A despedida do polêmico Danrlei

O goleiro Danrlei se despediu oficialmente dos gramados em uma partida histórica na tarde deste sábado, diante de mais de 30 mil pessoas no Estádio Olímpico, em Porto Alegre. Dono de diversos títulos com a camisa do Grêmio, o jogador de 36 anos atuou ao lado de ex-atletas que participaram especialmente da campanha da Copa Libertadores de 1995, sua principal conquista na carreira. “Sábado à tarde, as pessoas poderiam estar na praia, com seus familiares”, emocionou-se o goleiro, ao ver a grande presença de torcedores no estádio. “Só tenho a agradecer a torcida do Grêmio, não somente por hoje, mas por sempre”, completou o agora ex-jogador, no intervalo da partida, enquanto o placar apontava derrota parcial para a equipe adversária.


O resultado, vitória por 4 a 3 à equipe de 95, teve importância menor se levada em consideração a presença de tantas estrelas, a maioria já aposentada. Mas o atacante Jardel não esqueceu a marca de artilheiro, anotando dois gols a favor da equipe defendida por Danrlei. Outro ponto alto foi a substituição do goleiro no segundo tempo, ao receber o carinho dos atletas dos dois times e forçar o encerramento do jogo antes de completados os 90 minutos regulamentares. Entre os nomes que estiveram no Olímpico nesta tarde, destaque para Arce, Rivarola, Adilson Batista, Roger, Paulo Nunes, Jardel e Scheidt. Além deles, a torcida pôde ver Victor, George Lucas, Anderson Lima, Mauro Galvão, Agnaldo Liz, Rodrigo Costa, Rodrigo Fabri, Souza, Douglas Costa, Assis (irmão de Ronaldinho Gaúcho), Caio Ribeiro, Zé Alcino, Rodrigo Mendes e tantos outros ex-gremistas. (Com informações da ESPN)

Danrlei teve rápida passagem pelo Remo, disputando a Série B 2007.

Uma torcida à beira de um ataque de nervos

A torcida do Palmeiras ainda não se conformou com a queda de rendimento do time na reta final do Campeonato Brasileiro. Neste sábado, realizou um protesto em frente ao estádio Palestra Itália. Não houve registro de confusão, mas a Polícia Militar esteve no local para monitorar a manifestação. Os principais alvos do protesto foram o atacante Vagner Love e o meia Diego Souza. Os torcedores acusaram o atacante de exagerar em saídas noturnas. Um trio elétrico foi decorado com a faixa: “Camarote do Love”. No alto do caminhão, torcedores se fantasiaram de “Vagner Love”, com garrafas de vodka em punho. “Fora Love baladeiro” era a inscrição de outra faixa pendurada em árvores. Já Diego Souza foi apontado como ‘pipoqueiro’. Até uma faixa com a mensagem “Diego Souza Troféu Pipoca!!!” foi exibida no local. O presidente Luiz Gonzaga Belluzzo também não foi poupado e manifestantes pediram sua saída do cargo, assim como a do vice de futebol, Gilberto Cipullo. (Da ESPN)

Re-Pa em cinco passos

O futebol reserva surpresas monumentais, como se sabe, mas o Re-Pa deste domingo tem tudo para ser um dos mais melancólicos dos últimos anos. Planejado para fechar a temporada  garantindo algum dinheiro para os dois clubes, o clássico de nº 701 da história sofre de esvaziamento crônico. E os motivos são bem visíveis.

1) Não há uma atração sequer prevista para o embate. A maioria dos jogadores nunca disputou um Re-Pa. As exceções são Zé Augusto e Zeziel, no Paissandu, e Marlon e Ramon, no Remo.

2) Confusos com a falta de opções, os treinadores não sabem que time lançar. Preocupados com o risco do desemprego, preparam esquemas defensivos e cautelosos. O Remo terá quatro volantes (Ramon, Danilo, Marlon e Fabrício) no meio-campo. O Paissandu vai de 3-5-2.  

