S. Paulo abre as portas para a Traffic

Por Cosme Rímoli

“Enquanto eu for presidente do São Paulo, nós não teremos parceria com ninguém.” A declaração firme e clara é de Juvenal Juvencio. A cúpula do clube sempre criticou a postura ’submissa’ do Palmeiras à Traffic. E insistiu que nunca seguiria por esse caminho.

Mas nunca e sempre são palavras perigosas para serem usadas no futebol. Primeiro foi uma parte, um pedaço de Hernanes. Agora o zagueiro Xandão. E Fernandinho, que a empresa de Jota Hawilla enfrentou o Cruzeiro para colocar no Morumbi. A Traffic esticou os seus tentáculos para o São Paulo. E foi muito bem aceita.

A saída foi fundamental para os dois lados. Como o fracasso do Palmeiras no Campeonato Brasileiro, a Traffic precisa colocar seus jogadores para valorizar. Campeonato Paulista e Copa do Brasil não são vitrines. São campeonatos disputados quase por obrigação. Jota Hawilla tem ouvido e alma de comerciante. Não há motivo para ficar angustiado porque os dirigentes do São Paulo menosprezavam a Traffic. O que interessa é 0 lucro.

E os são-paulinos entenderam que é burrice, desprezar os jogadores que poderiam utilizar sem comprá-los. E há novas avaliações. Traffic e São Paulo estudam se outros atletas poderão ir para o Morumbi antes de começar a Libertadores. Sem dor de consciência de nenhum dos lados. “A nossa parceria de verdade é com o Palmeiras. Nos outros clubes, nós apenas investimos”, afirmou Hawilla ao blog. O empresário falou quando foi fazer uma exposição sobre a Copa do Mundo no Brasil.

A Traffic por enquanto terá 13 jogadores na Libertadores. Atuarão por São Paulo, Flamengo, Internacional e Corinthians. Sim, não se pode esquecer que a empresa detém a maior porcentagem sobre os direitos federativos de Elias. E, por causa de Fernandinho, há um mal estar entre a Traffic e Cruzeiro. Mas Zezé Perrella é tão negociante quanto Jota Hawilla. No início do ano haverá uma reunião e as duas partes poderão se acertar.

Com o Palmeiras longe do campeonato mais importante das Américas, a Traffic trata de buscar lucro. Não importa a camisa. Depois de romper a barreira no São Paulo, Jota Hawilla e seus comandados sabem que não há mais limite no futebol brasileiro. O que interessa é ganhar dinheiro.

Rivalidade, dedicação a uma cor, um clube, isso não existe. Fica com o purista torcedor que se espreme, no meio de tantos outros ,para comprar um mero ingresso de arquibancada…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s