Torcedor pena para comprar ingresso no Baenão

Mesmo ainda sob ameaça de suspensão, os torcedores enfrentaram fila e tumulto nas bilheterias do estádio Evandro Almeida, na manhã deste sábado, buscando comprar ingressos para o clássico marcado para domingo. Em meio à confusão, centenas de torcedores tiveram que ser contidos por um pelotão de soldados da PM, chamados para pôr ordem na situação. Como somente duas bilheterias funcionavam (depois foram abertas mais duas), as filas se estendiam pela rua Antonio Baena, irritando os torcedores, que protestavam com xingamentos. Alguns passaram mal, em função do calor. Os problemas só foram normalizados por volta de 13h.  (Com informações do Bola; foto de THIAGO ARAÚJO)

Árbitro suspenso em S. Paulo vai dirigir o Re-Pa

Por solicitação do Paissandu, que não concordou com árbitro paraense, o Re-Pa de nº 702 será dirigido pelo paulista Paulo César de Oliveira, que pertence também ao quadro da Fifa. Paulo César está suspenso no campeonato paulista, depois de falhas graves em recente jogo do Palmeiras. Os auxiliares serão José Ricardo Guimarães Coimbra e Heronildo Sebastião Freitas da Silva. O quarto árbitro será Fernando José de Castro Rodrigues, ao lado de Cláuber José Miranda, todos do quadro de arbitragem da FPF.

Águia vence a primeira e entra no G-4

Pela quarta rodada do turno do Parazinho 2010, o Águia de Marabá venceu pela primeira vez e, de quebra, deixou a lanterna da competição e entrou para o G-4 da competição. A vítima foi o Santa Rosa, derrotado por 2 a 0, em partida realizada na manhã deste sábado no Baenão. 
Os gols surgiram logo nos primeiros minutos, através de Charles, de cabeça, aos 10 e Douglas, aos 24 minutos. Na etapa final, o Santa Rosa pressionou bastante, mas não conseguiu transformar o domínio em gols. A renda foi de R$ 658,00, para um público total de 273 torcedores, sendo 134 pagantes e 139 credenciados. (Com informações de Adilson Brasil/Rádio Clube)

Samir é a grande dúvida no Remo

Samir, meia-atacante que foi o principal nome do Remo no Re-Pa de dezembro, é a principal dúvida do técnico Sinomar Naves para o clássico deste domingo. O jogador se recupera de uma contratura muscular na coxa direita. Na sexta-feira, Samir chegou até a ser cortado pelos médicos, mas o tratamento específico que vem fazendo resultou em evolução positiva. Com isso, ele foi relacionado para concentrar com o grupo. Na manhã deste domingo, passará por uma avaliação final para saber se irá compor o banco de reservas. 
Na relação de atletas para o jogo, a novidade é o lateral-direito Índio, que poderá fazer a sua estréia com a camisa azulina. No time titular, Ramon está confirmado na vaga de Fabrício Carvalho, expulso diante do Santa Rosa, e Levy ocupará a lateral-direita. O time do Remo para o clássico diante do Paysandu será: Adriano; Levy, Pedro Paulo, Raul e Paulinho; Danilo,Ramon, Velber e Gian; Hellinton e Marciano. (Com informações do Bola)

Bolão de apostas para o Re-Pa

Galera, não vamos esquecer o bolão de palpites para o Re-Pa. Como, aparentemente, o jogo está confirmado, vamos acionar a bola de cristal e apostar com toda fé. Lembrando que, em caso de empate nos acertos, leva a melhor quem postou primeiro seu palpite aqui no blog. Dois prêmios serão atribuídos ao grande vencedor. O resultado será postado aqui até 20h deste domingo.

Justiça confirma Re-Pa no Mangueirão

Agora, ao que parece, o Re-Pa está mesmo confirmado. Toda a polêmica envolvendo o clássico, com duas tentativas frustradas de cassação da liminar que autorizou sua realização, chegou ao fim na manhã deste sábado. A desembargadora Raimunda Gomes Noronha, vice-presidente do Tribunal de Justiça do Estado, depois de fazer uma visita ao estádio, manteve a liminar que garante a realização do clássico previsto para este domingo, às 16h, no Mangueirão. Os ingressos estão sendo vendidos a R$ 20,00 (arquibancadas), no Baenão, Curuzu e sede da Federação Paraense de Futebol.

