcedor do estádio e como eu ainda estava entrando ele não podia me retirar, de imediato eu dei uma gaitada e falei: “si fudeu rapá hahahahah” e fui adentrando o recinto a partir daí um cidadão de bem, educado, respeitoso e paciente com o jogo e o juiz.
Iniciado o jogo, dava pra perceber a dificuldade do torcedor em ver quanta coisa feia acontecia dentro de campo e ver só seu bom e velho palavrão proibido, em determinado momento a torcida passou a deixar o jogo pra lá, pois estava muito dificil de acompanha-lo e começou a ficar greiando uns com os outros. Foi então que um negão lá do outro lado da arquibancada tacou:
“Ei! do bigode! esse cinto de vaqueiro aí, quem comprou pra tu? Foi teu avô, foi?”
De imediato, eu respondi:
“Não! foi a tua mãe!”
O “militar”, que fiscalizava a educação da turma tal qual uma professora primária, disparou em minha direção e pediu a minha retirada… eu disse pra ele que tinha falado a palavra “MÃE”, mas ele estava irredutível na decisão de me retirar, até que o autor da piadinha inicial disparou pra cima do guarda dizendo: “Minha mãe não é palavrão não, viu, seu bixiguento!”
De imediato, o homem de farda retirou a queixa momentânea e eu e o piadista passamos a concordar que fila da puta mesmo era essa porra dessa lei.

Todos os 708 jogos das Copas

Graças às inovações tecnológicas atuais, quem assistir à Copa-2010 terá direito a uma imensidão de detalhes, entre eles câmeras que captam os movimentos mais sutis dos atletas, informações sobre os bastidores da competição, gráficos, estáticas e análises dos lances duvidosos. Hoje em dia, tudo isso é muito comum para quem acompanha o futebol e fica até difícil imaginar como seria a cobertura do Mundial nos remotos anos 30. O lançamento da editora Lua de Papel, do grupo Leya, chega exatamente para resgatar o que ficou perdido nas décadas em que os recursos técnicos para transmitir e até mesmo gravar as partidas eram escassos.

No livro “O Mundo das Copas”, o jornalista Lycio Vellozo Ribas disponibiliza detalhes dos 80 anos de Mundial. Depois de seis anos de pesquisa, o autor reuniu estatísticas, escalações, placares e arbitragem dos 708 jogos disputados até hoje. Além disso, o livro ainda traz curiosidades e dados pitorescos, como as mais importantes viradas de placar, as maiores goleadas, as cenas insólitas, os gols contras e pênaltis perdidos que mudaram o rumo da história, entre outros. (Da Folha Online)

*

“O Mundo das Copas”
Autor: Lycio Vellozo Ribas
Editora: Lua de Papel
Páginas: 608
Quanto: R$ 69,90
Onde comprar: Pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

Ficha técnica: Paissandu x Palmeiras

Paissandu x Palmeiras

Local: estádio Edgar Proença (Mangueirão), 21h50

Paissandu – Fávaro; Cláudio Allax, Paulão, Leandro Camilo e Zeziel; Tácio, Sandro, Marquinho e Fabrício; Bruno Rangel (Luciano Dias) e Moisés. Técnico: Charles Guerreiro.

Palmeiras – Deola; Eduardo, Danilo, Léo e Armero; Pierre, Edinho, Cleiton Xavier e Diego Souza; Everton e Robert. Técnico: Antonio Carlos Zago.

Árbitro – Rodrigo Nunes de Sá (RJ); auxiliares – Ricardo de Almeida (RJ) e Gean Carlos Menezes de Oliveira (RR); 4º árbitro – Cláuber José Miranda (PA).

Ingressos – R$ 20,00 (arquibancada), R$ 40,00 (cadeira), R$ 10,00 (meia); cartão Fiel Torcedor Bicolor – grátis (VIP), R$ 10,00 (Super Papão).

Na Rádio Clube – Geo Araújo narra, Rui Guimarães comenta; reportagens – Dinho Menezes.

Na TV – ESPN, Band (para o Brasil, menos Belém) e Sportv transmitem.

Coluna: Barba, cabelo e bigode?

Depois de um grande jogo, no último domingo, entre Remo e Paissandu, o torcedor paraense tem a oportunidade de ver hoje à noite outro confronto de alto nível. Pelos bons tempos do nosso futebol, que já vão longe, adquirimos a mania de achar que nossos times são quase imbatíveis em casa. No passado, era assim. Hoje, nem tanto.
Ainda assim, embalado pela grande vitória sobre o rival, o Paissandu tem reais possibilidades de superar o visitante, embora o favoritismo esteja do lado paulista. Com jogadores mais qualificados e em franca evolução desde que Antonio Carlos Zago substituiu Muricy Ramalho no comando, o Palmeiras também traz um resultado digno de respeito. 
Virou um placar que parecia perdido, domingo, dentro da Vila Belmiro, sobre o Santos de ataque arrasador e dos meninos malabaristas – que já estão na cidade para pegar o Remo amanhã. Além da capacidade de reação, mostrou um conjunto competitivo, afinado e que ganhou qualidade com a entrada de Lincoln e Everton.
No Paissandu, o maior perigo está na empolgação que domina a todos pela maneira acachapante como suplantou o velho rival. Há a ambição (legítima) de fazer barba-cabelo-bigode, contabilizando vitórias, hoje e domingo. Do presidente ao porteiro do clube, quase todo mundo passou a olhar Moisés como super craque e a enaltecer Didi como excepcional centroavante. Já há quem veja no “molequinho da Curuzu” a versão melhorada de Neymar. 
Exageros à parte, Charles Guerreiro pode escalar um time forte, capaz de suportar a pressão e tenha forças para ir ao ataque, sempre que surgir espaço. Flávio Medina pode entrar na lateral direita e Zeziel na esquerda. Um problema: meio-campo não terá Tiago, o motorzinho de domingo. Sem ele, Charles terá que se valer de Marquinhos, meia que andou esquecido na Curuzu durante a era Barbieri. No ataque, a grande esperança: Moisés, que não é Neymar, mas anda jogando muita bola.
 
