Eles mereciam tantas chances na Seleção?

Do Yahoo Esportes

Caso você não acredite como Afonso Alves, Vagner Love, Jô, Josué, Leomar e Doriva chegaram à Seleção Brasileira, não se incomode, pois você não está sozinho. O site britânico Goal.com elaborou sua lista dos 10 jogadores que vestiram a camisa amarelinha em pelo menos 20 oportunidades sem terem qualidade para tal feito. Há alguns nomes polêmicos, como Serginho Chulapa e Ricardinho, que para muitos mereceram suas convocações. Confira o “Top 10 – Como eles conseguiram jogar tantas vezes pelo Brasil?” e veja se você concorda com a lista.

10º) Amaral – 31 jogos

O volante de escassos recursos teve boa fase no Palmeiras e no Corinthians, na década de 1990, o que lhe rendeu muitas convocações, inclusive para as Olimpíadas de Atlanta-96. Sempre prestigiado por Zagallo, que chegou a elegê-lo como o “número 1” de sua seleção.

9º) Edilson – 25 jogos

O ‘Capetinha’ teve sua melhor fase com Felipão, no grupo que venceu a Copa do Mundo de 2002. Teve mais chance de mostrar seu futebol nas Eliminatórias do que na Copa. Acaba de ser reconvocado pelo Bahia, aos 38 anos.

8º) Kleberson – 31 jogos

Apareceu como grande revelação no Atlético-PR em 2001 e ganhou uma chance de Felipão no ano seguinte. Aproveitou e ganhou a vaga de titular no time campeão do mundo em 2002. Joga no Flamengo.

7º) Sávio – 44 jogos

O atacante passou pelas categorias de base da Seleção antes de virar profissional. No Flamengo, ficou conhecido como cai-cai e por integrar o “ataque do sono” (com Romário e Edmundo). Foi convocado de 1994 a 2000, quando jogava no Real Madrid.

6º) Ricardinho – 23 jogos

Craque indiscutível, de estilo clássico e especialista em lançamentos longos, no Brasil foi incontestável sua convocação para a Copa de 2002. Na Inglaterra, porém, nem chegou a entrar em campo, o que pode ter contribuído para sua surpreendente inclusão na lista do site inglês.

5º) Doriva – 35 jogos

De estilo violento, o volante, depois de aparecer no São Paulo, teve boa fase no Atlético-MG, onde ficou de 1995 a 1997. Ele foi convocado até 1998, quando já atuava no Porto. Esteve na Copa de 1998, com Zagallo.

4º) Zé Maria – 43 jogos

Revelado na Portuguesa, o lateral-direito foi convocado várias vezes entre 1996 e 1997, quando já atuava por Flamengo, Palmeiras e Parma, da Itália. Apesar do jeitão sonolento, voltou a ser convocado na Copa das Confederações de 2001, quando jogava pelo Perugia.

3º) Roque Junior – 48 jogos

O zagueiro teve seu auge na Copa de 2002, quando virou homem de confiança de Felipão. Após o título, continuou sendo convocado, mesmo não tendo tanto sucesso no Milan. Não é convocado desde 2005.

2º) Vampeta – 39 jogos

O volante de frases polêmicas e de futebol sempre contestado foi convocado muitas vezes entre 1999 e 2002, tendo participado do título mundial na Ásia. O fato de não ter feito sucesso no futebol europeu (ganhou o prêmio de perna-de-pau do ano na Itália), influenciou para o seu segundo lugar na lista inglesa.

1º) Serginho Chulapa – 20 jogos

Talvez seja o nome mais polêmico da lista, pois a média de gols do centroavante no São Paulo, clube pelo qual atuou de 1973 a 1983, e no Santos, em 1984 e 1985, era excelente. Fez parte do grupo que foi à Copa de 1982. Por não ter sido tão técnico, foi ironizado por Bobby Charlton como se fosse um jogador amador. Na verdade, Chulapa era o típico atacante grosso, mas que sabia fazer gols.

20 comentários em “Eles mereciam tantas chances na Seleção?

  1. Bom dia Gerson Nogueira e amigos do Blog;
    Os inglêses inventaram o futebol apenas; quantos títulos mundiais eles tem? unzinho somente se não me falha a memória; isso dá moral para emitirem opiniões desse calibre? aliás, isso talvez explique por que no cenário mundial, o futebol inglês não é vitorioso nem virtuoso como eles pensam.
    Então, porque ligar para o que eles dizem? estão querendo publicidade.

    1. Listas sempre são curiosas, Silas. E, de mais a mais, alguns nomes aí realmente não justificaram sua passagem pelo escrete. Vampeta, por exemplo, foi um tremendo enganador.

      1. É verdade. Passou um chuvisco no escrete, sem deixar saudades. O próprio Edmundo não jogou nada com a camisa canarinho.

