Coluna: Desacertos no Paissandu

Belém teve um prefeito muito popular, conhecido por ser “tarado” pela Doca de Souza Franco, em função das obras que realizou naquela avenida. Numa apropriação forçada daquela expressão, pode-se afirmar que a atual diretoria do Paissandu é tarada por contratações. Só isso explica tamanha compulsão por aquisições sem qualquer critério. Até ontem, 48 jogadores tinham sido contratados para o campeonato regional.
Quando o campeonato ainda estava por começar, o Paissandu pontificava no noticiário pela quantidade de contratações agendadas. Primeiro, chegaram 14 jogadores, acompanhando o técnico Nazareno Silva e atendendo à estranha parceria firmada (mas não assumida) com o empresário Genival Santos. Ainda em novembro, mais nove atletas foram incorporados ao elenco, que passou a contabilizar quase 40 figurantes, contando ainda com os jogadores remanescentes da frustrada campanha no Brasileiro da Série C.
Pelas razões largamente conhecidas, dias antes do começo do campeonato, o técnico foi dispensado e junto com ele zarpou da Curuzu grande parte dos primeiros importados, praticamente todos reprovados por deficiência técnica. Nem bem o novo comandante foi confirmado, no final de dezembro, começou o desembarque em massa de novos reforços.
Nas minhas contas, mais oito jogadores aportaram no Leônidas Castro na primeira semana de 2010. Alguns sequer estrearam – casos de Rancharia, Romeu, Marquinhos e Adônis –, outros apenas fingiram jogar (Muçamba, Parral, Brida, Marcus Vinícius). Haveria mais gastança, com a chegada de outra leva de 11 jogadores. Foi a vez de Didi, Enilton, Edson Pelé, Paulão. 
Com tanto jogador por metro quadrado, era até previsível que o técnico tivesse aperreios na hora de montar o time. Não satisfeita, a diretoria ainda traria Bruno Agnelo, Álvaro, Fabrício e Tiago Potiguar. E há, ainda, a promessa de mais um volante, Serginho (ex-Remo), e um novo zagueiro.
Não surpreende que Luiz Carlos Barbieri tenha pedido as contas, depois de acertar sua vida com o Mixto. Nenhum treinador, com um mínimo de seriedade e nome a zelar, aceitaria compactuar com tamanha barafunda. Charles Guerreiro, o interino, herdou o brutal desafio de encontrar 11 jogadores tecnicamente confiáveis para escalar.
 
 
O baluarte Pedro Adalberto Maia, agoniado com esse jeitão pragmático da Seleção, reclama do futebol chinfrim apresentado no amistoso em Londres e com a arrogância do treinador. “Quando outras seleções que são tradicionalmente fortes candidatas fazem amistosos com adversários bem preparados, a nossa pega uma Irlanda que não possui tradição e nem um time à altura do hoje bem jogado futebol mundial. Ainda assim jogou bem e se tivesse um pouco mais de motivação poderia complicar. Hoje o Brasil depende unicamente do talento do Kaká, haja vista que o resto é só madeira de dar em doido. Tem muito volante e pouca criatividade. Para piorar, o Dunga anda ‘se achando o tal’. É arrogante, grosso e mal educado. Geralmente esse tipo de gente tem um final muito triste. As razões para deixar o Gaúcho de fora não convencem”, opina.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta quinta-feira, 4)

16 comentários em “Coluna: Desacertos no Paissandu

  1. Pelas declarações que Barbiéri vinha fazendo, pela insatisfação demonstrada, sua saída não deve ter surpreendido a ninguém. O que espanta é o seu destino.

    É acima de tudo humilhante para o Paysandu ser trocado pelo Mixto, um clube que não existe no cenário do futebol brasileiro. Revela que agora estamos nivelados com um futebol inexpressivo como o do Mato Grosso. Para a turma de fora tanto faz trabalhar aqui como lá.

    Os problemas não acabam aí, como muita gente pensa. E aponto dois imediatos:

    1) Os jogadores que chegaram com Barbiéri (e só vieram por causa dele) certamente ficarão muito insatisfeitos com a saída deste e já devem estar de malas prontas também (dão mais de um time inteiro).

    2) A contratação de um novo treinador (de nível, óbvio) será muito difícil a essas alturas, com o clube em situação financeira difícil e as más informações que Barbiéri dará do Paysandu. Não pode se repetir o mesmo erro da época do Gaúcho, que foi substituído por Valtinho, numa troca altamente desvantajosa para o Paysandu.

    Curtir

  2. Nao temos um dirigente a frente do Paissndú e sim um torcedor. LOP age sem planejamento, centraliza sua administração e contraria com sua arrogância e desfeitos seus auxiliares. Já está mais que na hora de parar para pensar até onde vai essas inconsequencias cometidas, antes que tenhamos que lamentar um problema sem solução para o clube, o financeiro.

    Curtir

  3. Os amigos estão por fora do futebol do Mato Grossso. O Mixto virou um Clube-empresa, está com boa estrutura e fez altos investimentos para esse ano, inclusive contratando reforços de peso como Adriano Gabiru, Luizinho Neto e Perdigão para o campeonato local, visando uma vaga na Série D. O projeto é levar o time a Série A em pouco tempo, e dinheiro não falta por lá, então não haveria pq negar uma proposta como essa, apesar de achar que eles tenham feito uma péssima aquizição.

    Curtir

  4. Negativo Cleiton, percebo que a tua visão está muito distorcida; pois hoje o que movimenta o futebol, acima de tudo, é grana.
    Outra discordancia, quem te disse que o Barbiéri é parâmetro para alguma avaliação em qualquer quesito que seja, em se tratando de futebol? o fato de ele ter trocado o BICOLOR AMAZÔNICO, pelo mixto, não significa nada, simplesmente é uma relação de mercado de trabalho, onde existe vaga e pagam melhor, o profissional para lá se manda.

