Tribuna do torcedor

Por Ricardo Von Grapp (ricovongrapp@hotmail.com)

Estou muitíssímo feliz com uma resolução que está sendo tomada pelos clubes, em questão Remo e Paissandu. Esta resolução de tirar setoristas de dentro dos clubes está me deixando confiante, fica claro que essas especulações de contratatações são meros boatos, atrapalha até mesmo os clubes em futuras contratações, todos os dias lemos nos jornais notícias que jogadores estão vindo para os times daqui, resumindo o jogador em questão acaba nem sendo sondado e nem proposta ele recebeu, fica provado que era tudo mentira.
Gerson, a esperança de dias melhores virão para nossos clubes, medidas como essas já deveriam ter sido tomadas a mais tempo, sempre toquei no assunto com amigos e alguns representantes da imprensa, até uma vez comentei com você em e-mail. Fica aqui meus parabéns pra esses representantes desses clubes, principalmente o meu glorioso e o mais querido Clube do Remo.
Gerson, tenha um Feliz Ano Novo com saúde, paz e muita prosperidade.

Disputa por volante agita até o mundo do rock

A simples notícia da possível transferência de Guiñazu para o São Paulo agitou até os bastidores do rock. A banda Ataque Colorado, autora do hit “Guerreiro Guiñazu”, prometeu riscar a música do repertório caso o jogador deixe o Beira-Rio para jogar no Morumbi. Os integrantes esperam que a relação entre Guiñazu e a torcida não desafine, no entanto, o tom é de apreensão com a bomba que ecoou como um solo de bateria. “Estamos perplexos com essa notícia. Ele é o ídolo máximo da torcida, me atrevo a dizer que é um dos grandes de nossa centenária história”, comentou Kako Kanidia, baixista e coautor da música. A opinião de Kako é compartilhada por Peppe Joe, a voz da banda, que também não vê sentido algum em manter a homenagem durante os shows do trio gaúcho.

Há antecedentes que comprovam que ex-jogadores do Inter não têm vez nas apresentações da Ataque. Sóbis, Fernandão e Rentería foram alguns dos que tiveram suas homenagens aposentadas. “Como torcedor, assumo que ficaria um pouco ressentido com ele. Como artista, perderia um dos maiores sucessos do grupo”, assumiu um dividido Peppe. (Do Portal Terra)

Colorado critica cobiça de S. Paulo por Guiñazu

O presidente do Internacional, Vitorio Píffero, disse que não existe possibilidade de o volante argentino Guiñazu ser negociado com o São Paulo e criticou a cobiça do time paulista pelo jogador. Esta semana, o diretor de futebol do São Paulo, João Paulo de Jesus Lopes, aconselhou o Inter a liberar o jogador argentino diante do desejo dele de se transferir para o time paulista. “Não vamos negociar qualquer jogador com qualquer equipe que seja nossa adversária na Libertadores. Não existe a menor chance. Essa história do Guiñazu é uma brincadeira do São Paulo, parece. Estão achando que isso aqui é fundo de quintal, como se bastasse ir lá e pegar quem quiser. Não tem a menor chance [de a transferência acontecer], a possibilidade é zero”, disse Píffero, em entrevista à Rádio Gaúcha. De acordo com o BID (Boletim Informativo Diário da CBF), o contrato de Guiñazu com o Inter acaba em 22 de junho de 2010. Os dirigentes do Inter alegam que há outro contrato feito até 2012. O motivo de o registro atual ir até 2010 seria o fato de o volante ser estrangeiro – por isso, não pode assinar contrato de trabalho por mais de dois anos. Assim, os dirigentes do Inter falam que o jogador só sairá mediante uma multa de cerca de US$ 20 milhões, quantia que o São Paulo nem cogita desembolsar. Ontem, o vice-presidente de futebol do Internacional, Fernando Carvalho, admitiu que Guiñazu deseja ir para o time paulista. “O agente Fabiano Ventura [autorizado por Guiñazu a oferecê-lo ao São Paulo] afirmou que Guiñazu não queria ficar no Inter, que desejava ser negociado ao São Paulo. Eu e o Vitorio dissemos que ele só sairia se o clube pagasse a multa [cerca de US$ 20 milhões]. Guiñazu ficou quieto. Foi uma reunião constrangedora”, afirmou. (Do Folhaonline)

Dorival aprova contratação de Giovanni

Do Folhaonline e Lancenet!

