Torcida palmeirense já hostiliza novo técnico

O novo técnico do Palmeiras, Antônio Carlos Zago, ainda nem estreou e já enfrenta o azedume de parte da torcida alviverde. Na manhã deste sábado, um grupo de 50 torcedores protestou em frente à Academia de Futebol e não poupou o treinador e a diretoria das críticas. Antônio Carlos foi chamado de “racista” pelo grupo, que se mostrou contrário à demissão de Muricy Ramalho. Gritos de “volta, Muricy!” foram ouvidos em frente ao portão do centro de treinamentos do Palmeiras. Em março de 2006, já no fim da carreira como jogador, Antônio Carlos, na época no Juventude, foi acusado de racismo pelo volante Jeovânio, do Grêmio, e foi punido pela Justiça Desportiva. Além de detonar o novo comandante do Palmeiras, os torcedores também fizeram críticas ao presidente do clube, Luiz Gonzaga Belluzzo, e ao vice de futebol, Gilberto Cipullo. Antônio Carlos estreia no comando do Palmeiras neste domingo, no Palestra Itália, no clássico contra o São Paulo. (Da ESPN)

Ficha técnica de Remo x São Raimundo

REMO x SÃO RAIMUNDO

Local: estádio Baenão, às 20h30 deste sábado (20)

Remo – Adriano; Levy, Pedro Paulo, Rodrigo e Paulinho; Danilo, Fabrício, Gian e Vélber (Samir); Héliton e Marciano. Técnico: Sinomar Naves.

S. Raimundo – Labilá; Ceará, Filho, Evair e João Pedro; Marcelo Pitbull, Beto, Maurício Oliveira e Michel; Max Jari e Branco. Técnico: Flávio Barros.

Ingressos – R$ 15,00 (arquibancada), R$ 7,00 (meia entrada) e R$ 30,00 (cadeira).

Árbitro – Dewson Fernando Freitas. Assistentes – Márcio Gleidson Correia Dias e Aldemir Carvalho Reis.

Na Rádio Clube – Jones Tavares (narração), Gerson Nogueira (comentários).

Na TV – Cultura transmite a partida, a partir das 20h30.

Baenão: conselheiros aprovam proposta de venda

Com o contundente placar de 75 votos contra 2, os conselheiros e beneméritos do Remo praticamente selaram a autorização para que a diretoria venda o estádio Evandro Almeida à construtora Agra (representada pela empresa Leal Moreira).

Faltam apenas 23 votantes para validar a aprovação. Avaliado em R$ 33 milhões, o estádio remista será entregue aos compradores assim que metade da Arena do Leão (em local da Região Metropolitana ainda não divulgado) estiver pronta.

Durante a assembleia, aberta na noite de sexta-feira (19) e com término previsto somente para terça-feira (23), diversos beneméritos se pronunciaram, justificando o apoio ou as restrições à ideia do presidente Amaro Klautau e sua diretoria. Alguns oficializaram voto com ressalvas, como Djalma Chaves e Ronaldo Passarinho. Um dos dois votos contrários foi do ex-presidente Licínio Carvalho. Até membros de uma das torcidas organizadas, ligada à diretoria, compareceram em pequeno número para manifestar simpatia pela venda do estádio.

Ao final da reunião, ficou definido que duas comissões (de engenharia/arquitetura e questões jurídicas) serão formadas para analisar minuciosamente a proposta da construtora. Dois pontos ficaram estabelecidos em relação ao papel a ser desempenhado pelas comissões: indexação financeira dos parcelamentos da compra e exigência de carta de fiança bancária.

Segundo alguns conselheiros, o relato feito por dirigentes e advogados sobre o posicionamento da Justiça do Trabalho em relação ao leilão do Baenão pesou bastante na decisão de aprovar o encaminhamento do negócio. Uma das pendências que pode levar ao leilão envolve o ex-zagueiro Magrão, que exige o pagamento integral de R$ 350 mil. (Fotos: ALEX RIBEIRO/Diário)