    Mais um detalhe que comentaste, e te pergunto, qual foi a desvantagem para o BICOLOR ao contratar o Válter Lima para substituir o gaúcho,
    agressor de torcedor? desvantagem foi para o Valtinho, que herdou o plantel todinho contratado pelo gaúcho, não teve tempo hábil para trabalhar, lembras que só faltavam quatro rodadas para o final da série C? e contou com a desfaçatez da diretoria que não honrou a palavra empenhada ao contratá-lo.
    Volto a escrever com todas as letras:
    Nunca, na história do futebol deste Estado do Pará, foi proporcionado aos profissionais Regionais, a estrutura e o solicitado e a tolerancia concedido aos importados, é por isso que entendo que esses Cartolas, são endinheirados apenas, mas tem a Cabeça, minúscula, são subservientes, pois só valorizam o que é de fora, só o importado presta, o daqui não tem valor; coisa de COLONIZADO, em relação ao seu(dele) SENHOR.

    Curtir

  5. Não entendo o porquê do espanto pelo fato do Barbieri ter “deixado” o Paysandu por outro time, ainda que menos conhecido. Ele tem mais é que buscar um lugar onde possa continuar enganando os outros com os seus Parrais e Muçambas da vida.
    Maior que a barafunda na qual ele teria se metido por aqui no Paysandu, é a confusão na cabeça dele que nesse tempo não conseguiu em momento algum dar um formato ao time do Paysandu, que mesmo assim ainda chegou ao quadrangular final.
    Bye, bye, Barbi.

    Curtir

  6. Siceramente, amigo Gerson, o Futebol Paraense não sai disso, tão cedo. Estou decepcionado com tudo isso. Desculpe, mas não vou comentar, até para não repetir, o que já falo desde o início de seu Blog. Fico triste, por perceber que o torcedor não consegue enxergar isso. Falei, ontem, isso aqui. Agora eles vão conseguir fazer o que bem entendem com o Papão. Cheguei agora e me deparei, com as seguintes notícias:
    1º – Barbieri vai embora e Charles Guerreiro assume o Paysandu;
    2ª – O Papão está sondando: Arthuzinho, Marco Aurelio, Gallo e Samuel Cândido;
    3ª – Se o Papão ganhar domingo, Charles será efetivado(análise feita encima de 1 jogo e não do histórico)
    4ª- Sinomar dá uma palestra sobre esquema tático para pessoas interessadas em ser treinadores de Futebol.
    – Siceramente, mas acho que por hoje, já chega, gente, é muita incompetência e, se bobear, a gente acaba aprendendo a fazer essas bobagens.

    Curtir

  7. Mais chocante que a ida do Barbi para o Mato Grosso foi isso ter sido aceito com normalidade pela torcida. Sinal (final) dos tempos do futebol paraense. Acham perfeitamente normal o Mixto ter mais recursos financeiros que o Paysandu, apesar dos patrocínios jamais vistos obtidos pelo Bicolor este ano (350 mil). Sem considerar que o Mixto disputará a série D e o Papão está na C. Constata-se a cada dia o declínio de nossos clubes. Porém, mais tráfico do que isso é a assimilação natural do torcedor dessa queda vertiginosa como “situação de mercado” e outras justificativas que mascarem o constrangimento da situação.

    Curtir

  8. Se a situação é grana, que dizer dos patrocínios milionários que o Paysandu tem? Boa parte é dinheiro do Estado também. Se o Mixto consegue pagar melhor, estamos no fundo do poço.

    Quanto ao Valtinho, a falha da sua contração foi mais do que óbvia. O time que era ruim ficou pior e não conheço ninguém que tenha gostado do trabalho dele no Paysandu. EG era infinitamente melhor.

    Curtir

  9. Ajuda oficial o Paysandu também tem. Aliás, esses “altos investimentos” do Mixto com Adriano Gabiru, Luizinho Neto e Perdigão estão no mesmo nível dos que fez o Paysandu com Didi, Enílton, Sandro etc.

    Não bastasse isso, o Mixto é um time da série D. É incompreensível que Barbi tenha trocado o Paysandu por esse time.

    Curtir

  10. Leio, num site de esportes que o Mixto anunciou os 3 primeiros reforços, indicados por Barbieri: Fabinho, Parral e Ney(goleiro que está no Papão).
    -Gerson, penso, que Bonamigo, Hélio dos Anjos… . É daí pra cima, que o Paysandu deveria pensar para ser seu Técnico, se quizer subir para a série B, ainda este ano.
    – Mas, se quizer cair para a série D, também vai umas dicas aos incompetentes Luiz Omar e Aguilera, que estão brincando com esse clube:
    1- Márcio Bitencourt 2- Gallo 3- Arthuzinho 4- Lori Sandri( que falei aqui, em dezembro quando foi contratado pelo Santa Cruz, que não vingaria) 5- Marco Aurelio 6- Zé Teodoro 7- Flávio Barros 8- Todos que militam no Futebol Paraense 9- Desculpe, mas são tantos incompetentes, que a gente até se atrapalha e acaba passando mal, só de escrever. Te contar.

    Curtir

  11. Escrevi outro dia sobre os quatro laterais do PSC mais o Moçamba e o técnico que ao meu ver deveriam viajar juntos de volta de onde vieram, são todos muito fracos. Parece que a diretoria me ouviu , fico feliz. Agora imaginem se ele levar alguns desses chutadores de bola para o misto que time eles vão fazer ??? Deus nos livrou desses pernas de pau.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s