      2. O Edmundo ficou marcado por estar na lista oficial da FIFA naquela final fatidica contra a França…quem acabou entrando foi o R 9 que ”tonto” não fez nada….rs…

      3. Mas o Edmundo entrou no segundo tempo daquela final e matou duas bolas de canela. Uma vergonha em escala mundial.

      4. Concordo Gerson Nogueira, o que não admito é a empáfia Londrina arvorar-se a lançar essas listas.

  2. Realmente o futebol brasileiro conta com alguns jogadores que arrebentavam no seus clubes e na seleção não rendiam nada. A verdade é que tem jogador que não tem estrela para vestir a amarelinha. O mesmo se aplica a nossa realidade regional,tem jogador que a imprensa local enche a bola (Marçal,Soares,Leandrinho são exemplos)mais esses jogadores só jogam em time pequeno,quando vestem a camisa da dupla RePA não jogam nada.

  3. A seleção canarinho tem vários bons (ou maus) exemplos de convocados “esquisitos”. O Fávaro, goleiro do Papão, defendeu a seleção brasileira uma vez (seleção pré-olímpica). Olha quem o acompanhou na empreitada: Alexandre Fávaro, Michel Santana (QUEM?), Jean (AQUELE QUE JOGOU NO SPFC E ANO PASSADO ESTAVA NO CURINTIA? TÁ BOM…), Milton do Ó (ZAGUEIRO MARROMENOS DO PARANÁ), Athirson (PIOR ESTRANGEIRO DA HISTÓRIA DA JUVE. POR ENQUANTO. FELIPE MELO AINDA FARÁ HISTÓRIA), Marcos Paulo (ESSE JOGOU NA PRINCIPAL), Mozart (TOCOU PIANO NA PRINCIPAL), Lincoln (TÍPICO JOGADOR DE CLUBE), Denílson (GRANDE ÍDOLO DO BLOGUEIRO – HEHEHE), Warley (UI), Adriano Gabiru (QUE COISA, NÃO?)
    Jogadores que entraram no decorrer dessa contenda:
    Alex (Muitas vezes, na seleção, jogador bom fica no banco)
    Ronaldinho (Pode bater no peito e dizer: “Já fui banco do Gabiru…”)
    Álvaro (Fez um campeonato correto pelo campeão Flamengo. Jogador mediano.)
    Mancini (Bom jogador. Não teve vez na principal)
    Fábio Júnior (Sonho de consumo da dupla RE x PA. Foi vendido por 20 milhões de dólares para a ROMA. Com essa grana o Cruzeiro construiu a Toca da Raposa 2. E a Roma ficou 20 milhões mais lisa.)
    Abraço!

    1. São absurdos tremendos ao longo dos anos, mas hoje, talvez pelos altos interesses pecuniários, a gente veja muito mais estrupícios do que antes. O mais recente é o Hulk, inventado pelo Dunga e já devidamente “valorizado” – até o Manchester estaria de olho nele.

  4. Aqui vai minha contribuição: Chiquinho Pastor e Zé Carlos, duas torpes invenções de Zagalo que, de tão estapafúrdias, muita gente nem se lembra.
    Quanto ao Serginho Chulapa, foi uma das grandes invenções de Tele Santana, em 82, assim como Paulo Isidoro, Valdir Peres e Luisinho muito inferiores a Roberto Dinamite, Adílio, Carlos e Edinho. Resultado, Lei de Murphy: começou errado, não acaba bem.

  5. nosso companheiro Silas negrão disse tudo, que moral eles têm pra soltar uma lista dessa, ou eles acham craque de bola o frank lampard, ou rooney, lá pra eles são craques, cada jogador viveu sua época no futebol, o kleberson arrebentou na copa de 2002, já hoje o povo fala por não jogar muito no flamengo, o problema é que o povo tem a memória curta demais, o ricardinho, o edilson, vampeta entre outroseram grandes nomes naquela época, mas hoje o tempo deles já passaram, como vai passar pra muitos….

  6. Não se espantem com a “lista” dos súditos de Sua Mjestade. Não esqueçam que eles gostam de beber Guiness (só eles conseguem), tomam chá e deliram com as corridas de galgos.

  7. E o que dizer do Josemar, entrou na seleção em 86 na contusão do Edson Boaro, fez dois gols de puta sorte e se tornou titular até a eliminação contra a França. Em relação ao Serginho, é bom lembrar que o preferido do Telê era o Careca que quebrou a perna e foi cortado às vésperas, sendo substituído pelo Roberto Dinamite. Aí, é preciso entender o contexto da escalação do Chulapa e do Paulo Isidoro. O Serginho era o reserva imediato de Careca e foi um dos maiores artilheiros do São Paulo na era dos pontas: Zé Sérgio entortava os laterais e cruzava na medida para o Negão que fazia gol a torto e a direito. O Dinamite já estava envelhecendo em 82 e só foi convocado pelo nome após a contusão do Careca. É preciso recordar que o Roberto fez uma boa copa em 78, graças ao Dirceu. A convocação de Paulo Isidoro se esxplica pelo momento de transição que vivia o futebol com o fim das funções clássicas dos pontas e quando entrava em campo, fazia um excelente papel de avançar, marcar e defender, coisa que naquele momento era raro a um atacante no Brasil. Foi essa mesma característica, porém com maior poder ofensivo, que levou o Telê a barrar o Zé Sérgio e preferir o Éder que fez uma brilhante Copa do Mundo. Agora dizer que o Edinho era superior ao Luizinho, aí é difícil. Luzinho era um zagueiro clássico que formou com o outro beckão clássico Oscar, uma das melhores duplas de zaga de todas as seleções brasileiras da história.

Deixe uma resposta