Coluna: Sete gols e muitos erros

Um jogo de sete gols é sempre interessante de ver. Apesar do campo ruim, Independente e Remo se enfrentaram em pé de igualdade, sábado, em Tucuruí, e conseguiram balançar as redes sempre que as chances apareceram. O equilíbrio imperou desde os primeiros movimentos e só foi quebrado (por alguns minutos) no segundo tempo, quando o Remo esboçou uma goleada que terminou não acontecendo.
O resultado final apertado foi um bom retrato do campeonato. Os emergentes vêm criando grandes dificuldades para a dupla Re-Pa – com exceção daquela goleada remista (6 a 0) sobre o Ananindeua na primeira rodada. Longe de ser uma boa notícia, a disputa acirrada denuncia nivelamento por baixo, com equipes igualadas pela pouca inspiração, falhas grosseiras e nenhuma ousadia tática.
A rigor, além do Remo, que conseguiu disparar na liderança da primeira fase e parece apenas mais determinado que os demais, a competição não teve nenhum outro destaque até aqui. Como é cedo ainda, resta aguardar que as coisas melhorem com a chegada dos reforços do Águia, o renascimento do São Raimundo e a esperada evolução do Paissandu. 
Em Tucuruí, o jogo ganhou em disposição no segundo tempo, quando os dois times partiram em busca da vitória. Mais açodado, empurrado pela torcida, o Independente exagerou na dose e sofreu três gols em 13 minutos, dois deles em contra-ataques fulminantes conduzidos e finalizados por Héliton, melhor figura em campo.
A inesperada (para o próprio Remo) goleada mudou por completo as expectativas em campo. Diante do prejuízo, o Independente foi à frente para descontar de qualquer jeito e o time de Sinomar caiu na velha armadilha do relaxamento, passando a tocar bola como se a fatura estivesse liquidada. Não estava. Pressionada, em pouco mais de cinco minutos a defesa permitiu dois gols bobos e esteve a pique de ceder o empate.
Apesar do susto final e dos problemas na zaga, completamente zonza na partida, o Remo reafirmou a boa produção ofensiva e contabilizou a passagem antecipada às semifinais.
 
 
Samuel Cândido reclamou de um pênalti sobre Ró e da complacência da arbitragem com o azulino Raul. A primeira queixa é injusta, pois não houve falta. A segunda, porém, tem total fundamento: Andrei da Silva e Silva deveria ter aplicado o segundo cartão, expulsando o zagueiro.
 
 
A cada vez que o presidente do Remo associa as pendências trabalhistas do clube à urgência da venda do estádio Evandro Almeida, reforço minhas convicções de que existem outros caminhos para sair do atoleiro. Basta pensar e buscar alternativas – dirigentes são eleitos justamente com essa finalidade. Não creio que a Justiça do Trabalho desconsidere a possibilidade de um grande acordo em torno da dívida, a exemplo do que outros grandes clubes brasileiros já celebraram com sucesso.

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta segunda-feira, 15)

7 comentários em “Coluna: Sete gols e muitos erros

  1. Gerson, nem sempre cabe advertencia qndo por ocasiao de falta dentro da area penal…por isso o Andrey agiu corretamente em nao aplicar o que seria a expulsao do Raul…e ninguem comentou nem sei se assistiram, vc deve ter visto, que sabado no Maraca, o arbitro no segundo tempo informou acrescer 2 minutos e qndo o jogo chegou aos 45 e 28 segundos ele terminou a partida..rsrsr… ao lado, Professor Carlinhos nao entendeu nada e eu disse : regra 18, nos tiros livres quem perder é que fica marcado..o Alan foi e bateu no travessao….rsrsrs

    Curtir

  2. O Andrey é mais um árbitro tecnicamente muito bom( os outros mais recentes foram o Domingão e o Kleber Ribas) que corre o risco de abortar uma carreira promissora por querer agradar cartolas dos dois grandes. Será que ele esqueceu o fato mais positivo de sua carreira, naquele célebre PaissanduxCametá? Uma pena.

    Curtir

  3. O Independente Tucuruí, perdeu o jôgo, por falta de humildade, em não reconhecer que é time pequeno,
    Time pequeno, joga marcando em cima o cérebro do time adversário, não dando lhe espaços nem tempo para pensar; ao tentar jogar de igual para igual com o clube do remo, que é supeiror, rewcebeu o castigo na hora pór deixar solto o Gian.
    Só isso.
    Time qualquer neste Parazão, que quiser ganhar do remo, terá de marcar, o Gian e o Vélber, os demais são medianos, apenas.

    Curtir

  4. Caro Silas, jamais o Independente conseguiria jogar como time pequeno se quem jogou cauteloso foi o Remo que atuando defensivamente, como time pequeno, soube explorar os contra ataques. Que Jean soube tirar proveito disso aí eu concordo.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s