O técnico Dorival Júnior foi apresentado oficialmente pelo Santos nesta quarta-feira. O ex-treinador do Vasco disse que aprova a contratação do veterano meia-atacante Giovanni, 37, para a temporada 2010. “Eu acredito que o Giovanni, por tudo aquilo que já fez dentro do Santos, terá as portas sempre abertas. Dispensa comentários. Se estiver realmente preparado, com certeza ainda poderá ter grandes dias aqui dentro”, falou. Giovanni, que já teve outras duas passagens pelo time da Vila Belmiro, disputou o Campeonato Paulista deste ano pelo Mogi Mirim e depois decidiu se aposentar. No entanto, o jogador disse que pode repensar seus planos se for para jogar no time da Vila Belmiro novamente.

Credenciado pelo título na Série B com o Vasco, Dorival sabe que encontrará um ambiente de muita pressão na Vila Belmiro, mas garante estar tranquilo para lidar com a ansiedade da torcida. “Em todo trabalho, você precisa calcular os riscos. Estou entrando no Santos de peito aberto e pronto para trabalhar. Não tenho receio nenhum do que estou começando hoje. O Santos dá todas as condições para realizarmos um bom trabalho. Quero um grupo comprometido dentro do trabalho e isso eu não vou abrir mão”, disse.

Novo arcebispo vem de Minas

O novo arcebispo metropolitano de Belém é mineiro: o anúncio da nomeação de dom Alberto Taveira Corrêa foi feito nesta quarta-feira, 30, no Vaticano, e divulgado pela Arquidiocese paraense. A Arquidiocese de Belém estava sem titular desde a saída de dom Orani João Tempesta, em abril, quando de sua transferência para o Rio de Janeiro, após ter sido nomeado pelo papa Bento 16 para assumir a Arquidiocese carioca. Dom Alberto, 59 anos, nasceu em Nova Lima (MG), onde fez seus estudos primários. Em Belo Horizonte, cursou filosofia e teologia na PUC. Foi ordenado padre aos 23 anos e, em seguida, foi pároco em sua terra natal de 1973 a 1977. Antes de deixar a paróquia, fez um curso em Roma no Movimento dos Focolares. De 1978 a 1984, foi reitor do seminário provincial Conceição Eucarístico de Jesus, em Belo Horizonte, cidade na qual assumiu diferentes cargos. Em 24 de abril de 1991 foi nomeado bispo auxiliar de Brasília.

Na capital federal, dom Alberto assumiu diversas atividades pastorais. Por mandato da CNBB, foi indicado bispo assistente do movimento carismático. Em 1996, foi nomeado pelo papa João Paulo 2º o primeiro arcebispo de Palmas (TO). Atualmente, ele é vice-presidente do Conselho Administrativo da Fundação Populorum Progressio, presidente do regional da CNBB (Centro-Oeste) e membro da Comissão Episcopal para os Textos Litúrgicos. (Com informações da Ascom/CNBB e Arquidiocese)

Felicitações para o Ano Novo

Registro mais mensagens de felicitações pelo Natal (ainda) e Ano Novo. Retribuo a todos, com carinho e a esperança em dias realmente melhores para nós todos. Que venha 2010:

Adriano Zell, Eva Maués, Hélio Mairata, Dieese-PA, Adna Figueiredo, Pauta Comunicações, Marcelle Barbosa, Junior Ferrari, Victor Pinto, Norte Promoções, Reuters, Jorge Muzy, José Amaury da Silveira, Abelardo Sampaio, Cesupa, Márcio Sousa, Folhapress, Helder Barbalho, Boulevard Shopping, Marketing Bancorbrás, Alexandre Furtado, Camilla Delduque, Arnaldo Torres, Mário Quadros, Antonio Ponte Souza, Carlos Augusto Amaral Raiol, Marcelo Maciel, Tavernard Neves, Cláudio Santos, Edson Lima, Clayton Matos, Jorge Santos.