Trecho principal da decisão da presidente em exercício do TJE: 

“PROTOCOLO Nº 2010.3003193-8
PEDIDO DE SUSPENSÃO DE LIMINAR
REQUERENTE: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ
REQUERIDO: MM. JUÍZA DA 2ª VARA CÍVEL DA COMARCA DA CAPITAL
INTERESSADO: ESTADO DO PARÁ
Referente ao processo nº 2010.1.008193-7
Vistos etc.
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ, por meio da 3ª Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor, em exercício, com fundamento no artigo 4º da Lei nº 8.437/92, requer a suspensão dos efeitos da decisão proferida pela Juíza plantonista, Exma. Dra. Sandra Maria Aragão Klautau, e ratificada pela MM. Juíza Titular da 2ª Vara Cível da Fazenda Pública da Capital que, nos autos da ação ordinária de declaração de nulidade de ato jurídico ajuizada pelo ESTADO DO PARÁ, concedeu liminar “para autorizar a Federação Paraense de Futebol a utilizar o Estádio Olímpico do Pará, Mangueirão, em relação ao evento programado para o dia 07 de fevereiro de 2010, às 16:00 horas, ficando autorizada por este juízo a presença de apenas trinta e cinco mil torcedores”.
Requer a suspensão da referida liminar em face do manifesto interesse público e para evitar lesão à ordem, à saúde e à segurança pública, nos termos do art. 4º da Lei 8437/92.
Alega, em síntese, que a realização da partida entre os clubes Remo e Paysandu, no próximo dia 07 (sete), encontra duas barreiras. A primeira, de caráter técnico-operacional, já que o Estádio Olímpico do Pará não se encontra apto a abrigar eventos de qualquer natureza e a segunda, de cunho jurídico, em face da existência de um Termo de Ajustamento de Conduta – TAC, no qual o Secretário de Esporte e Lazer se compromete, expressamente, a só reabrir o estádio após a conclusão das obras necessárias para sua utilização, requeridas pelos órgãos de segurança responsáveis pela vistoria técnica do local.
É o relatório. Decido.
Primeiramente, cumpre deixar claro que o Presidente do Tribunal só deve utilizar-se do poder de contra cautela quando a decisão guerreada for suscetível de acarretar grave lesão a ordem, a saúde, ou a economia pública. Isto porque, não é dado ao Presidente da Corte suspender, pura e simplesmente, uma decisão judicial regularmente prolatada por um magistrado mediante a observância das regras do devido processo legal. Por isso, não se admite no pedido de suspensão de liminar o exame profundo das questões de mérito da lide, pois elas serão examinadas na via recursal adequada. No presente pedido permite-se, apenas, a alegação de violação aos bens jurídicos tutelados pela norma de regência.
Feito esse breve esclarecimento, cumpre realizar minuciosa análise das alegações do parquet, em juízo restrito ao exame da potencialidade ofensiva do decisum, o que, nesta via excepcional de impugnação, deve ser cabalmente demonstrado pela parte.
In casu, constato que o representante do Ministério Público não comprova suficientemente a existência de grave lesão a ordem, a saúde ou economia pública, de forma a acarretar a suspensão do maior evento esportivo do Estado. De fato, a nobre promotora, nas razões do seu pedido, se ateve unicamente a questões de mérito que, como dito, devem ser aduzidas em via processual pertinente, já que esta Presidência não pode ser considerada como mero órgão recursal, apto a remediar o inconformismo das partes, toda vez que provocada. (…)
Também deve-se considerar que os jogos do campeonato paraense de futebol vêm sendo realizados ininterruptamente no estádio desde 2003, sem notícia da ocorrência de incidente grave envolvendo torcedores, relacionado com a não conclusão das obras de reforma.
Ante o exposto, imbuída pelo espírito de sensatez com que pauto minhas decisões, entendo que não restou comprovado nesta estreita via de análise, o perigo de lesão a ordem, a saúde e a segurança pública, capaz de conduzir à suspensão da liminar atacada, razão pela qual indefiro o pedido.
Publique-se, registre-se e intime-se com a urgência necessária, utilizando, se preciso, os serviços de plantão judiciário disponíveis neste Egrégio Tribunal de Justiça.
Belém, 05 de fevereiro de 2010.
RAIMUNDA DO CARMO GOMES NORONHA – Presidente do TJE/PA, em exercício”

