Coluna: O que vem depois da letra

Vi e revi o lance inúmeras vezes, até porque não há jeito de escapar, visto que a TV está repetindo exaustivamente. O gol de letra é saudado como a quintessência do futebol-arte e outras patacoadas do gênero. O que tem de cristão-novo cantando loas a Robinho pela finalização em cima de Rogério Ceni não está no gibi, como se dizia nos idos de 76. O tal jeito moleque é exaltado a cada cinco minutos, numa explosão de unanimidade que, de tão chata, imediatamente me põe na oposição.    
Eu sei, esse oba-oba tem um quê de pragmatismo. Muita gente já se apressa em trabalhar o clima ufanista de “pra frente, Brasil”, de olho na Copa do Mundo e no hexa. É o chamado marketing de resultados. Robinho, com o sorriso aberto que conhecemos, aquele ar maroto de eterno pedaleiro (misto de peladeiro com autor de pedaladas), é a bola da vez.
Perfil afinado com a imagem macunaímica do brasileiro comum, gentil, boa-praça e festeiro. Símbolo perfeito para o pachequismo de plantão, alimentado pelas figuras de sempre. Robinho, diz Galvão Bueno, recuperou a alegria de jogar futebol. Está mais leve e solto.
Depois do gol de letra do filho pródigo do futebol canarinho, o script está quase desenhado para apresentar à massa ignara: festa praticamente garantida nas arquibancadas e o Brasil inzoneiro e bom de bola só precisa ensaiar o desfile rumo às tribunas de honra do estádio de Joanesburgo, para pegar a Taça Fifa e trazer para casa. Fácil assim.
Recordo que tivemos esse mesmo clima ufanista cercou Ronaldo Fenômeno, Adriano e, há poucas semanas, Ronaldinho Gaúcho. A empolgação é geral, fanfarras invadem as ruas. Tudo em nome do futebol mais dançarino do mundo, capaz de desmanchar todos os nós e retrancas.
Só espero que Robinho, que refugou no galáctico Real Madri, forçou saída para a Inglaterra e acabou no clube errado – queria o Chelsea –, tenha reencontrado a condição de atleta profissional. Significa que se dedicará a treinos, tentará jogar regularmente. Afinal, jovem ainda, já é quase um veterano em andanças pelo mundo. E carrega uma eterna contradição: alterna momentos de Denílson com lampejos de Messi.
Por essa razão, o magistral gol de domingo só terá meu pleno respeito se for o sinal de uma fase estável e duradoura. Parece heresia falar assim, mas é bom não esquecer que Robinho sempre consegue fazer estréias monumentais, inesquecíveis. Foi assim em Madri, quando vestiu pela primeira vez a alva camisa do Real. Também arrebentou ao debutar pelo City. Será que vai quebrar a escrita nessa volta ao Peixe? Tomara. 
 
 
Rogério Ceni reclamar da paradinha de Neymar é assim como o roto falar do esfarrapado. Já vi o goleiro cobrar pênaltis com parada ainda mais demorada. Como também já testemunhei o ídolo tricolor se adiantar acintosamente na hora fatal, com a conivência de árbitros frouxos. Quem se mete a malandro não pode reclamar de malandragem. 

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta terça-feira, 9)

22 comentários em “Coluna: O que vem depois da letra

  1. Pô, Gerson, gol tão lindo quanto impedido. Impressionante como ninguém comenta isso. O Robinho tava impedido desde o começo da jogada. Vi ontem pelo youtube e fui confirmando enquanto dava pause na imagem.

  2. Ninguem comenta pq nao houve impedimento Dennis…a bola está mais proxima da linha de fundo que o atacante. Gerson, já enviei o premio ao vencedor do bolao..favor confirmar o recebimento do mesmo, ok ? deixei na portaria da Rede Brasil Amazonia…aguardamos outro RE X PA, ha ha ha ….

      1. Ele está atras ou na mesma linha da bola, portanto jogada legal, carimba Luciano, ops……rsrsrs

  3. ARGUMENTO CONVINCENTE
    Concordo com a idéia que o penalte é ao mesmo tempo punição e benefício. O beneficiado não pode ser prejudicado por qualquer tipo de recurso do infrator. O beneficiado já foi prejudicado quando faltosamente tiraram-lhe a vantagem de um gol normal. No caso do Neymar, se a bola fosse pra fora o juiz repetiria o lance alegando irregularidade de invasão da grande àrea?