Balanço do Chelsea mostra perda de uma fortuna

O endinheirado Chelsea, líder do Campeonato Inglês, divulgou nesta quarta-feira seu balanço de contas com uma revelação preocupante: a perda de cerca de 44,4 milhões de libras esterlinas (49 milhões de euros). Apesar do valor, o dado é relativamente positivo para a entidade dirigida pelo magnata russo Roman Abramovich, já que foram amortizadas quase todas as dívidas pendentes. O Chelsea melhorou suas contas em relação ao ano passado, nas quais teve perdas no valor de 67,5 milhões de libras (73,5 milhões de euros). Além da redução da despesa financeira do clube, os resultados um pouco melhores foram consequência da recusa do proprietário do clube, Abramovich, de realizar as grandes contratações de outras temporadas.

Enquanto, em 2004, o clube gastou 218 milhões de euros em contratações, no ano passado destinou apenas 20 milhões de euros. Entre os pontos do relatório divulgados pelo clube, destaca-se que a finalização do centro de treinamentos em Cobham também reduziu a despesa, mas, em contraposição, indica-se que a demissão do técnico Luiz Felipe Scolari e de sua equipe teve custo de quase 14 milhões de euros. (Da ESPN)

Dica de (boa) leitura na internet

Por Marcelo Costa

Lançada pela Imprensa Oficial do Estado de São Paulo em 2004 para registrar a história do teatro, do cinema e da televisão no Brasil, com perfis, biografias, peças de teatro e roteiros de filme, a Coleção Aplauso chega à internet com mais de 170 títulos disponíveis para leitura gratuita on-line ou para download em pdf e txt.

No site estão as biografias de artistas como Raul Cortez, Tônia Carrero, Mazzaropi, Carlos Reinchenbach, Fernando Meirelles, Gianfrancesco Guarnieri e muitos outros, roteiros como os de “Estômago”, “Salve Geral”, “O Ano em Que Meus Pais Saíram de Férias” e “O Bandido da Luz Vermelha” além de vários livros de dedicados a dramaturgos consagrados e a críticos de arte.

Vale destacar também volumes sobre Rogério Duprat, a TV Tupi, o Teatro Brasileiro de Comédia TBC), a Rede Manchete e a TV Excelsior. Baixe gratuitamente aqui: http://aplauso.imprensaoficial.com.br .

Pré-candidato, Almir não pára de falar

Trechos da curiosa e reveladora matéria assinada pela repórter Rita Soares, a partir de conversa com o ex-governador Almir Gabriel, que o DIÁRIO publica na edição desta quarta-feira, 30.

Artimanha

Evitando usar a palavra traição, Almir disse ter sido surpreendido com o acordo entre Jatene e Mário Couto.  Disse que chegou a ouvir da direção nacional do partido e do próprio presidente do diretório estadual no Estado, senador Fernando Flexa Ribeiro, que não haveria a festa no sábado, 14, organizada pelos partidários de Jatene. Um dia antes, contudo, o acordo foi anunciado na imprensa e a festa acabou acontecendo no domingo dia, em que Almir redigiu um bilhete à mão e ditou por telefone para a reportagem do DIÁRIO. “O PSDB foi trouxa de escolher de jeito informal o candidato antes dos outros. Botarem as cartas na mesa”.

Eleições 2006

Revivendo os dias da campanha de 2006, quando Almir Gabriel foi derrotado para Ana Júlia Carepa, o ex-governador garantiu que só foi candidato porque Jatene não quis entrar na disputa, dividido que estava a entre a música, a vida intelectual e a política. “Não foi um favorzinho”, disse Almir.

Faltou “porrada”

Com os políticos e jornalistas com quem tem conversado Almir tem batido na tecla de que é preciso buscar uma nova forma de fazer política no Pará deixando de pensar na dicotomia entre bem e mal. “É preciso ler a política sob várias nuances. Não quero ficar nessa de Jatene versus Almir. Hoje, quem é PT acha que Ana Júlia é o bem. Quem é Jatene acha que ele sim é o bem e vice-versa”. Para Almir, essa é uma forma atrasada de fazer política. Pelos cálculos do ex-governador, o Pará poderia saltar da 23ª posição para a sexta entre as maiores economias do País. Isso em apenas duas décadas e meia. A renda per capta anual de R$ 4 mil poderia chegar a R$ 6 mil nesse período. E para isso, bastaria utilizar bem os recursos naturais do Estado – minério, madeira, água, sol e terra. Indagado sobre o porquê de não ter posto essa idéia em prática já que ficou no governo durante oito anos, Almir admitiu que faltou mais “porrada”.