3) A torcida, que se empolga fácil e torce por Re-Pa até de time de botão, não engoliu a isca. Até a manhã deste sábado, nem mesmo os ingressos de gratuidade tinham se esgotado nas bilheterias de Curuzu e Baenão. A previsão mais otimista indica que o clássico terá entre 8 mil e 10 mil espectadores.

4) Além de times em formação e uma legião de jogadores desconhecidos, Remo e Paissandu cometeram erro crasso na organização do jogo: estipularam o preço dos ingressos em R$ 15,00 (arquibancadas) e R$ 30,00 (cadeiras). A lógica, o bom senso e o nível dos times aconselhavam preços menores.

5) Vitória e derrota podem ter significados diferentes neste domingo. Como as equipes não são definitivas, quem vencer pode sair perdendo lá frente, em função da ilusão de que as coisas estão bem. Quem perder pode lucrar mais adiante, porque vai procurar se reforçar.

Andrade exige valorização salarial

O título brasileiro valorizou e empolgou Andrade. O técnico, chamado nesta semana para acertar a renovação de contrato, surpreendeu a diretoria do Flamengo. Ganha R$ 50 mil e os dirigentes pensam em triplicar esse valor, mas o timoneiro do hexa quer, no mínimo, R$ 250 mil. Levando em conta que Dorival Junior ganhava R$ 280 mil do Vasco na Segundona, Andrade está prenhe de razão. Mas, pelo andar da carruagem, o Fla não vai conceder o aumento pretendido.

A poesia emprestada

A educação pela pedra

Por João Cabral de Mello Neto

 

Uma educação pela pedra: por lições;

para aprender da pedra, freqüentá-la;

captar sua voz inenfática, impessoal

(pela de dicção ela começa as aulas).

A lição de moral, sua resistência fria

ao que flui e a fluir, a ser maleada;

a de poética, sua carnadura concreta;

a de economia, seu adensar-se compacta:

lições da pedra (de fora para dentro, cartilha muda),

para quem soletrá-la.

<       >

Outra educação pela pedra: no Sertão

(de dentro para fora, e pré-didática).

No Sertão a pedra não sabe lecionar,

e se lecionasse, não ensinaria nada;

lá não se aprende a pedra: lá a pedra,

uma pedra de nascença, entranha a alma.

Coluna: A salvação da lavoura

A notícia que o Remo aguardava ansiosamente há meses chegou sexta-feira à tarde: a CBF divulgou a tabela da Copa do Brasil e o Leão paraense está confirmado, juntamente com Paissandu e São Raimundo. A participação pode vir a ser a tábua de salvação para os azulinos em 2010, desde que monte um bom time para o Campeonato Paraense e, por tabela, possa avançar no torneio nacional, atraindo visibilidade e boas rendas.
Aliás, do ponto de vista financeiro, a Copa do Brasil continua a ser a melhor alternativa para times emergentes, afastados da Primeira Divisão ou, mesmo, sem divisão, como o Remo. Neste ano, mesmo em situação cambaleante no certame estadual, o time de Periçá arrastou mais de 40 mil pessoas ao Mangueirão para o confronto com o Flamengo de Cuca. 
Tanto esforço resultou em vão porque o faturamento da partida – cerca de R$ 650 mil – foi todo para os cofres rubro-negros, que venceu por 2 a 0 e garantiu a classificação antecipada. Que a desfeita sirva de lição para que desta vez a competição seja encarada com mais seriedade e competência.
A tabela reserva para o Remo, no primeiro cruzamento, a 24 de fevereiro e 10 de março, um adversário do tipo mamão-com-mel: o desconhecido São Mateus (ES). Caso avance, terá como provável adversário de segundo mata-mata o Santos de Dorival Junior, com perspectivas de arrecadação interessante no Mangueirão. Grana que viria a calhar para o projeto de construção do time para as demais jornadas da temporada. Mas, como neste ano, cabe lembrar que os preparativos devem começar já.  
 
