Águia apresenta suas armas

Acontece nesta segunda-feira, às 17h, no estádio Zinho Oliveira, em Marabá, a apresentação dos atletas que vão compor o elenco do Águia de Marabá para a próxima temporada. A torcida aguiana está ansiosa para conhecer os novos jogadores que foram contratados pela diretoria. Entre os recém-chegados está o goleiro Rodrigo Ramos (ex-Sampaio Corrêa); o lateral-esquerdo Aldivan (ex-Paissandu), o lateral-direito Victor Ferraz, que veio do São José/RS, junto com o também o zagueiro Ari, que inclusive já vestiu a camisa do Paissandu. O meia Tiago Marabá, que jogou pelo Águia em 2005 e que disputou a primeira fase do Parazão pelo Gavião Kiykatêjê, também reforça o time. Ainda são esperados os atacantes Fuzuê, vindo do Maranhão, e Edinho, que disputou a última Série D pelo S. Raimundo e passou pelo Remo.

A diretoria ainda está negociando com o atacante Wando, de 29 anos, que disputou o último Brasileiro da Série B pelo Paraná Clube e defendeu Vila Nova (GO) e Cruzeiro (MG). Também está em negociação com o meia-atacante Diego Biro, filho do ex-jogador Biro-Biro. (Informações do Futebol Interior e da Rádio Clube)

Cartola bicolor confirma novas contratações

Em entrevista ao vivo, no começo da tarde, na Rádio Clube, o presidente Luiz Omar Pinheiro, do Paissandu, confirmou oito novas contratações do clube para 2010: o goleiro Adilson (ex-Ceará); o lateral Nequinha (foto 1); os volantes Sandro Goiano, Rafael Mussamba (ex-Marília), Simão e Romeu (foto 2, ex-Remo e Tuna); os zagueiros Cléber Carioca, Beto, André Rancharia e Rogério Corrêa (ex-Atlético-PR); e os atacantes Enilton e Didi (ex-Corinthians).

Segundo Luiz Omar, todos os reforços foram avalizados pelo técnico Luiz Carlos Barbieri. O clube pode contratar ainda o atacante Paulinho Marília (Luverdense), que negocia com o empresário Roger Aguillera.

Caso esteja fisicamente bem, Sandro Goiano é a grande aquisição do Paissandu para a temporada. Não só pelo histórico no próprio clube como pela categoria e experiência. Outros bons nomes são Adilson, goleiro experiente; Rogério Corrêa, zagueiro que defendeu o Atlético-PR; e Didi, centroavante que despontou no Corinthians.

Papão enfrenta ex-funcionários na Justiça

Três ex-funcionários do Paissandu cobram indenizações trabalhistas na Justiça. São o goleiro Ronaldo, o lateral Rafael Vieira e o auxiliar técnico Mariozinho. As reclamações são idênticas: salários atrasados, encargos trabalhistas não pagos e multas por rescisões contratuais. As ações somam mais de R$ 2,3 milhões.

Ronaldo terá a primeira audiência contra o clube no dia 14 de janeiro de 2010, reivindicando R$ 996.965,21. Já Mariozinho, que pede R$ 57.837,76 mil em salários atrasados, terá audiência no dia 19 de janeiro. A última audiência será a de Rafael Vieira, que cobra 1,3 milhão de reais.

Jobson admite, pela primeira vez, que usou droga

O atacante paraense Jobson enfim quebrou o silêncio e falou sobre o seu flagrante no caso de doping, no qual foi pego por uso de cocaína. Ele admitiu ter usado a droga antes do jogo contra o Coritiba, no dia 8 de novembro, pelo Brasileiro. Aos 21 anos, o ex-atleta do Botafogo no entanto negou que tenha usado a droga em uma nova oportunidade e ainda que seja um dependente químico. Outro exame, desta vez após o duelo contra o Palmeiras, também deu positivo para a substância.

“Usei uma vez em uma festa que eu estava empolgado com uma atriz, que não vou citar o nome. Estava fora desse jogo contra o Coritiba e usei, mas acabei sendo escalado”, afirmou Jobson em entrevista ao canal “SporTV”, no domingo. Destaque do Botafogo na competição nacional, principalmente na reta decisiva que culminou com a equipe conseguindo safar-se do rebaixamento, o atacante já era dado como contratação certa do Cruzeiro para 2010. O clube mineiro, que disputará a Libertadores da América, desistiu do negócio após o caso vir à tona.

Jobson tentou minimizar seu erro e fez um apelo para não ser banido do futebol, o que pode vir a acontecer caso seja comprovado que fez uso de cocaína duas vezes seguidas. “Não vou ser nem o primeiro e nem o último a errar. Todo mundo erra. Isso só me atrasou, porque eu estava acertando com o Cruzeiro”, disse. “É lógico que eu tenho que ser punido, mas não ser expulso do futebol, como estão falando. Isso para mim não existe, o que vou passar sem jogar futebol? Só sei jogar futebol”, encerrou. (Da ESPN)

O caminho para escapar do banimento pode até passar pela admissão do vício e o pedido de perdão, mas Jobson corre um risco maior ainda, que é o de achar que cocaína é droga social, para embalar festinhas inocentes. Alguém precisa recomendar um tratamento especializado para o garoto, para não cair novamente na armadilha, caso ainda volte a jogar futebol profissionalmente.