A farra da Copa 2014 já começou

Por Cosme Rímoli

Excelente. Ou indecente a matéria que a Folha de S. Paulo publicou. O jornal teve acesso a documentos do Ministério dos Esportes demonstrando o custo da Copa de 2014. Já houve um salto nada olímpico. Da previsão de R$ 2 bilhões em obrar para reforma dos estádios nada resta.

O custo chegará a, pelo menos, R$ 5,442 bilhões. Mais do que o dobro. E adivinha quem bancará a maior parte deste custo? Maior parte é para ser como brasileiro já é: muito bonzinho. O dinheiro público arcará com 94% dos gastos nos estádios.

Sim. Você leu muito bem: 94%. As entidades privadas arcarão com quase nada.

Os 6% calculados são R$ 25 milhões que o Atlético Paranaense gastará na sua Arena. Os R$ 130 milhões que o Inter conseguiu para o Beira Rio. E o São Paulo, que colocará R$ 150 milhões no Morumbi. O restante será bancado por governos estaduais que, segundo a matéria, não conseguiram parceiros na iniciativa privada.

Bem ao contrário dos primeiros discursos em 2007, quando o Brasil conseguiu se garantir como sede de 2014. Como comparação, a África gastará R$ 3,9 bilhões. Se é para chupar o sangue alheio, vamos lá. A Folha detalha os gastos. Estádio por estádio.

Lembrando que a previsão é do Ministério do Esporte. Beira Rio: R$ 130 milhões. Arena da Baixada: R$ 138 milhões. O Morumbi: R$ 240 milhões. A Arena de Dunas no Rio Grande do Norte: R$ 350 milhões. O Mineirão: 426 milhões. O Verdão do Mato Grosso: R$ 454 milhões. O Vivaldão em Manaus : R$ 515 milhões. A Arena Recife: R$ 529 milhões. A Fonte Nova em Salvador: R$ 592 milhões. O Maracanã: R$ 600 milhões. O Castelão em Fortaleza: R$ 623 milhões. O Mané Garrincha em Brasília: nada menos do que R$ 745 milhões.

Os grandes empreiteiros do Brasil agradecem de joelho esses novos estádios. As perguntas são muitas. A indignação dos altos custos. As falsas promessas. Mas algo não quer calar.

O que acontecerá com as ultra mega blaster arenas das Dunas, Verdão, Vivaldão, Mané Garrincha, Castelão,  Recife? Quem jogará nesses estádios depois da Copa do Mundo? Os estados donos dessas arenas só tem um clube na Série A. O Ceará (obrigado, leitores.). Só o glorioso Ceará…

Todas essas arenas servirão para quem? Quem lucra com tantos estádios que têm tudo para se transformarem em elefantes brancos depois do Mundial?

E um detalhe: tudo é uma previsão. Os custos, na prática, quando as obras começarem podem e devem aumentar…

Ranking do programa sócio-torcedor

Quando a dupla Re-Pa tenta, às duras penas, estruturar programas de sócio-torcedor, vale a pena mostrar como anda a situação no resto do país. Abaixo, a lista dos 10 clubes mais bem estruturados nesse segmento. Detalhe: dos grandes cariocas, somente o Vasco aparece no ranking. O Atlético-MG e o Palmeiras também estão ausentes.

1º) Internacional, 100 mil sócios.

2º) Grêmio, 53 mil.

3º) Corinthians, 46 mil.

4º) São Paulo, 42 mil.

5º) Vasco da Gama, 28 mil.

6º) Santos, 25 mil.

7º) Atlético Paranaense, 22 mil.

8º) Cruzeiro, 18 mil.

9º) Coritiba, 18 mil.

10º) Ceará, 10 mil.