 
O Paissandu terá como primeiro obstáculo o modestíssimo Potiguar de Currais Novos (RN). Deve encarar depois o Palmeiras de Muricy. Certeza de lucro nas bilheterias. Já o debutante S. Raimundo estréia contra o Botafogo. Se passar, pega o vencedor do duelo Santa Cruz x América (AM). Dos três paraenses, o Mundico é o que tem mais chances de chegar à terceira fase da Copa do Brasil.
 
 
Santa Maria do Pará sediou neste sábado o I Seminário das Ligas Municipais de futebol. Mais de 70 presidentes de entidades compareceram. Oportunidade para discutir temas diversos e, principalmente, para o presidente da FPF, Antonio Carlos Nunes, passar em revista a cartolagem interiorana às vésperas da eleição na entidade. A colheita, pelo que se presume, foi das mais proveitosas para o coronel.
  
 
A Tuna recepciona o Time Negra, às 9h30 deste domingo, no Souza, pela primeira fase do Parazão. Se tropeçar de novo, a Águia põe em risco o acesso ao banquete principal do campeonato. O trio Tiago, Jóbson e Marcelo Lemos carrega as esperanças lusas. Jones Lara Tavares narra e este escriba baionense comenta a peleja para a Rádio Clube. 

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO deste domingo, 13)   

Só a paixão move o Imperador

Depois das homenagens pela conquista do título brasileiro 2009 pelo Flamengo, o atacante Adriano se recolheu à Vila Cruzeiro (Penha, bairro da Zona Norte do Rio). Não saiu da comunidade e do lado de seus amigos nem para receber a premiação do Craque Brasileirão 2009 e a Bola de Ouro da revista Placar, na última segunda-feira. Só abriu exceção para as coisas do coração: comemorou efusivamente, no último domingo, o aniversário de 23 aninhos de sua consorte, a gaúcha Cássia Menega, segundo o blog Clube da Bolinha, do portal ClicRBS.

O amor é lindo, já dizia o “tigre” Isaac Soares… Paga quem pode, entrega quem tem juízo, diria o conselheiro Acácio. Te dizer…

Para El País, Lula é personagem do ano

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi escolhido personagem do ano pelo jornal espanhol “El País” e qualificado pelo líder do governo da Espanha, José Luis Rodríguez Zapatero, como um “homem cabal e tenaz”, em um artigo publicado nesta quinta-feira no site do diário. O perfil de Lula fará parte de um suplemento especial elegendo “Os 100 do Ano” entre homens e mulheres ibero-americanos que marcaram 2009. O artigo será publicado pelo “El País” no domingo, mas foi antecipado por sua versão digital.

O encarregado de traçar o perfil do presidente brasileiro foi Zapatero, que lembra que o conheceu em setembro de 2004, após a incorporação da Espanha à Aliança Contra a Fome, liderada pelo presidente brasileiro, em uma cúpula organizada pelas Nações Unidas em Nova York. “A ocasião não podia ter sido melhor”, diz. Após lembrar suas modestas origens, Zapatero destaca que, pelas mãos de Lula, “seguindo o caminho aberto por seu antecessor, Fernando Henrique Cardoso, o Brasil, em apenas 16 anos, deixou de ser o país de um futuro que nunca chegava para se transformar em uma formidável realidade, com um brilhante porvir e uma projeção global e regional cada vez mais relevante”.

O presidente do governo espanhol considera que o Brasil “é um dos países emergentes que conta com uma democracia consolidada, e está chamado a desempenhar nas décadas seguintes uma crescente liderança política e econômica no mundo, como já vem fazendo na América Latina com notável acerto”.