  4. Bom dia Gerson Nogueira e Amigos do Blog;
    Gerson Nogueira e Tavernard Neves, concordo com os VV. comentários, só aqui quero acrescentar a minha alegria, de saber que a molecada (no sentido bem brasileiro, claro.) humilhou o arrogante R. Ceni, aquele mesmo que comando a panela do S. Paulo, aquela que detona os nortistas que por lá aportam, tentando um lugar ao sol; gostaria de ver a cara dêle, após o relâmpago Robinho, ter encaixado aquela letra no alfabeto dêle.
    Vida segue….

  5. Concordo que o Rogério é chato e confunde opinião própria com arrogância. É o ônus de quem pensa, algo raro em se tratando de jogador de futebol cujo QI geral já conhecemos. Por outro lado, acho que já está na hora da FIFA brecar as paradinhas em cobranças de penais. E verdade que o penal é punição, mais não precisa ampliar o benefício. O goleiro tem que ficar quase imóvel enquanto que o jogadeor pode cometer a irregularidade da paradinha. Já é desleal para o goleiro cobrança de penal com esse recurso malandro. Há um outro aspecto, também, Gérson. Normalmente, o goleiro que leva gol de paradinha, acaba sofrendo gozação da imprensa e dos adversários, por um ato de malandragem com o qual não teve culpa. Tenho uma dúvida para ser sanada pelos entendidos das regras do futebol. Em cobranças de tiros livres diretos (que não são penais), é permitida a paradinha? Se for permitida, constitui irregularidade pois deixa de ser chute direto ao gol.

  6. Nao houve impedimento, porque ele estava atras da linha da bola no momento do passe. Tive a mesma duvida, mas conferi no replay.

    1. em toda a jogada o robinho está na frente da zaga. na hora do chute, o q faz pensar q está na mesma linha é q o pé do zagueiro tenta interceptar a bola, mas o corpo e o outro pé de apoio está atras.

  7. Gerson, peço-lhe licença para noticiar e abrir a discussão. Ronaldinho Gaúcho está fora da lista para o amistoso de Março em Londres. Gilberto (Cruzeiro), Adriano e Kleberson (Flamengo) foram chamados. O Dunga aplica o principio de dois jogadores da posição para cada posição. Vai ser a mesa farta para para os teoricos e abelhudos do futebol brasileiro. Aguardem

    1. Concordo Tavernard, porém, entendo que o Dunga manteve a coerência, que está dando certo.
      O dentuço gaúcho, parece que não tem jeito mesmo, é só noitada; a atual conduta irresponsável daquele atleta?!?! não se coaduna com o esporte, portanto, pode ser premiado com uma convocação para vestir o manto Canarinho. Acredito.

    1. Qual é Dennis?!?!
      O que o futebol paraense tem a ganhar com o impedimento ou não do Robinho? a vida segue cara, os moleques da vila, azucrinaram os bambis e daí? aquilo prá quem gosta de futebol é C-O-L-Í-R-I-O, APENAS ISSO!!!

  8. Ja entendi o que o Dennis quer dizer (vi no youtube): Quando o Robinho recebe a bola ele realmente esta a frente de toda a zaga e, teoricamente, impedido. Ocorre que o cruzamento nao foi feito pra frente, porque a assistentecia veio para tras (a bola fez uma curva e veio para tras), entao ele esta atras da linha da bola, o que descaracteriza o impedimento, embora so tenha o goleiro na frente do triatleta. Portanto, gol legal.

  9. Gerson, não gosto do Robinho, acho ele um enganador pois só sabe fazer firula inutil, mas tenho que reconhecer: foi um golaço, também tive a impressão de que houve impedimento, mas depois vendo o lance repetido varias vezes cheguei a conclusão que ele estava atrás da linha da bola.

    1. Antonyo: Não vi impedimento, pois a bola veio da linha de fundo e ele estava atrás da linha da bola. O gol foi belíssimo, mas sigo achando que o Robinho precisa se decidir entre ser um driblador inútil e um atacante de verdade.

  10. Acho que no final das contas – espero estar errado – Robinho e Neymar acabarao como Denilson, todos com excesso de talento e ausencia de cerebro e de alguem que os ensine.

Deixe uma resposta