Sobre Jader

Outro mito que segundo Almir era preciso desfazer é o de que tem diferenças irreconciliáveis com o presidente do PMDB no Pará, deputado federal Jader Barbalho. Para ele Jatene também teria dificuldade numa composição já que deixou de cumprir acordo com Jader e ainda trabalhou para encolher a bancada peemedebista na Assembléia Legislativa. (…) “A minha discordância (com Jader) foi na hora da fundação do PSDB”, explicou Almir já que os tucanos surgiram de uma dissidência do PMDB – partido que no período da abertura política abrigou todas as correntes que lutavam contra a ditadura militar. Na opinião de Almir o mito de que odiava Jader foi criado porque para o deputado era muito mais fácil negociar com Jatene. “O Jatene é primário em termos de fazer política. O Jader tem pós-graduação”.

Giovanni pode voltar a defender o Peixe

Ídolo do Santos, Giovanni poderá voltar à Vila Belmiro para muito mais do que para um simples jogo de despedida, este já combinado com a diretoria. O meio-campista de 36 anos, que teoricamente encerrou a carreira neste ano vestindo a camisa do Mogi Mirim, já cogita voltar a jogar profissionalmente pelo Alvinegro Praiano no Campeonato Paulista de 2010. “Acho que o Campeonato Paulista seria uma boa para mim e para o time, que vai ter um cara experiente que pode ajudar dentro e fora de campo”, afirmou Giovanni, que se reunirá com o técnico Dorival Júnior e com a cúpula santista para definir o seu retorno, ao jornal “A Tribuna”. Mesmo que inativo desde o último Paulistão, quando se “aposentou” pelo Mogi Mirim, o veterano garante que estará em forma caso o retorno – que depende do aval do técnico – ocorra. “Eu treino todos os dias. São duas horas de academia, corro 7 km três vezes por semana, jogo bola em campo, salão. Eu me cuido. Se eu tiver que jogar vai faltar pouco fisicamente. Em uns 15 dias estarei no ponto”, afirmou. “Sou um cara que sempre me cuidei. Sou um atleta. Não bebo, durmo cedo eu gosto disso tudo. Por isso, se me chamarem vou estar preparado. É lógico que não vou apostar corrida com um cara de 20 anos, mas vou saber ajudar o time taticamente”. Mesmo que não vista mais o manto alvinegro, Giovanni nunca deixou de ajudar o clube. Fazendo um trabalho de observação, o ex-jogador indicou uma das maiores promessas santistas, o meia Paulo Henrique Ganso, ao clube da Vila Belmiro. Recentemente, Giovanni participou de um jogo beneficente entre masters de Remo e Paissandu, em Castanhal. Marcou dois golaços e mostrou que está em plena forma. (Com informações da ESPN)

Craque indiscutível, profissional ao extremo, o meia-atacante paraense tem tudo para fazer boa figura no meio-campo do Santos, caso seja contratado. E merece, de fato, coroar sua brilhante carreira mostrando o que realmente sabe fazer com a bola.

Pensata: Mau passo no centenário corintiano

Por Juca Kfouri

Corinthians já anunciou que fará de Marcelinho Carioca o “Senhor Centenário” no ano que vem.

Não é uma boa idéia.

Em primeiro lugar porque trará pressão até para Mano Menezes, pois sempre haverá quem ache que ele ainda pode jogar, por mais que já tenham tentado com maus resultados no próprio Corinthians.

Em segundo lugar porque embora ele tenha sido o mais vezes campeão dos campeões corintianos, o corintiano de verdade sabe como a história de que sua segunda pele é alvinegra não passa de mera demagogia, marqueteiro como ele é.

Tanto que o próprio presidente do Corinthians admitiu que a escolha dele foi um jeito de impedir uma nova ação trabalhista contra o clube.

Como uma nota de três reais, Marcelinho pode até servir aos eventos do centenário alvinegro, mas sem a marca da sinceridade, da franqueza que deveria ser a tônica das festas dos 100 anos.

Ao contrário, deve servir mais à sua ambição de ser deputado estadual.

Porque Marcelinho não é nem corintiano de verdade, nem muito menos maloqueiro, nem sofredor.

Graças a Deus!