O artigo de Zapatero aponta que “Lula tem o imenso mérito de ter unido a sociedade brasileira em torno de uma reforma tanto ambiciosa quanto tranquila”. “Está sabendo, sobretudo, enfrentar, com determinação e eficácia, os desafios da desigualdade, da pobreza e da violência, que tanto lastreou a história recente do país.”

Acrescenta que “como consequência disso, sua liderança goza hoje no Brasil do respaldo e do apreço majoritários, mas mais importante ainda é a irreversível aceitação social de que todos os brasileiros têm direito à dignidade e à autoestima, por meio do trabalho, da educação e da saúde”. Zapatero aponta que, “superando adversidades de toda ordem, Lula percorreu com sucesso esse longo e difícil caminho que vai desde o interesse particular, em defesa dos direitos sindicais dos trabalhadores, ao interesse geral do país mais povoado e extenso do continente sul-americano”.

No plano internacional, o presidente do governo espanhol opina que nos sete anos da Presidência de Lula, o Brasil “ganhou a confiança dos mercados financeiros internacionais, que avaliam a solvência de sua gestão, a capacidade crescente de atrair investimentos diretos, como as efetuadas por várias companhias espanholas, e o rigor com que administrou as contas públicas”.

Zapatero define Lula como um “homem honesto, íntegro, voluntarioso e admirável”. Após lembrar que o Brasil ocupará em breve um lugar no Conselho de Segurança da ONU, que está a ponto de se transformar em uma potência energética e que em 2014 receberá a Copa do Mundo, ele refere à reunião de outubro, em Copenhague, quando o Rio de Janeiro foi eleita cidade sede dos Jogos Olímpicos de 2016.

“Lula chorava de felicidade, como uma criança grande, porque o Rio de Janeiro acabava de ser escolhida cidade organizadora dos Jogos Olímpicos de 2016. A euforia que o inundava não o impediu de ter o valor necessário para vir me consolar porque Madri não tinha sido escolhida”, lembra. “Não me estranha que este homem impressione o mundo”, conclui Zapatero em seu artigo. (Da Ag. Efe, de Madri)

E o metalúrgico não para de subir. Por essas e outras que o insígne Farol de Alexandria (ou Grande Guia dos Povos) dedica-se cada vez mais à causa da maconha.

Brazucas envolvidos em escândalo na Turquia

O lateral-esquerdo André Santos, ex-Corinthians, que atualmente defende o Fenerbahçe e figura constantemente na seleção brasileira do técnico Dunga, defendeu-se neste sábado de uma acusação de participar de uma orgia em um hotel na Turquia, juntamente com outros três jogadores da equipe, os brasileiros Fábio Bilica e Vederson e o inglês naturalizado turco Kazim Richards. Segundo o jornal inglês “The Sun”, o técnico do Fenerbahçe, Cristoph Daum, confirmou o incidente no hotel e não quer mais os quatro atletas no clube.

“Estou absolutamente chocado em descobrir que coisas deste tipo estão acontecendo. Eu nunca esperaria que os jogadores do Fenerbahçe estivessem envolvidos em algo assim”, disse Daum. André Santos, porém, nega as acusações. “Realmente estão saindo notícias que acusam algumas coisas a respeito da minha pessoa e que não são verdades. Não estão falando só de mim, mas do Kazim e de alguns outros jogadores que atuam no clube. Este fato não aconteceu e quero esclarecer de uma vez por todas esta história. Sai uma notinha aqui, outra ali e isso vai virando uma bola de neve que pode acabar afetando a minha imagem, sendo que sempre foi uma das melhores coisas em todos os clubes”, declarou o jogador.

O lateral afirmou que as acusações estão acontecendo justamente no momento em que o Fenerbahçe não atravessa uma boa fase –perdeu as três últimas partidas. (Do Folhaonline)

Égua… “algumas coisas a respeito da minha pessoa…” é de fuderetê. Vou te contar, o cabra podia pelo menos arrumar melhor a frase.