 
Vejo o VT do histórico embate Alemanha x Holanda, em 74, e não desperdiço a oportunidade de rever alguns conceitos, passados 36 anos. Sempre tive na memória a impressão de que a Laranja Mecânica tinha sido avassaladoramente melhor e havia perdido nos detalhes. Constato agora que a Alemanha sofreu o gol logo a um minuto, após arrancada de Cruyff que resulta em pênalti, e a partir daí soube reconstruir seu jogo, com habilidade e técnica refinada. Enfrentou a habilidade, rapidez e a incrível objetividade da máquina holandesa, mas foi superior.
Título merecido, com todas as honras. Aliás, um dos preciosos ensinamentos de Cruyff, a propósito daquele jogo, foi a de que fazer um gol muito cedo numa final de Copa é um fardo pesado demais. Obrigatório registrar o show proporcionado por Paul Breitner, Overath, Berti Vogts, Rep, Kroll, Suurbier. E, acima de todos, Sepp Mayer, o pai de todos os goleiros. Fez umas seis defesas magistrais no 2º tempo. Um monstro. Aliás, diz a ESPN, Mayer foi convencido a virar goleiro pelo próprio Kaiser, seu amigo de infância. Sem dúvida, um grande conselho. 

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta quarta-feira, 17)

As noites de arromba na corte imperial

Por Leslie Leitão (O DIA)

Artistas, travestis, garotas de programa, jogadores de futebol. A mansão de Adriano está lotada para mais uma noite de arromba. Esta, no entanto, promete um algo mais. A atração especial enlouquece os convidados. Alguns caem no chão, rolam de rir. Não acreditam na cena que presenciam. Um asno de verdade e um anão entram em ação para um bizarro show de sexo explícito que faria inveja ao imperador romano Calígula, famoso pelas orgias que promovia. A história, contada por dois companheiros de Flamengo e confirmada por um empresário, beira o inacreditável. E ajuda a traçar um pouco da personalidade conturbada do craque. Ao mesmo tempo em que fazia gols decisivos, levava o time ao campeonato brasileiro, entre tantos episódios de indisciplina relevados pela diretoria, Adriano colecionava histórias mirabolantes que revelam a vida louca que o camisa 10 leva fora das quatro linhas.

Resistir à tentação, no caso de Adriano, é reconhecidamente difícil. Após uma de suas intermináveis festas organizadas durante as férias de fim de ano, já eram quase 16h e o craque ainda dormia em seu quarto. Uma mulher queria falar com ele, acordá-lo para mais sexo, mas acabou tendo a ideia barrada por um assessor. 

CARDÁPIO FEMININO

Nesse vasto cardápio feminino — que inclui mulheres frutas, atrizes, modelos e ex-BBBs — um rapaz de nome Ed tem papel fundamental. Sempre cercado de amigas, é uma espécie de agenciador sexual. E é sempre bem-vindo, onde quer que Adriano esteja. Seja em casa, seja no camarote VIP da People, uma das boates mais frequentadas pelo Imperador. A conta sai barata. Basta pagar o táxi das moças para casa.

Nessa coleção de beldades, entre famosas e anônimas, nenhuma delas causou tanto impacto quanto Joanna Machado. “Não deu certo com a Cássia porque ela ficava na Internet o dia inteiro, era tranquila demais. Essa não. Ela vai lá atrás dele nas favelas da Penha e não quer nem saber”, conta um amigo do craque. Joanna, noiva do craque, foi protagonista do barraco da semana passada, que teria provocado a depressão do Imperador.

Ela brigou de forma violenta com Adriano na favela da Chatuba, onde ele participava de uma festa com outros jogadores do Fla. A Cássia, em questão, é Cássia Menega, com quem parecia viver a fase mais ‘light’ de sua carreira. Mas nem o fato de a moça de fora estar dentro de sua casa no Rio era obstáculo para o artilheiro. A diferença era que, em vez de ‘jogar em casa’, atuava numa das suítes do Hotel Sheraton.

Às vésperas de Cássia voltar para Porto Alegre, onde teria de fazer uma prova, Adriano decidiu ‘chutar o balde’. Ficou dois dias fora de casa e, na segunda-feira em que ela embarcou, ele ainda não tinha voltado. O ponto final foi por telefone. Sem pedir licença, a ex-BBB Priscila já tinha feito a cabeça do jogador. Os dois sempre negaram o caso. Mas a intimidade era tanta que, certa vez, ela tocou a campainha da casa dele às 2h15 da madrugada. Depois de alguns chopes, Adriano montou na moto e foi levá-la em casa. Eram quase 5h.