Águia define reforços para o Parazão

Notícias fresquinhas chegando de Marabá dão conta que o lateral-esquerdo Aldivan assinou contrato para defender o Águia no Campeonato Paraense. E, em almoço nesta sexta-feira, o goleiro Rodrigo Ramos (Sampaio Corrêa) praticamente fechou com os dirigentes do Águia, à frente João Galvão. Ramos é o mesmo que a diretoria do Remo está anunciando como “quase certo” há quase dois meses. A diferença é que, enquanto os dirigentes remistas ficam conversando com o Sampaio por telefone, o Águia mandou buscar o goleiro para uma conversa séria e ao vivo em Marabá.

Tribuna do torcedor

Por Nonato Araújo

Após leitura do episódio envolvendo o Robgol e Luiz Omar, fica claro que o Luiz Omar está com ciúmes pela condição que o Robgol ostenta no Paissandu. Ele deveria era aceitar a condição e ter o Robgol ao seu lado, mais não, prefere criar polêmica e dizer que o Robgol está se beneficiando. Mas claro que ele tem essa intenção, afinal ele é deputado e pra se reeleger ele tem que agradar seu eleitorado. E ele está fazendo por merecer, pois se preocupa pelo Paissandu e pelas alegrias que nos proporcionou. Esta é a minha opinião.

Sem choro nem vela: Fifa veta outro jogo

Apesar de protestos até do primeiro ministro da Irlanda, a Fifa não acatou o pedido de repetição do jogo dessa quarta-feira entre França e Irlanda. Na partida, válida pela repescagem das eliminatórias europeias, o atacante Henry usou a mão para ajeitar a bola e dar assistência para o gol da classificação francesa à Copa do Mundo. Em comunicado no seu site oficial, a entidade máxima do futebol mundial afirma que “o resultado do confronto não pode ser alterado e o duelo não deve ser remarcado, já que está claramente mencionado nas regras do jogo que durante os 90 minutos as decisões são tomadas pelo árbitro e essas decisões são finais.” (Da ESPN)

A quem interessar possa…

Agenda do presidente Lula para esta sexta-feira, 20:

9h30 Encontro privado com o presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas, no Museu da Misericórdia, Rua da Misericórdia, 6, Salvador (BA)

10h Assinatura de atos e declaração à imprensa

11h30 Cerimônia de anúncio do novo plano de investimentos da Ford para o Brasil, no pátio da fábrica da Ford, Camaçari (BA)

17h Encontro com a comissão organizadora do Dia Nacional da Consciência Negra, na praça Castro Alves, Centro Histórico, Salvador

17h30 Cerimônia de comemoração do Dia Nacional da Consciência Negra

20h30 Partida para Brasília (DF), Base Aérea de Salvador

23h Chegada a Base Aérea de Brasília

(Fonte: Secretaria de Imprensa da Presidência)

Coluna: Os 12 passos tricolores

O Fluminense, que já ostenta o privilégio de ter o hino mais bonito entre os grandes clubes brasileiros, está muito perto de alcançar outra façanha: a de melhor volta por cima de todos os tempos na Série A. Os americanos valorizam tanto esses gestos de bravura indômita que atribuem um prêmio no fim de toda temporada – Ronaldo Fenômeno ganhou o dele, depois que retornou gloriosamente aos campos em 2002. 
No Brasil, a tradição é valorizar somente os campeões, cantados em prosa e verso. O vice-campeão ou aquele time que se safa por um triz da ribanceira nunca recebe o devido reconhecimento. E o Fluminense, por tudo que tem mostrado nas últimas 12 partidas, tem plenas condições de fazer história nas próximas três rodadas do Brasileiro.
Ao final do turno, estava em frangalhos. Era dado, com razão, como carta fora do baralho. Tinha apenas três vitórias. A confiança e o orgulho foram readquiridos depois que o comando saiu das mãos de Carlos Alberto Parreira e foi entregue a Cuca, outro que tinha trabalhos recentes bastante contestados. Juntaram-se dois processos de reconstrução e o resultado tem sido heróico, quase miraculoso.
A parte visível da mudança começou com o afastamento de jogadores experientes (Luiz Alberto, Roni, Rui, Fernando Henrique), substituídos pela jovem geração tricolor, formada em Xerém e pouco aproveitada até então. Maicon, Alan, Marquinhos, Digão e Rafael foram promovidos e, ao lado de Fred, Gum e Conca, estão reescrevendo corajosamente a história tricolor neste campeonato, com raça e bom futebol.
Dá gosto ver o Flu jogar. E o padrão é o mesmo, seja no Brasileiro ou na Sul-Americana. Uma das melhores exibições de um time nacional nesta temporada foi, seguramente, contra o Cerro Porteño dentro de Assunção. Além de superar a tibieza do árbitro argentino, teve forças para sair vencedor de um jogo em que o adversário só se preocupou em dar pancada.
Na bola, usando o drible e a velocidade como armas de dominação, o Flu dominou as ações e acabou triunfando, com inteira justiça. Anteontem, na volta, a atuação não foi tão categórica, mas o espírito de superação garantiu a ida à final da Copa.
Enganam-se os que ainda julgam que tudo não passa de sorte. O time está jogando como poucos da Série A, juntando técnica e disposição em perfeito equilíbrio. Arrisco dizer que, se tivesse começado bem, estaria na briga direta do G-4. Apesar do retrospecto de viradas de mesa, desta vez o Fluminense não merece mesmo cair.   
 
 
A pinimba envolvendo o presidente Luiz Omar Pinheiro e o deputado estadual Robgol, além de gratuita, não faz justiça ao empenho que o ex-jogador tem demonstrado em ajudar seu ex-clube. Doou um placar eletrônico para a Curuzu e destinou ao Paissandu, através de emenda parlamentar, verba de R$ 100 mil. O dinheiro não teve aplicação comprovada e daí surgiu a discórdia, turbinada pelos justificados elogios que Robgol faz à administração de Artur Tourinho, presidente mais vitorioso da história do futebol paraense. 

(Coluna publicada na edição do Bola/DIÁRIO desta sexta-feira, 20)

Direto do túnel do tempo: Woodstock

A dica é do Flávio Gomes e eu endosso. Bela coletânea de fotos do festival de Woodstock, no site www.fottus.com, que em agosto completou 40 anos. Imagens são da extinta e lendária revista “Life”. Acima, na primeira foto, um registro da multidão de jovens no primeiro dia do festival. Logo abaixo, apresentação de Carlos Santana, um dos destaques. Abaixo, flagrante curioso do curralzinho da imprensa que cobriu o evento.