O último discurso (não proferido) de Zilda Arns

“Eu estou bem, sã e salva, mas perdemos a doutora Zilda”, foram as primeiras palavras da assessora pessoal da doutora Zilda Arns, irmã Rosângela Altoé, em um telefonema, na tarde de quarta-feira, para a Pastoral da Criança, informando o seu estado de saúde. Irmã Rosângela é prima da atual coordenadora nacional da Pastoral da Criança, irmã Vera Lúcia Altoé. Irmã Rosângela informou à assessoria de imprensa da Pastoral da Criança que estava a poucos metros da doutora Zilda Arns, quando houve o abalo sísmico. “Felizmente ela sofreu apenas arranhões. Ela disse que ia atravessar a rua quando houve o desmoronamento, vitimando de imediato a doutora Zilda e o tenente do exército que as acompanhavam”, afirmou uma das assessoras da Pastoral da Criança.
Antes de viajar para o Haiti, onde participava da Assembleia  da Conferência dos Religiosos do Haiti, doutora Zilda Arns escreveu um discurso para ser proferido na terça-feira, 12, durante o evento. Em um trecho de seu discurso, doutora Zilda falaria que o povo seguiu Jesus porque Ele tinha palavras de esperança, portanto, afirmava Zilda Arns, que todos nós somos chamados a anunciar experiências positivas e caminhos que levem as comunidades, famílias e o país a serem mais justos e fraternos. O discurso não chegou a ser lido, já que poucas horas antes, milhares de haitianos, 11 militares brasileiros e a doutora Zilda Arns faleceram no maior terremoto dos últimos 200 anos no Haiti. (Enviado pelo baluarte Hélio Mairata)

2 comentários em “O último discurso (não proferido) de Zilda Arns

  1. Perda irreparável, o mundo ainda precisava muito dela, principalmente nossas crianças desassistidas. Espero que ela esteja como sempre: em paz.

Deixe uma resposta