Baião, 230 anos de vida simples

baiao1

Baião, encravada no Baixo Tocantins, comemora hoje 230 anos de fundação. Nasceu, como quase todas as cidades paraenses surgidas no século 18, de um pequeno povoado à beira do rio. O fundador foi um andarilho nordestino chamado Antonio Baião, que lhe cedeu o nome. Depois de anos de esquecimento por parte dos poderes estabelecidos, a cidade segue sua rotina. Vidinha tranquila, simples, como seus colonos e pescadores.

baiao5

Nessa sequência de fotos de Everaldo Nascimento, uma boa mostra de como a cidade é hoje, com suas ruas arborizadas e a tradicional rampa do trapiche, tantas vezes mencionada aqui. Baião, que nunca teve problema de explosão demográfica, conserva-se meio imune ao tal progresso de outras cidades até mais jovens. Já não sei se isso é tão ruim assim. Vamos vivendo, de acordo com nossas posses, costuma dizer meu pai, José Dias.

baia3

O problema de Baião, como de quase todo o Pará rural e extrativista, é a ausência de limites. Os predadores do setor florestal tudo podem, são quase intocáveis. Caminhões costumam invadir as matas do município para extrair, criminosamente, madeira de lei. O verde vai ficando mais cinza. Não há cerca, nem lei. Quem ousa enfrentar as quadrilhas, sofre as consequências. Baião podia viver sem isso.

baiao2

Hoje pela manhã, ainda sonolento, recebi um telefonema lá da terrinha. Era minha irmã Marta. Queria saber se eu estaria na cidade hoje, para participar das comemorações. Alguém na Rádio Clube fez referência ao fato e juntou meu nome à cidade – coisa, aliás, que muito me honra. Disse que devia ser um engano, pois não posso me ausentar de Belém no momento, por motivos de trabalho. Mas a simples bênção de ouvir uma voz familiar já foi suficiente para tornar o dia mais luminoso. Graças a Deus.

baiao6  

 

19 comentários em “Baião, 230 anos de vida simples

  1. Acabei de fazer uma MENÇÃO HONROSA, uma DEFERÊNCIA ESPECIAL para um DESPERTAR MAIOR do DESPORTO da sua CIDADE NATAL. (Ver: “O MÉRITO DOS ENJEITADOS” às 11:19h).

    VIVA BAIÃO !!!

  2. Grande Gerson, cidade pacata e acolhedora pelo jeito, alias como todas do interior Paraense…
    Hj tem o Aguia de fogo por lá, pra agitar a galera..rsrs…Parabens Gerson, só lembrando que amanhã é o de São Miguel do Guamá…

  3. Tem algum lugar porreta pra tomar “aquele banho”? As fotos são convidativas. Com destaque para o cara da bicicleta, pedalando na chuva. Dá pra ver que o cara tá “estressado” com o trânsito caótico… Hehehehe
    Viver no interior é uma bênção. Mesmo com todos os problemas.

    1. Matheus,
      Tem o rio Tocantins bem à frente da cidade e, na parte interna, dezenas de igarapés. Nas férias de julho (até setembro, mais ou menos), temos uma ótima praia na margem oposta do Tocantins.

  4. Tenho um carinho especial por este município, até pelo envolvimento que tive há algum tempo com uma “Pantoja” de lá. Parabéns ao Município e aos estudantes da ex-CEB (Casa de Estudantes Bionenses) que ficava lá em Canudos. Quantas saudades.

  5. Infelizmente ainda não tive o privilégio de conhecer Baião. Quem sabe, futuramente?!… Afinal, o município faz parte do conglomerado afetado pela barragem do Tocantins para possibilitar a construção da UHE Tucuruí. Tenho um amigo que é coordenador do PDJUS (Programada de Desenvolvimento da Jusante de Tucuruí)… Vou ver se “cavo” uma visita à Baião, de preferência se for para inaugurar alguma obra. Parabéns!

    1. Faça isso, grande Sérgio. Baião, apesar de indiretamente afetada pela barragem, conserva um isolamento que lhe confere um certo charme.

  6. Belissimas fotos!!! O fotografo conseguiu captar com perfeição o espirito de seus moradores. Não conheço Baião, mais pretendo visita-la nas proximas férias.
    Parabens Gerson, pelo aniversário de sua cidade.

  7. Parabéns a Baião pelos seus encantos . Essa primeira foto é coisa fina, com o Rio Tocantins ao fundo, prova que não precisamos ir muito longe para um bom lazer.

    1. Verdade, caro Berlli. O Pará tem encantos que os próprios paraenses desconhecem. E tudo aqui mais ou menos perto.

Deixe uma resposta